"Doutor Estranho" submete elementos místico-gnósticos ao clichê da quebra e retorno à ordem, por Wilson Ferreira

Facebook
VKontakte
share_fav

Categoria:

Cinema

por Wilson Ferreira

Por um lado, “Doutor Estranho” é uma evolução no universo Marvel: no lugar de super-soldados e playboys tecnológicos, a magia e a inteligência. Mas do outro, a magia (com referencias gnósticas e budistas) não é libertária mas destinada a manter a “ordem natural”: a seta do Tempo, a entropia e a morte – justamente as falhas cósmicas que o Gnosticismo de produções como “Matrix” ou “Sense8” e o budismo tibetano (uma fonte de inspiração do personagem) denunciam como prisões na “Roda do Samsara” – ciclo vicioso da morte/reencarnação. Em "Doutor Estranho" quem pretende romper com a ilusão são os vilões (a “Dimensão Negra” ) e os heróis são aqueles que punem quem pretende quebrar a Ordem. "Doutor Estranho" explicita o clichê narrativo hollywoodiano que é o cerne ideológico do entretenimento comercial: "quebra-da-ordem-e-retorno-à-ordem" – a luta para que a ordem seja mantida. Mas o que realmente fascina o público no filme é o show da possibilidade de que a ordem será toda mandada pelos ares. Até a magia colocar tudo no lugar.

leia mais

ver Blog do Luis Nassif
#luis nassif online
#hqs
#área do colunista
#espiritualidade
#doutor estranho
#cinema americano
#simbologia
#arquétipos
#gnosticismo
#marvel comics