Desconfiar da urna eletrônica é ‘complexo de vira-lata’, diz coautor do sistema

Facebook
VKontakte
share_fav

O secretário de Tecnologia da Informação do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), Giuseppe Janino, 58 anos, diz estar fazendo uma “evangelização” pelo país informando a população sobre como funciona a urna eletrônica.

Com uma apresentação de powerpoint (íntegra) e 22 anos de carreira na Justiça Eleitoral, o matemático e analista de sistemas tenta acabar com a desconfiança de quem, como os candidatos a presidente Jair Bolsonaro (PSL) e Cabo Daciolo (Patriota), defende o voto impresso ou em cédula.


Para Janino, a volta da “mão humana” na votação seria 1 retrocesso e as críticas à urna eletrônica mostram a chamada ‘síndrome de vira-lata’ nomeada pelo jornalista e escritor Nelson Rodrigues. “O brasileiro não sabe admitir que ele é bom em alguma coisa. E quando é bom em alguma coisa ele tenta se desqualificar”, diz.

Pós-graduado em rede de computadores, gestão de tecnologia da informação e gestão de processos, o secretário diz que para garantir a votação informatizada segura foram desenvolvidos cerca de 120 sistemas, mais de 15 milhões de linhas de programação.

“No Brasil o processo é informatizado de ponta a ponta. Desde o registro do eleitor, candidatos, passando pelo voto, pela totalização e ainda a prestação de contas”, afirma. Janino já recebeu delegações de mais de 70 países que vieram ao TSE conhecer a urna eletrônica brasileira. Leia trechos da entrevista:

O candidato líder nas pesquisas de intenção de voto para a Presidência da República, Jair Bolsonaro (PSL) é 1 dos críticos à urna eletrônica e defensor do voto impresso. Como o senhor recebe esses questionamentos?
Eu vejo com muita tristeza porque simplesmente essas pessoas são formadoras de opinião e estão propagando uma informação, uma opinião, totalmente distorcida da realidade. E sem nenhum respaldo de evidências, de fatos e de conhecimento. Questionam algo que não conhecem.

Nos 22 anos de uso da urna eletrônica houve alguma fraude eleitoral?
As suspeições que são levantadas são todas investigadas. O partido que perdeu as eleições em 2014 [PSDB, do então candidato a presidente Aécio Neves] entrou com 1 pedido de auditoria. Esse partido escolheu o número de sessões e quais ele queria investigar. Investigou tudo, de ponta a ponta. Não encontraram nada. Faltou até 1 pouco de ética de se admitir que não foi encontrado nenhuma irregularidade.

O risco de erro na votação existe. Como evitar uma possível fraude?
Para começar tem muita coisa para dar errado. São 120 sistemas desenvolvidos, 15 milhões de linhas de programação. Um erro no sistema ele tem que ser muito bem exercitado, até para que você esgote toda a possibilidade de erros, testando-o em diversas situações, e nós temos um plano de testes bastante aprofundado.

O TSE realiza testes públicos de segurança da urna eletrônica. A população participa dessa fiscalização?
Isso é até uma incoerência porque essas pessoas que criticam, inclusive os partidos políticos, sequer aparecem aqui para tomar conhecimento de como as coisas acontecem. Agora, você me pergunta: ‘quantos partidos participaram disso este ano?’ Zero. Na última eleição? Zero. Agora, quando perdem a eleição aí criticam.

Nenhum órgão ou entidade da sociedade civil participou desses testes?
Nós tivemos a presença de peritos da Polícia Federal que participaram dos testes públicos. É uma instituição bastante ativa. E também o Ministério Público.

No dia da eleição há os fiscais eleitorais, indicados pelos partidos. Ao menos no dia do pleito as legendas fazem esse monitoramento?
É outra coisa que mudou e infelizmente os partidos não conseguem evoluir à medida em que o processo evolui. Nós precisamos de menos braços e mais cérebros. Hoje eu não preciso de 461 mil fiscais e sim meia dúzia de pessoas capacitadas olhando todos os registros digitais.

O voto impresso pode ser mais 1 mecanismo de segurança?
Nós vamos trazer de volta o papel para ver se o computador somou certo? Hoje, eu preciso de muita inteligência para alterar 1 voto. Agora quando eu voto no papel eu não preciso de inteligência para fraudar, basta 1 pouquinho de habilidade. Esse foi justamente o meu discurso na Câmara quando eu tive 1 embate com determinado candidato à Presidência.

Com o deputado Jair Bolsonaro?
Sim, porque a emenda do voto impresso foi dele. É o fetiche da materialização. As pessoas só confiam naquilo que elas conseguem pegar. A emenda virou lei, nós tivemos que começar a implementar o voto impresso, e foi submetida ao Supremo Tribunal Federal por meio de uma ação da PGR alegando quebra de sigilo do voto. E a Corte Suprema concordou que era inconstitucional.

Por que todas as informações propagadas pelo TSE e pela imprensa não conseguem dissuadir essa desconfiança da urna eletrônica?
Conforme diria Nelson Rodrigues, é um ‘complexo de vira-lata’. O brasileiro não sabe admitir que ele é bom em alguma coisa, e quando é bom tenta se desqualificar. Nós temos 22 anos de utilização da urna e não há nenhum caso de fraude.

Se a urna eletrônica é tão segura, porque tantos países desenvolvidos continuam a utilizar o voto impresso?
O IDEA (The International Institute for Democracy and Electoral Assistance) tem 1 mapa dos países que adotam a urna eletrônica. São pelo menos 25. Então, essa história de dizer que o Brasil é o único país do mundo que adota a urna eletrônica ou que tem uma urna que não imprime o voto é mito, é uma grande mentira.

Por que as 70 delegações que vieram ao TSE conhecer a urna eletrônica não passaram a implementar o modelo em seus países?
Vamos falar da Noruega, onde você vai a uma banca de jornal, não tem ninguém para te atender. Você pega o jornal, coloca seu dinheirinho, pega seu troco e vai para casa. Precisa de um processo que tem 30 barreiras de segurança digital, 20 mecanismos para garantir que ninguém mexa no voto do outro? Nós tivemos que adotar uma solução adequada à nossa realidade.

ver Blog do Fernando Rodrigues
#aécio neves
#voto
#urna
#secretário
#dilma rousseff
#eleição
#tse
#psl
#impresso
#tribunal superior eleitoral
#patriota
#fraude
#psdb
#eleições
#giuseppe janino