Bolsonaro exibiu 11 programas eleitorais na TV; Haddad, 14

Photo of Bolsonaro exibiu 11 programas eleitorais na TV; Haddad, 14
Facebook
VKontakte
share_fav

Marcado por ataques diários entre os candidatos à Presidência da República, o horário eleitoral na TV encerrou na noite desta 6ª feira (26.out.2018), a 2 dias do 2º turno das eleições 2018, como estabelecido pela Lei Eleitoral.


Iniciado no dia 12 de outubro, os candidatos tiveram 13 dias para exibir propaganda na TV em 2 blocos diários: às 13h e às 20h30. O tempo permitido para cada programa foi de 5 minutos.

Durante o período, Bolsonaro exibiu 11 programas eleitorais inéditos. Já Haddad, exibiu 14 inéditos, 3 a mais que o militar.

No 1º turno, em 35 dias, o militar 8º programa Haddad foi apresentado como candidato a presidente, após a inelegibilidade de Lula.

No total, em 2018, o tempo reservado no rádio e na televisão à propaganda dos candidatos nos 2 turnos deve custar aos cofres públicos R$ 1,038 bilhão.

O Poder360 fez 1 acervo com os vídeos do horário eleitoral em seu canal do YouTube. É possível assistir a todas as propagandas dos candidatos à Presidência do 1º e do 2º turno (acesse aqui a playlist e inscreva-se no canal).

Programas de Bolsonaro

Os programas de Bolsonaro utilizaram a maior parte do tempo para atacar o adversário e seu partido. Em sua maioria, o militar apareceu por cerca de 1 minuto nas peças de 5 minutos. O restante do tempo foi dedicado à críticas aos governos do PT e à desconstrução da candidatura de Haddad.

As peças visaram fazer críticas ao envolvimento do PT e de líderes do partido em escândalos de corrupção, como o ex-ministro José Dirceu. Foram apresentados trechos de delações contra o partido.

Também buscaram aproximar a imagem do PT ao comunismo e a “ditadores” de países como Cuba e Venezuela. Foram apresentadas imagens do ex-presidente Lula ao lado de Fidel Castro e Hugo Chávez.

O programa ainda criticou o alto custo da campanha do PT, o uso do Fundo Eleitoral e chegou a dizer que o partido tentou esconder “Lula por 1 tempo”, ao mudar a cor dos slogans de vermelho para verde e amarelo.

A peça também mostrou as possíveis consequências da volta do governo do PT, afirmando que o país ia se tornar uma nova Venezuela; aumentar a pobreza, o desemprego e a violência; e enfraquecer instituições que atuam no combate à corrupção.

Sobre Haddad, o programa afirmou que o petista foi o “pior prefeito do Brasil”, “criou o Kit Gay” e é 1 “poste de Lula que age como fantoche coordenado por 1 presidiário”.

Com estratégia de se distanciar de disseminação de fake news, os programas fizeram 1 discurso em defesa da verdade e da importância das redes sociais. No entanto, fez críticas à imprensa, como ao jornal Folha de S. Paulo, que denunciou esquema de disparo de fake news a favor do militar no WhatsApp.

Um dos programas do militar utilizou vídeo em que Cid Gomes, eleito senador e irmão de Ciro Gomes (PDT), criticou o PT em encontro ocorrido no Ceará, no dia 15 de outubro. O político criticou o uso do vídeo e entrou com ação no TSE, que foi extinta.

Já em busca de conquistar o eleitorado feminino, o programa apresentou Joice Hasselmann, eleita deputada federal por São Paulo, como a principal defensora do direito das mulheres no Congresso nos próximos 4 anos. O candidato também defendeu o fim da violência contra a mulher. Na tentativa se afastar sua imagem do racismo, no mesmo programa, apresentou uma mulher negra, a qual disse que o militar a ajudou com 1 tratamento para sua filha.

Em suas aparições, Bolsonaro se apresentou como 1 presidente “honesto” que vai combater a violência, unir o país, reduzir o número dos ministérios, gerar empregos e desenvolver o Nordeste. Também afirmou que não fará indicações políticas em seu governo.

O militar ainda fez discursos em favor da família. Seu 1º programa exibiu 1 vídeo em que fala do nascimento de sua filha caçula, Laura. O 10º programa, apresentou sua mulher, Michelle Bolsonaro, como alguém que atuará pela causa dos portadores de deficiência.

