O que acontecerá quando jornais acabarem com o impresso e se tornarem virtuais?

Facebook
VKontakte
share_fav

Para os diários norte-americanos, a história da última década não tem mais sido sobre fechamentos em massa –tem sido sobre o encolhimento em massa. O ritmo em que os jornais estão fechando não é muito diferente do que era no fim do século 20. Em vez disso, quase todos os jornais diários ficaram menores –redações menores, orçamentos menores, tiragens menores, paginações menores– ano após ano. É a morte por mil cortes de papel.


Mas encolher, somente, não pode ir tão longe. No 2º trimestre de 2018, a receita com publicidade nos impressos da McClatchy, por exemplo, caiu 26,4% ano a ano; Gannet caiu 19,1% e a Tronc, 18%. Essas redações não estão mais fazendo novos assinantes diários no jornal impresso, e os já existentes mudam para o digital ou trocam essa ‘bobina mortal’ diariamente. Não há o paradoxo de Zeno para impedir que os jornais decidam, eventualmente, 1 ou 2 cursos de ação: ficar on-line apenas ou desligar completamente. Mesmo os editores mais pró-impressos dirão que, algum dia, as linhas de “custos de impressão” e “receita de impressão” se interceptarão na projeção de 1 contador e será a hora de parar as impressoras de vez. A única questão é quando: 2 anos? 5? 10? 30?

Assim, uma das questões que mais me interessa para o futuro a médio e longo prazo é o que realmente vai acontecer quando os jornais impressos começarem a desaparecer em grande número, quando for o caso. Esses leitores do papel acabarão se tornando leitores digitais? Será que eles gastam tanto tempo consumindo jornalismo local em seus telefones quanto em suas mesas de café da manhã? Ou será que a atenção deles vagueia à medida que o conjunto competitivo dos leitores aumenta tudo o que a internet pode oferecer?

Fiquei feliz em ver algumas novas pesquisas de Neil Thurman e Richard Fletcher que oferecem algumas dicas sobre essas questões. E –embora haja algumas ressalvas importantes que mencionarei– as notícias geralmente não são tão boas assim. Desligar as impressoras não leva esses leitores a hábitos de consumo semelhantes aos impressos dos dispositivos digitais. Em vez disso, eles se tornam muito parecidos com outros leitores digitais –facilmente distraídos, flertando de 1 link para outro, e 1 pouco alérgicos à profundidade.

Thurman e Fletcher examinam o caso do jornal britânico Independent que, depois de 30 anos de publicações impressas, migrou completamente para a plataforma on-line em 2016. O que aconteceu com seu alcance e influência?

Há muita coisa interessante lá, mas esses são os 2 gráficos principais, eu acho. Primeiro:

Reprodução/Neil Thurman e Richard Fletcher

O gráfico compara o número de britânicos no público total de cada jornal do Reino Unido, nos períodos anteriores e 1 ano após o fim da impressão do Indy. Se você é do tipo que vê o copo sempre meio cheio, a boa notícia é que o número de leitores do jornal de papel do Independent perdidos e o número de leitores adquiridos basicamente cancelaram 1 ao outro.

Se você é do tipo “copo meio vazio”, é claro, você notaria que o fato de o crescimento ser ‘basicamente plano’ também significa o pior desempenho de qualquer diário nacional britânico. O Sun se livrou do paywall durante o período, então é uma exceção, mas a audiência média subiu cerca de 25%. E você notaria que o período “depois” em questão inclui as consequências do Brexit e da eleição de Donald Trump, cada 1 dos quais alimentou enorme interesse crescente em notícias.

Reprodução/Neil Thurman e Richard Fletcher

O 1º gráfico olha para o público total: quantas pessoas consomem conteúdo independentemente da mídia? Já o 2º observa a atenção total do público: quanto tempo total os britânicos gastam consumindo conteúdo independente, em qualquer mídia? E esse é 1 desastre.

Quando desligou as impressoras, o Independent teve apenas cerca de 40 mil acessos às versões impressas-digitais pagas, contra 58 milhões de visitantes únicos nos apps e no site do veículo.

58 milhões decerto parece muito maior do que 40 mil! Mas Thurman e Fletcher descobriram que esses poucos leitores de impressos foram responsáveis por 81% de todo o tempo gasto consumindo conteúdo. Todas as suas plataformas digitais representaram apenas 19%.

Ou, dito de outra forma: num mês médio, uma única assinatura impressa para o Independent gerou cerca de 61 mil vezes mais consumo de conteúdo real do que o consumo via portal ou aplicativo. Não é uma comparação perfeita –os únicos mensais têm como objetivo medir as pessoas enquanto a circulação mede as cópias. Mas o ponto é claro: os leitores de impresso são consumidores de notícias muito melhores do que os digitais.

É algo que eu acho que os jornalistas geralmente têm dificuldade em entender –principalmente porque eles consomem uma tonelada de notícias digitais o tempo todo, dia e noite. Nos tempos do impresso, o consumo de notícias de 1 repórter e de 1 cidadão comum não eram tão distantes assim –principalmente porque não havia tantas notícias disponíveis para consumir. Hoje, 1 repórter recebendo dezenas de boletins matutinos, ouvindo 1 podcast de notícias pela manhã, recebendo alertas de notícias no telefone e monitorando as atualizações do Twitter o dia todo está se envolvendo em 1 comportamento muito mais extremos. Nós somos os outliers. Devemos lembrar mais disso.

