Fotos recriam clima de horror, tortura e violência em clínicas de ‘cura’ para homossexuais

Facebook
VKontakte
share_fav

Leia mais

Infelizmente, os tempos ainda são sombrios para grupos minoritários e pessoas avessas aos muitos padrões tradicionais da sociedade. A compreensão da orientação sexual como uma espécie de transtorno, por exemplo, persiste na cultura de muitas famílias. Para elas, “cura gay” existe e deve ser incentivada, ainda que à força.

A fotógrafa Paola Peredes resolveu transformar a experiência em uma clínica de tratamento para homossexuais, no Equador, em um forte e corajoso ensaio de fotos com algumas das piores violências cometidas neste espaço.

Disfarçada, a fotógrafa de 31 anos testemunhou violações desumanas e inadmissíveis. Os internos da clínica eram violentados, agredidos, forçados a rezar e a cuidar da limpeza do espaço, cem condições análogas à escravidão.

Paola explica que, na verdade, essa e outras clínicas afirmam cuidar de vícios relacionados a álcool e drogas, mas o real propósito é muito mais assustador do que isso. Além de registrar áudios da clínica em questão, a fotógrafa conversou com pessoas que foram internadas no Equador e recriou, a partir dos relatos, momentos de tortura e humilhação que ficaram marcados na memória.

Ela está com uma campanha ativa em uma plataforma de financiamento coletivo para prevenir o surgimento de novas clínicas de abuso e violência a homossexuais. De acordo com Paola, só no Equador são cerca de 200 estabelecimentos do gênero.

As fotos são fortes.

ver Virgula
#ensaio
#violencia
#abuso
#homossexual
#tratamento
#gays
#cura
#clinica