Sobre economia e geração de empregos, apresentou Paulo Guedes, indicado a ser seu ministro da Fazenda, caso seja eleito. Seu vice, General Mourão (PRTB), não apareceu em nenhum dos programas eleitorais do militar.

O último programa eleitoral de Bolsonaro foi notificado pelo TSE por ter editado uma fala de Manuela D’Ávila, vice de Haddad, para fazer parecer que ela não tem religião. Na noite desta 6ª feira (26.out.2018), ele exibiu 1 novo, com alterações.

Assista ao último programa eleitoral de Bolsonaro:

Programas de Haddad

Os programas de Haddad começaram da mesma forma como foram os programas de Geraldo Alckmin (PSDB): com uma apresentadora negra, com discurso firme, fazendo 1 tipo de alerta ao eleitor.

O discurso dos programas também visaram mostrar as possíveis consequências ao país caso o militar seja eleito, como o aumento da violência e de discursos de ódio. Também tentaram aproximar a imagem de Bolsonaro a do presidente Michel temer, que tem alto índice de rejeição. “Você vai ver que Bolsonaro é 1 Temer piorado”, diz a apresentadora em 1 dos programas.

Os programas de Haddad apresentaram diversos vídeos de Bolsonaro fazendo declarações a favor da ditadura, da tortura, da violência e contra direitos trabalhistas. Também mostra Bolsonaro batendo continência à bandeira americana, afirmando que vai fazer parcerias com países democráticos para explorar a Amazônia e entregar a Base Militar de Alcântara aos Estados Unidos.

As peças ainda criticaram as propostas do militar, como a liberação do porte de arma e o ensino à compartilhamento de informações falsas .

Apesar dos ataques a Bolsonaro, a maior parte do tempo dos programas de Haddad foram utilizados para apresentar o perfil do petista como ex-ministro da educação, ex-prefeito de São Paulo e professor mestre em economia. Foram cerca de 3 minutos dos 5 minutos disponíveis.

Com a estratégia de se distanciar da ideia de que Haddad será apenas 1 representante de Lula, caso seja eleito, os programas do petista evitaram mostrar a figura do ex-presidente. Em apenas 2 programas aparecem falas de Lula elogiando o candidato. Em outros, somente em trechos curtos, a parece a imagem de Lula, quando o programa tem a intenção de relembrar os governos do PT.

O candidato também tentou conquistar eleitores de outros candidatos a presidente no 1º turno. “Mesmo que você tenha votado em outro candidato no 1º turno, eu quero conversar com você. Essa campanha não é de 1 partido, é de todos que querem mudar pra melhor o nosso país”, disse.

Haddad também fez aceno à mulheres, negros, indígenas, à periferia e ao Nordeste.

O tempo também foi dedicado a apresentar propostas do candidato e defender programas e direitos sociais. Haddad se comprometeu a:

  • implementar o programa Meu Emprego, que visa gerar empregos por meio da retomada das obras paradas do governo;
  • criar o Ensino Médio Federal: escolas federais adotarão escolas de ensino médio com baixo desempenho, oferecendo formação continuada aos professores, banda larga, esporte e cultura;
  • aumentar o salário mínimo acima da inflação, inclusive para aposentados;
  • promover reajuste de 20% no Bolsa Família;
  • fixar o preço do gás de cozinha em R$ 49.

Em outros programas e em seu último, Haddad criticou Bolsonaro por ter se recusado a participar de debates durante este 2º turno. “Bolsonaro mais uma vez fugiu. Ele se esconde para não ter que assumir as suas ideias doentias e desequilibradas”, disse a apresentadora.

O candidato do PSL recebeu liberação dos médicos para a participação em debates, mas, por questões estratégicas, decidiu não ir aos eventos. O último debate presidencial seria nesta 6ª feira (26.out.2018), promovido pela TV Globo, mas foi cancelado.

Em referência ao cancelamento do debate, Haddad disse que o Brasil precisa de 1 presidente “que não tenha medo de encarar o debate com a sociedade, olho no olho”.

Assista ao último programa eleitoral de Haddad:

ver Blog do Fernando Rodrigues
#campanha eleitoral
#horário eleitoral
#propaganda eleitoral
#josé dirceu
#hugo chávez
#fidel castro
#psl
#general mourão
#candidato a presidente
#geraldo alckmin
#eleições
#jair bolsonaro
#lula
#fernando haddad
#eleições 2018
#vídeo de campanha
#programa eleitoral
#michelle bolsonaro