O gráfico mostra que, o tempo todo, leitores de impressos independentes apenas desapareceram quando o papel apareceu. Não fez a transição para o independent.co.uk. A demanda foi para outro lugar –seja para outro site de notícias, alguns minutos de rolagem no Facebook, Netflix, Fortnite, 1 cochilo à tarde ou qualquer outra coisa que chamasse a atenção de alguém.

Thurman e fletcher calculam que, nos 12 meses anteriores e posteriores à migração, o tempo total gasto consumindo o Independent caiu de 5,548 bilhões de minutos para apenas 1,056 bilhão de minutos. Dos leitores impressos, metade consome o jornal “quase todos os dias”. Seus visitantes on-line leem uma história, em média, pouco mais de 2 vezes por mês. Os leitores do impresso gastavam em média, de 37 a 50 minutos em cada edição diária que liam. Leitores independentes gastam, em média, 6 minutos/mês.

Mas nós já vimos nos deparando com essa questão há tempos. Em 2009, Martin Langeveld fez seus próprios cálculos e descobriu que apenas cerca de 3% de todo o consumo de conteúdo de jornal estava acontecendo on-line. As tendências do setor acontecendo agora já eram visíveis, mas os grandes números digitais da comScore, Omniture ou Google Analytics já vinham escondendo a mudança subjacente.

Na quase década desde o artigo de Martin, acho que 3% passaram para 19%, pelo menos para o Independent. Mas a dinâmica permanece inalterada: no impresso, os jornais tinham poucos ou nenhum concorrente. On-line, eles têm concorrentes praticamente infinitos.

Como Thurman coloca: “Sendo apenas on-line, o Independent dizimou a atenção que recebe. O papel é agora algo mais visto, ao que parece, do que empenhado. Tem sustentabilidade, mas menos centralidade”.

Agora, existem algumas boas razões pelas quais um diário norte-americano on-line pode não corresponder exatamente à experiência do Independent. O jornal foi 1 dos 13 jornais impressos nacionais do Reino Unido; enquanto os leitores britânicos são muito mais ligados aos seus artigos em particular, seria muito difícil para os leitores impressos da Indy tornarem-se leitores de jornais como o Guardian, Times ou Telegraph. Se 1 jornal de Atlanta, Denver, Houston ou Seattle sair dos negócios, não haverá uma alternativa de impresso fácil de se usar. Além disso, você pode fazer críticas (eu tenho algumas) quanto à confiabilidade dos dados da pesquisa, estimando o consumo de impresso, que pode estar sujeito a exageros. As pessoas gostam de dizer que consomem muitas notícias, assim como gostam de dizer que comem muitos vegetais e frequentam a academia o tempo todo.

Por outro lado, 1 dos pontos positivos do Independent nesse estudo é que ele aumentou seu alcance internacional ao mudar seu foco para o on-line. O que faz sentido –há uma audiência gigantesca dos norte-americanos, que têm inviável o acesso aos impressos britânicos, mas está feliz em clicar em 1 link de vez em quando. Mas é pouco provável que esse aumento de alcance fora do mercado chegue a 1 típico diário americano de metrô que só funciona on-line, sem 1 abandono radical de sua missão local. Há apenas tantas pessoas interessadas no que está acontecendo em Albuquerque, Fresno ou Cincinnati.

Mesmo com esses pontos de diferença, a lição abrangente é válida, eu acho. Deixar os impressos é o último dos cortes de custos; uma grande parte da estrutura de custos de um jornal está ligada a impressoras do tamanho de 1 prédio, que consomem papeis relativos a florestas canadenses e tintas que enchem estádios de futebol. Mas quando esse dia chegar –mesmo que ajude os resultados finais de 1 jornal– seu público provavelmente não acompanhará. E isso significa aceitar 1 declínio dramático no alcance, influência e impacto.

__

*Joshua Benton é diretor do Nieman Journalism Lab. Antes de passar um ano na Harvard como bolsista de 2008 da Nieman, ele passou uma década nos jornais, mais recentemente no The Dallas Morning News. Seus relatórios sobre fraude em testes padronizados nas escolas públicas do Texas levaram à paralisação permanente de um distrito escolar e ganharam o Prêmio Philip Meyer de Jornalismo da Investigative Reporters and Editors. Ele relatou de 10 países estrangeiros, foi um Pew Fellow em Jornalismo Internacional e três vezes finalista do Livingston Award for International Reporting. Antes de Dallas, ele foi um repórter e crítico de rock ocasional para The Toledo Blade. Ele escreveu seu primeiro HTML em janeiro de 1994.
__

O texto foi traduzido por Felipe Dourado. Leia o texto original em inglês (link).

__
O Poder360 tem uma parceria com duas divisões da Fundação Nieman, de Harvard: o Nieman Journalism Lab e o Nieman Reports. O acordo consiste em traduzir para português os textos que o Nieman Journalism Lab e o Nieman Reports e publicar esse material no Poder360. Para ter acesso a todas as traduções ja publicadas, clique aqui.

ver Blog do Fernando Rodrigues
#leitores
#inglaterra
#imprensa
#público
#impresso
#reino unido
#nieman
#estudo
#jornalismo
#independent