Tim Cook fala sobre guerra comercial e preço dos novos iPhones em entrevista

Photo of Tim Cook fala sobre guerra comercial e preço dos novos iPhones em entrevista
Facebook
VKontakte
share_fav

A semana é de novidades para a Apple e, como já virou tradição, Tim Cook marcou presença no programa matinal “Good Morning America”, da ABC, para falar sobre os lançamentos da empresa — e tocar, claro, em outros assuntos importantes que têm circundado a Maçã em tempos recentes.

O vídeo completo da entrevista pode ser assistido abaixo, e em seguida destacamos alguns dos seus pontos mais importantes.

ENTREVISTA COMPLETA: Robin Roberts está com Tim Cook para falar sobre os novos iPhones e Apple Watches — além disso, eles amam o novo recurso dos Memojis.

O assunto inicial da conversa foi a guerra comercial entre Estados Unidos e China, que pode, como comentamos hoje mais cedo, fazer com que mais impostos caiam em cima de iPhones e Apple Watches (embora não até o momento). Perguntado sobre o motivo de os dispositivos da Apple não terem sido contemplados com as novas tarifas, Cook respondeu:

O iPhone é montado na China, mas partes dele são produzidas no mundo todo, incluindo os EUA. O vidro sai do Kentucky, alguns dos chips são dos EUA, e — claro — toda a parte de pesquisa e desenvolvimento é feita nos EUA. Eu não quero falar por eles [o governo Trump], mas acho que eles olharam para a situação e determinaram que não é bom para os EUA que se coloque uma tarifa nesse tipo de produto.

O CEO adicionou que está “otimista” com um fim harmonioso para a atual disputa entre as duas superpotências antes de mudar para o próximo assunto: o (deveras salgado) preço dos novos iPhones. A jornalista Robin Roberts perguntou se o fato de que um dos modelos dos novos iPhones custar US$1.100 faria com que uma parte do público ficasse de fora das novidades, ao que Cook comentou:

Nós queremos fazer iPhones para todo mundo, esse sempre foi nosso objetivo e nós temos vários iPhones na linha que são significativamente mais baratos. Mas se você olha para esse iPhone [XS Max], ele é o mais avançado que nós já fizemos.

A forma que a maioria das pessoas paga por eles… eles fazem um contrato com a operadora e pagam uma quantia mensal, então mesmo se você considerar o aparelho que custa mais de US$1.000, a maioria das pessoas paga US$30 mensais por ele, o que é mais ou menos US$1 por dia. E se você pensar bem, o telefone substituiu sua câmera, sua filmadora, seu tocador de música, todos esses dispositivos. Então é um produto muito importante e nós sabemos que muitos querem o aparelho mais inovador possível, e… não é barato fazer isso.

Cook também tomou seu tempo para elogiar o novo Apple Watch Series 4 e especialmente seu novo monitor de ECG, reforçando a imagem do reloginho como um potencial salvador de vidas ao avisar usuários sobre possíveis problemas de coração que eles nem sequer imaginavam que poderiam ter.

Num momento mais constrangedor descontraído, o executivo testou o novo recurso de Memojis do iOS 12 com a jornalista… com resultados mistos. Isso não impediu Cook de destacar a brincadeira no seu Twitter:

Robin Roberts é uma profissional dos Memojis! Obrigado, “Good Morning America”, pela visita divertida!

O CEO também comentou o peso que é liderar a primeira empresa americana a atingir o valor de mercado de US$1 trilhão e de que forma a Apple pode ajudar os EUA:

Do meu ponto de vista, a Apple só poderia ter sido criada nos EUA. Nós somos uma companhia profundamente americana, então eu sinto uma responsabilidade tremenda em ajudar nosso país. Nós fazemos isso criando empregos — criamos 2 milhões de empregos nos EUA e queremos criar ainda mais. Estamos investindo US$350 bilhões no país ao longo dos próximos cinco anos e abrindo instalações em diversos locais. Nós nos orgulhamos muito dessas contribuições, mas queremos fazer ainda mais.

Se você está dizendo, Tim…

via AppleInsider

ver Mac Magazine
#telefonia
#tim cook
#eletrônicos
#preço
#apple watch
#guerra comercial
#memoji
#good morning america
#dinheiro
#apple
#estados unidos
#china
#iphone
#entrevista
#ceo
#xs max