Após perder espaço nas prefeituras, PT deve crescer em governos no Nordeste

Facebook
VKontakte
share_fav

Nas eleições de 2016, o PT elegeu 116 prefeitos no Nordeste contra os 187 de 2012. Agora em 2018, no rastro da popularidade do ex-presidente Lula, 4 dos 9 Estados da região têm petistas liderando as pesquisas de intenção de voto para os governos estaduais.

Se esse cenário for confirmado, o partido manterá os governos da Bahia, com Rui Costa, do Ceará, com Camilo Santana, e do Piauí, com Wellington Dias. Além de passar a comandar o Rio Grande do Norte, com Fátima Bezerra.


Pesquisa do DataPoder360 sobre a eleição para presidente divulgada no dia 21 de setembro indica que o candidato Fernando Haddad (PT) é quem tem o melhor desempenho na região, com 32% das intenções de voto. O petista tem marcado sua campanha como sendo “o candidato de Lula”.

Ele é seguido na pesquisa por Ciro Gomes (PDT), com 24% das intenções de voto no Nordeste, Jair Bolsonaro (PSL), com 14%, Geraldo Alckmin (PSDB), com 5%, e Marina Silva (Rede), com 3%.

Todos os 3 atuais governadores do PT seriam reeleitos no 1º turno de acordo com as pesquisas do Ibope mais recentes.

Pesquisa desta empresa divulgada no dia 18 de setembro mostra Rui Costa com 60% das intenções de voto na Bahia. Camilo Santana está com 64% das intenções de voto no Ceará na pesquisa do dia 16 de agosto. No Piauí, Wellington Dias está com 46%, a exclusão de brancos e nulos o colocaria como vitorioso no 1º turno segundo levantamento do dia 20 de setembro.

A senadora Fátima Bezerra (PT) lidera no Rio Grande do Norte, com 39% da intenções de voto para o governo de acordo com o Ibope do dia 21 de setembro.

Em outros 3 Estados nordestinos a legenda está na coligação de líderes nas pesquisas. O PT apoia a reeleição dos governadores Paulo Câmara (PSB-PE), com 35% no Datafolha do dia 20 de setembro, Renan Filho (MDB-AL), com 65% no Ibope do dia 20 de setembro e Flávio Dino (PC do B-MA), com 49% no Ibope divulgado dia 19 de setembro.

O partido apoia também João Azevedo (PSB) na Paraíba e Belivaldo Chagas (PSD) em Sergipe. Eis os líderes em intenção de voto em cada 1 dos 9 Estados nordestinos:

Eis como ficaria o mapa dos governos estaduais se os atuais líderes fossem eleitos (nos casos em que há empate técnico, foi considerado o candidato que está numericamente à frente):

Enfraquecimento em 2016

Nas eleições municipais de 2016, a sigla perdeu tanta influência na região que o filiado com melhor desempenho foi João Paulo. Ele chegou ao 2º turno das eleições do Recife, mas perdeu para Geraldo Júlio (PSB), que foi reeleito.

Além disso, há 2 anos o PT elegeu apenas 1 prefeito de capital em todo o país, Marcus Alexandre, que administrou Rio Branco (AC) e atualmente disputa o governo do Acre.

Em 2012 havia 4 capitais que elegeram políticos da legenda: São Paulo, com Fernando Haddad, Goiânia, com Paulo Garcia, João Pessoa, com Luciano Cartaxo, e Rio Branco, com Marcus Alexandre.

O então prefeito de São Paulo e atual candidato a presidente Fernando Haddad perdeu a eleição no 1º turno em 2016. Paulo Garcia não conseguiu eleger sua sucessora Adriana Accorsi (PT) em Goiânia. Luciano Cartaxo foi reeleito na capital paraibana em 2016, mas havia se desfiliado do PT em 2015.

Domínios familiares

Famílias que tradicionalmente comandam o poder político nos Estados da região Nordeste continuam a exercer influência nessas eleições.

PERNAMBUCO

A família Campos, detentora do poder político nos últimos anos, passa por rachas internos. As executivas nacionais do PT e do PSB fizeram 1 acordo para que ambas as siglas apoiassem o governador e candidato à reeleição Paulo Câmara (PSB).

Ele é afilhado político de Eduardo Campos e casado com Ana Luiza Câmara, prima de 2º grau do candidato a presidente morto em 2014 em 1 acidente de avião.

A negociação nacional entre petistas e pessebistas resultou na retirada da candidatura de Marília Arraes (PT) ao governo pernambucano. Assim como Eduardo Campos, Marília é neta de Miguel Arraes, ex-governador de Pernambuco e 1 dos fundadores do PSB.

Após ter sua candidatura ao governo retirada, ela se candidatou a deputada federal. Essa não foi a 1ª divergência entre a neta de Miguel Arraes e o PSB, ela já foi filiada a sigla, mas saiu em 2016 para entrar no PT depois de ter sido excluída de uma disputa pela presidência da Juventude do PSB.

Marília tem como concorrente nas eleições para a Câmara dos Deputados 1 membro hegemônico da família Arraes. João Campos (PSB), filho de Eduardo Campos e bisneto de Miguel Arraes, é uma das apostas do PSB no pleito para deputado federal.

