Militar que matar em operações como a do Rio será julgado por corte militar

Facebook
VKontakte
share_fav

"Uma licença para matar". Assim algumas entidades de direitos humanos batizaram o projeto de lei aprovado nesta semana pelo Senado Federal (PLC 44/2016) que transfere da Justiça comum para a militar o julgamento de homicídios cometidos por militares durante operações especiais de segurança pública em território nacional. A mudança prática é a seguinte: se um profissional da Marinha, Exército ou Aeronáutica assassinar um civil durante uma das atuais operações em comunidades do Rio de Janeiro, onde as Forças Armadas estão autorizados a atuar até o fim do ano pelo menos, ele não será julgado pelo Tribunal do Júri, e sim por um tribunal formado em sua maioria por juízes militares, que não tem necessariamente uma formação jurídica.

ver El País
#homicídios
#estado rio de janeiro
#ong
#defesa
#exército terra
#hrw
#forças armadas
#exército brasileiro
#congresso nacional
#presidência brasil
#governo brasil
#forças armadas brasileiras