Oprah Winfrey fez o discurso mais poderoso do Globo de Ouro 2018

Facebook
VKontakte
share_fav

Para uma cerimônia tão aguardada e politizada, o Globo de Ouro 2018 estava morno – até que Oprah Winfrey subiu ao palco para receber o Prêmio Cecil B. DeMille pelo conjunto da obra no mundo do entretenimento. Depois de ser apresentada por uma Reese Witherspoon emocionada, Oprah usou todo seu poder para comunicar uma série de mensagens importantes.

Ela começou falando sobre como foi importante para ela, uma menina pobre do Mississippi, ver o ator Sidney Poitier receber o Oscar de melhor ator em 1964. “Eu nunca havia visto uma pessoa negra ser celebrada daquele jeito”, ela disse. E isso foi vital para que ela, filha de uma faxineira, soubesse que também podia chegar lá.

“Acho que nesse momento, em que sou a primeira mulher negra a receber esse prêmio, também há garotinhas como eu fui, assistindo em casa”, ela disse e foi ovacionada pela plateia.

Ela ainda falou sobre o poder de expressar sua verdade – a maior ferramenta, segundo Winfrey. E agradeceu às mulheres que compartilharam suas histórias de abuso, expondo assim os homens que as abusaram, mas também as que se calaram, porque tinham filhos para alimentar, contas a pagar e sonhos a perseguir.

Oprah usou a história de Recy Taylor, uma mulher que em 1944 foi vítima de um estupro coletivo praticado por seis homens, para falar sobre o movimento Time’s Up. Embora os homens tenham confessado o crime, nunca foram condenados. Taylor morreu aos 97 anos, em dezembro de 2017. Oprah disse que Recy viveu em um tempo em que a verdade das mulheres não tinha valor, mas que esse tempo acabou. E bradou “Time’s Up!” diversas vezes.

Finalmente, Oprah afirmou que “Um novo dia está nascendo, graças a várias mulheres e alguns homens fenomenais que lutam para serem os líderes de um tempo em que ninguém vai ter de dizer ‘eu também’ novamente”. Saiu aplaudida de pé, como ela merece.

ver M de Mulher
#reese witherspoon
#violência contra a mulher
#oprah winfrey
#premiações
#famosos e tv
#racismo