Tio de João e irmão de Eduardo, Antonio Campos, concorre a deputado estadual pelo Podemos. Assim como Marília, ele é afastado do núcleo central da famílIa.

CEARÁ

A família mais forte no momento no Estado é a Ferreira Gomes, representada nesse pleito pelos irmãos Ciro Gomes (PDT), candidato a presidente, e Cid Gomes (PDT), candidato ao Senado.

Eles fazem parte de 1 conjunto de 5 irmãos que conta ainda com o prefeito da cidade cearense de Sobral, Ivo Gomes (PDT), com o secretário de Infraestrutura do Ceará, Lúcio Gomes, e com Lia Gomes, que tentou se candidatar a deputada estadual, mas teve o título de eleitor cancelado por falta de cadastramento biométrico.

A candidatura de Eunício Oliveira ao Senado Federal é tratada de modo diferente pelos Ferreira Gomes. Enquanto Ciro e Lia se posicionam contra uma aliança com o emedebista, Ivo e Cid aparecem ao lado dele em atos de campanha.

Há uma chapa governista informal composta por Cid e Eunício como candidatos ao Senado e Camilo Santana (PT) como postulante ao governo estadual. Metade dos partidos da coligação do Camilo está na de Cid e a outra metade está na de Eunício. Os 3 fazem campanha conjunta na ruas dos municípios cearenses.

No entanto, Eunício não é bem-vindo no mesmo palanque em que Ciro Gomes está presente. O pedetista já declarou que vai votar em Cid para senador e que está buscando o 2º voto, mas não será em Eunício.

Além disso, há 1 fato curioso no Ceará, o senador do MDB Eunício Oliveira, que votou pelo impeachment de Dilma Rousseff (PT) em 2016, apoia abertamente o candidato a presidente Fernando Haddad (PT), enquanto o governador petista Camilo Santana afirma ter 2 candidatos a presidente, Ciro e Haddad.

Camilo é afilhado político de Ciro e foi eleito sucessor de Cid Gomes no governo cearense em 2014. Quando Haddad visita o Estado, ele participa dos atos de campanha ao lado do petista, mas suas declarações de apoio a Ciro são mais recorrentes do que as de apoio a candidatura presidencial do PT.

No dia 4 de agosto, quando o PT realizou sua convenção nacional em São Paulo, Camilo estava em Fortaleza na convenção que oficializou a candidatura de Eunício.

MARANHÃO

No Maranhão, a ex-governadora Roseana Sarney (MDB), filha do ex-presidente José Sarney (MDB), tenta reconquistar o comando do Executivo depois de ter perdido a reeleição para Flávio Dino (PC do B) em 2014.

O senador Renan Calheiros (MDB-AL) e o governador Renan Filho (MDB-AL), ambos favoritos para a reeleição, são outro exemplo de família que possui poder político regional.

Apesar do prefeito de Salvador ACM (Antonio Carlos Magalhães) Neto (DEM) não participar das eleições baianas neste ano, ele exerce influência sob o pleito nacional já que foi eleito em março presidente do DEM.

Ele foi 1 dos principais articuladores do apoio dos partidos do Centrão (DEM, PP, PR, PRB e SD) ao candidato a presidente Geraldo Alckmin (PSDB).

O prefeito da capital baiana é neto do ex-presidente do Senado ACM e sobrinho do ex-presidente da Câmara dos Deputados Luís Eduardo Magalhães, membros históricos do PFL, antiga denominação do DEM.

Senado

Nomes de influência no cenário nacional podem ser eleitos ou reeleitos na região. Entre as novidades para o Senado Federal pode estar o ex-ministro Casa Civil Jaques Wagner (PT-BA).

Ele era visto como 1 dos prováveis candidatos a presidente no lugar de Luiz Inácio Lula da Silva (PT), chegando inclusive a ser convidado para disputar o pleito, mas recusou. Pesquisa Ibope do dia 18 de setembro indica que ele está na liderança, com 41% das intenções de voto.

Outra novidade deve ser o ex-ministro da Educação Cid Gomes (PDT-CE), irmão do candidato a presidente Ciro Gomes (PDT). Segundo pesquisa Ibope divulgada em 24 de setembro, Cid está com 64% das intenções de voto.

Em 2018, estão em disputa duas vagas para o Senado em cada Estado. No Ceará, o senador Eunício Oliveira (MDB) está com 39% no mesmo levantamento e deve ser reeleito. Atualmente, preside o Senado Federal.

O ex-presidente do Senado Renan Calheiros (MDB-AL) também deve ser reeleito para mais 1 mandato de 8 anos na Casa Legislativa. O emedebista pontua 39% no Ibope do dia 20 de setembro.

ver Blog do Fernando Rodrigues
#piauí
#bahia
#paraíba
#ceará
#sergipe
#maranhão
#alagoas
#rio grande do norte
#ciro gomes
#jaques wagner
#paulo câmara
#eunício oliveira
#acm neto
#eduardo campos
#cid gomes
#wellington dias
#miguel arraes
#rui costa
#fátima bezerra
#camilo santana
#joão campos
#pernambuco
#eleições
#fernando haddad
#marília arraes