O que estresse e mudança causam no cérebro

Photo of O que estresse e mudança causam no cérebro
Facebook
VKontakte
share_fav
iStock
Em tempos estressantes, mais do que pacíficos, sentimos o desejo de ser vistos, ouvidos e reconhecidos em meio a todo esse isolamento

Mudanças acontecem na vida de todo mundo. Adversidades e conflitos também. E isso significa que seu cérebro e seu corpo precisam lidar com isso.

LEIA MAIS: 3 dicas para lidar com a raiva no trabalho

O cérebro libera hormônios do estresse, como o cortisol, que aciona citocinas de sinalização celular excessivas que alteram a fisiologia. De repente, sua capacidade de regular seu comportamento e emoções fica comprometida. Sua habilidade de prestar atenção é afetada. Sua memória, aprendizado, paz e felicidade são prejudicados.

Por quê? Porque a mudança fez com que o sistema fosse sobrecarregado com o estresse. E o estresse em excesso faz, normalmente, com que desistamos ou nos retiremos para nos acalmar, tentar lidar com a situação, desacelerar e diminuir os estímulos, já que estamos sobrecarregados.

Mas, então, temos um novo estresse: o da desconexão. Desconexão possivelmente de você mesmo, dos outros, do seu propósito, do seu lugar no grande esquema das coisas e até mesmo seu relacionamento com a natureza. Hoje, vemos um aumento do caos, da desconfiança, da agressividade e de muitos outros desafios comportamentais em nosso mundo devido à desconexão causada pelo estresse excessivo.

E, em tempos estressantes, mais do que pacíficos, sentimos o desejo de ser vistos, ouvidos e reconhecidos em meio a todo esse isolamento. Queremos sentir que pertencemos a alguma coisa. Em meu trabalho de coaching de liderança e cultura, vejo um isolamento gigante causado pelo estresse da mudança.

O que está acontecendo dentro de você quando há estresse do lado de fora

A dopamina é o neurotransmissor acionado quando recebemos uma recompensa inesperada, sentimos prazer ou somos elogiados. Contudo, dopamina em excesso é um problema. Ela inibe nosso córtex pré-frontal (PFC), que afeta nossa capacidade de tomar boas decisões, de nos concentrar, de resolver problemas, e nos ajuda a regular muito mais emoções e comportamentos.

VEJA TAMBÉM: 7 rotinas matinais de pessoas bem-sucedidas

Recebemos quantidades excessivas de dopamina constantemente ao verificar e-mails, mensagens de texto e outros alertas – e, em cenários de medo e mudança, verificamos constantemente se estamos seguros. Quando o PFC é inibido, observamos maior risco irracional, obesidade, agressão, dependência e esquizofrenia porque a estimulação sensorial aumentou e a estimulação cognitiva (no PFC) diminuiu. É um grande negócio.

O FOMO (fear of missing out ou o medo de perder) não é necessariamente algo ruim. Sim, isso nos leva a uma necessidade viciante de checar constantemente nossas mensagens, e-mails, redes sociais etc. No entanto, o que há por trás disso é o desejo de se conectar. É o desejo de calor, de ser visto, de estar seguro, de pertencer e importar. Nós estamos realmente desejando oxitocina, o hormônio do amor, para nos ajudar a saber que não estamos sozinhos.

Veja, na galeria de fotos abaixo, 3 maneiras de curar o isolamento baseado no estresse:

iStock iStock iStock

O post O que estresse, mudança e isolamento causam no cérebro apareceu primeiro em Forbes Brasil.

ver Forbes Brasil
#emoções
#cérebro
#como lidar
#mudança
#estresse
#colegas
#estado
#isolamento
#saude mental
#dicas
#pessoas
#colunas
#compaixão
#nervoso
#energia
#saúde
#comportamento
#principal