[18+] Bom Dia, Karina Gallo

Facebook
VKontakte
share_fav
"O erótico vivido como profano e a arte vivida como sagrada se fundem numa experiência única. Trata-se de misturar arte com vida."

Lygia Clark

Misturar arte e vida, acho que é exatamente disso que se trata o nu. Vemos tantos tabus a respeito do corpo, do bonito e do feio, todos tão preocupados com padrões. E o que nunca percebemos é o quão natural tudo isso é, o quão belo é um corpo, todos eles, cada um do seu jeito, cada um com sua peculiaridade.

Esse foi meu primeiro ensaio e posso dizer que mudou totalmente minha forma de pensar. O nu é a forma mais bonita de se expor e, quando fiz isso, me senti outra pessoa. Já não tinha mais vergonha do meu corpo, minha auto estima melhorou muito, passei a me aceitar e me sentir bem comigo mesma. Tirar a roupa para as câmeras me tornou uma pessoa mais livre de preconceitos, de padrões, dos próprios conceitos sobre belo e feio, certo e errado. E esse ensaio foi o mais libertador, tirar a roupa no meio da rua, onde milhares de carros passavam a todo o tempo. Tinha que ser tudo muito rápido, tira o roupão bate a foto, e já coloca o roupão o mais rápido que desse, uma adrenalina enorme e aquilo foi tão único, uma experiência tão intensa que não tenho como mensurar tudo o que aquilo significou.

Todas as pessoas deveriam passar por essa experiência pelo menos uma vez na vida.

Sobre o Projeto "Estátuas de Milão"

Por Jorge Maluf:

São Paulo é uma cidade incrível. Uma cidade que contém arte por todos os lados e, principalmente nesses últimos anos, tem crescido muito as intervenções. Uma Berlin em crescimento. A cidade vem se tornando a para os que desejam se comunicar com a arte e o coração.

Uma noite eu estava andando pela madrugada e contemplando a vida noturna. É interessante como, na noite, podemos prestar mais atenção em certos detalhes que não seriam possíveis de serem vistos na correria do dia, por mais claro - literalmente dizendo - que ele seja. Foi quando eu encontrei esse "lugar secreto" e abandonado. Uma fonte situada no meio de uma das avenidas mais transitadas da cidade. Eu nunca havia a visto antes daquela noite. Foi amor à primeira vista.

Esse projeto foi uma intervenção de nudez junto com as quatro estátuas que compõe a fonte, réplicas de um trabalho de Michelangelo Buonarroti, ao mesmo tempo é uma crítica de dois significados: o abandono de patrimônios belíssimos e a própria nudez, que insiste ser um tabu para muita gente.

A fonte foi instalada em São Paulo em 1971, como um acordo de duas cidades gêmeas, São Paulo e Milão. Infelizmente, a fonte não aguentou as adversidades de uma cidade como São Paulo. Já passou por duas restaurações e muito dinheiro foi gasto, mas ela continua desativada, feia e sendo lar de um ou outro mendigo.

O fator interessante é que ela é invisível porque as pessoas que passam de carro (se bobear, até quem passa a pé, viu?) A pressa, o trânsito, celular, ônibus.

Ah, meus amigos, mas quando um quinto corpo apareceu nu em público e começou a interagir com os outros quatro corpos nus (as estátuas), fazendo uma composição de expressão artística - aos olhos do fotógrafo e modelo - num passe de mágica, ou de peitos, a fonte voltou a ser visível.

Buzinas e gritos. Vejo apenas estátuas, belas estátuas. Belos corpos.

Boa semana a todos.

ver Papo de Homem