19 coisas que as mulheres multirraciais querem que você saiba

Facebook
VKontakte
share_fav

Aparentemente, em 2050 toda a população mundial terá a pele bege. Mas hoje, em 2015, ser uma mulher multirracial ainda é relativamente incomum e, portanto, nem sempre fácil.

Embora transitar entre diferentes culturas seja um privilégio, ser multirracial ainda é relativamente incomum em uma sociedade tão profundamente definida por raças. Ser multirracial significa fazer parte de vários grupos diferentes – mas nunca inteiramente.

Eu e minha irmã somos metade negras, um quarto brancas e um quarto indianas, com sotaque britânico, e todo mundo que conhecemos tenta nos colocar em alguma caixa.

É da natureza humana ter curiosidade sobre a origem das pessoas, e tentar resolver o “quebra-cabeças” é compreensivelmente interessante. Mas ser esse quebra-cabeças nem sempre é legal.

Tem mais gente que pensa como eu. Pedimos que as mulheres das comunidades HuffPost Women e HuffPost Black Voices no Facebook compartilhassem suas experiências. Eis 19 coisas que as mulheres multirraciais querem que você saiba:


1. “Você é o que?” é uma pergunta muito frustrante. Não somos uma espécie que vive no fundo do mar nem um tipo de alga. “Queria que as pessoas soubessem que estou disposta a discutir minhas origens, criação ou o que está no meio, mas perguntar ‘Você é o que?’ é muito ofensivo. Sou um ser humano, como todos nós.” – Jessica, 28 anos, Washington

2. Por favor – imploramos – pare de pedir para tocar nosso cabelo.

3. Sabemos que raça é um constructo social e que o caráter é o que importa. “Sempre enxergamos o amor, as risadas, a bondade, a honestidade, a lealdade ou o que mais as pessoas têm e que fazem delas ótimas amigas ou parceiras. Não nos preocupamos que nossas famílias possam não gostar de alguém por causa da raça, porque sabemos que a cor da pele não nos divide quando se trata de amor e amigos. O caráter e o amor é que importa de verdade.” – Kristy, 34 anos, Alaska

4. Às vezes é difícil fazer parte de um grupo por causa de nossas identidades. “A sociedade tem o hábito de te rotular, seja por gênero, religião, raça etc. Quando você fica entre dois rótulos diferentes, é difícil se encaixar.” – Nadhia, 20 anos, Flórida

5. Não queremos ouvir seu lixo racista. “Gostaria que os brancos parassem de ser racistas perto de mim. Só porque minha pele é mais clara não significa que é ‘seguro’ para você compartilhar comigo seus comentários ofensivos, então não me diga nada que não diria para um negro.” – Sarah, 32 anos, Brooklyn

6. Definimos nossas próprias narrativas. “Você decide qual é sua história, como contá-la e quando contá-la ou não contá-la. Quando a vida muda, você poderá mudar sua história.” – Iffy, 37 anos, Bruxelas

7. Não existe ‘daltonismo’ quando se trata de raça.

8. Nossos irmãos provavelmente não se parecem conosco. “Sim, tenho irmãos mais claros e mais escuros. Isso é normal.”—Alicia, 28 anos, Oregon

9. “Ser multirracial é uma bênção – é o amor de duas pessoas de culturas e perspectivas diferentes que se uniram para colocar compreensão, tolerância e beleza num mundo caótico.” – Yumi, 40 anos, Texas

10. “Exótica” não é elogio.

11. “Algumas de nós preferem evitar porcentagens e frações porque somos um ser humano inteiro. É nosso direito.” – Jackie, 25 anos, Califórnia

12. Por favor, não confunda nossos filhos perguntando se eles são adotados, estão sob nossa guarda ou têm outros pais. “Tenho duas filhas que têm os mesmos pais biológicos, eu e meu marido. Uma é alta e tem cabelo preto e liso. A outra tem a pele mais clara e tem cabelo castanho bem encaracolado, com luzes loiras naturais. Me perguntam sempre se elas são adotadas, pois uma dela é muito parecida com o pai, e a outra tem a pele escura.” Kristy, 34 anos, Alaska

13. Queremos que enxerguem mais que a cor da nossa pele. “Adoraria se as pessoas enxergassem além da cor da minha pele. Adoraria que as pessoas entendessem que não é aceitável se referir a mim pela cor da minha pele. Sou tão mais que isso. Minhas origens e minha cultural têm tão mais que as pessoas acham. E tenho orgulho de todas as raças que se combinaram para fazer este corpo. Me recuso a negar qualquer parte da minha linhagem para me encaixar em rótulos raciais!” – Marissa, 32 anos

14. Sim, você pode ser “as duas coisas”. Ou as três. Ou as quatro. “Se me perguntam como me identifico, digo que sou AS DUAS COISAS. Tenho uma mãe maori e um pai pakeha. Por que teria de me identificar como apenas uma das duas coisas? As pessoas tentam me rotular, e eu achava que era assim mesmo. Agora sei como isso está errado.” Courtney, 28 anos, Nova Zelândia

15. “NUNCA diga para alguém que ela não é ‘(insira raça/cultura) o suficiente’. Quem tem origens multiculturais vivencia essas culturas de maneira diferente e é provável que elas tenham tido MUITAS dificuldades com suas identidades ao longo da vida. Talvez não me apresente da maneira que você espera, mas é MINHA vida e MINHA identidade cultural. Vou expressá-la como achar melhor, e NINGUÉM tem o direito de dizer que não sou ‘isso ou aquilo’ o suficiente.” – Alysha, 25 anos, Baltimore

16. É falta dizer algo como: “Sabia que você não é 100% branca!”. Se você quiser fazer alguma comentário, pense em outra frase.

17. Não ache que vamos nos conformar a estereótipos raciais. “Não acho que tenha de me comportar de certa maneira por causa da cor da minha pele.” – Victoria, 21 anos, Washington

18. Use a palavra que nós usamos para nos definir. Se você não sabe que palavra usar, evite expressões como “misturada” ou “vira-lata” – somos humanas, não cachorras.

19. Somos únicas. “Eu sou eu, pare de me comparar com estereótipos.” – Adele, 21 anos, Califórnia


Este artigo foi originalmente publicado pelo HuffPost US e traduzido do inglês.






LEIA MAIS:

- 'Que corajosa por vir com esse turbante!'

- O que a África está dançando hoje?

- Estudo comprova que convivência com pessoas de raças diferentes diminui racismo
ver Brasil Post - Blog