Como o cérebro diferencia a informação importante da inútil?

Foto: Shutterstock
Facebook
VKontakte
share_fav
Dirigir nas grandes cidades não é uma tarefa fácil, mas o cérebro se adapta ao meio (Foto: Getty Images)

Como nosso cérebro consegue diferenciar as informações importantes daquelas que são irrelevantes? Um estudo recente indica que compreender a relevância das imagens modifica as redes neuronais do nosso cérebro, o que ajuda a processar e filtrar os vários estímulos a que somos expostos.

Nosso cérebro reage melhor ao que já foi visto e apreendido anteriormente. Motoristas experientes, por exemplo, não precisam pensar duas vezes sobre o significado de um sinal de trânsito e podem avaliar com mais precisão uma situação de risco. Ao contrário, os novatos precisam de mais tempo para processar as novas inforamações. Parece óbvio, mas cientistas da Universidade de Basel pesquisaram como os estímulos sensoriais são retidos pelo cérebro através da aprendizagem.

Publicado na revista científica Neuron, o estudo investigou o córtex visual de ratos, responsável pela percepção de estímulos visuais. Os animais foram expostos a um ambiente de realidade virtual onde se depararam com diferentes imagens. Em uma delas, havia uma recompensa. Em uma semana, os ratos já eram capazes de dintinguir as que ofereciam benefícios. Ou seja, muito mais neurônios reagiram de forma específica na distinção de imagens após uma semana.


“Dia após dia, a resposta dos neurônios às imagens se tornava cada vez mais distinguível e confiável”, disse Adil Khan, um dos autores da pesquisa. Segundo dele, essas mudanças no cérebro permitem o processamento das informações importantes de forma muito mais eficiente.


Mas fatores externos e internos podem influenciar na percepção visual. “A resposta das células nervosas ao mesmo estímulo ficou menos apurada quando os ratos foram submetidos a outros desafios como, por exemplo, diferentes cheiros”, explicou o cientista.


Até então, pensava-se que o córtex visual processava exclusivamente informações visuais. O estudo, no entanto, indica que durante a aprendizagem muitos outros sinais de várias regiões do cérebro podem influenciar a atividade nessa área. "Isto significa que o nosso conhecimento aprendido anteriormente, nossas expectativas e o contexto a que estamos submetidos podem ter um grande impacto sobre a nossa percepção visual do ambiente", explica a pesquisadora Sonja Hofer.

ver GQ Brasil