‘Está na hora de uma relativa aposentadoria’, diz Temer sobre pós-governo

Facebook
VKontakte
share_fav

O presidente Michel Temer disse nesta 3ª feira (29.ago.2o18) que pensa numa “relativa aposentadoria” após deixar o Palácio do Planalto.

“Tive uma vida pública e universitária muito próspera, com muitos problemas, é claro, mas já cumpri papel em vários cargos. Penso que está na hora de uma relativa aposentadoria”, falou Temer durante entrevista ao programa Rádio Jornal, de Pernambuco.


O presidente afirmou que escreverá pareceres e que não recusará contribuir com eventuais pessoas que o procurarem. “Digo ‘relativa’ porque pretendo sair e dar meus pareceres, quero escrever alguns livros técnicos e até romances. Mas não deixarei de acompanhar a vida pública nacional. Se for procurado e, se puder dar alguma contribuição ao país, continuarei dando sem dúvida“.

O emedebista falou que escreverá 1 livro sobre o período em que foi presidente. Ele afirma: “Vou relatar. Houve muitas falsidades, fui vítima de alguns detratores que depois foram para a acadeia, alguns que estão no serviço público estão desmoralizados, alguns foram condenados por ofensas a minha honra. Quero contar a verdade de tudo isso”.

O presidente disse ainda que lidará com “tranquilidade” sobre o eventual prosseguimento de processos na Justiça contra ele. Falou que as denúncias suspensas pela Câmara em 2017 eram “pífias”.

Henrique Meirelles

Temer afirmou que não fica chateado com os candidatos próximos a ele que tentam se distanciar durante a campanha eleitoral.

“Não fico chateado. Compreendo certas fraquezas humanas”, falou.

Ele afirma que o fato de o candidato do MDB à Presidência, Henrique Meirelles, mencionar mais Lula do que Temer é uma “questão de detalhe”.

“Não tem como ele dizer que não participou do meu governo. Ele tem dito, embora se exiba bastante que foi presidente do BC no tempo do Lula e agora também ele coloca que foi ministro da Fazenda”.

Em seguida, completou: “Mas alguns falam: ‘ele coloca a fotografia do Lula e não botou a sua’. São detalhes que não incomodam porque necessariamente terá que fazer isso”.

Perguntado se votaria em Meirelles, Temer disse: “sim, claro”. Falou, no entanto, que não fará campanha para o ex-ministro da Fazenda por ser presidente da República e ter impedimentos legais.

Paulo Câmara

Na entrevista, Temer ainda falou positivamente sobre a relação com o governador de Pernambuco, Paulo Câmara (PSB). Disse que o governador ajudou, por meio do convencimento de deputados pernambucanos, a enterrar as denúncias contra o emedebista e mencionou o fato de o governo Temer ter tido 4 ministros pernambucanos.

Ao ser questionado o motivo de Paulo Câmara tenta ser associado com Lula, Temer respondeu: “Já tenho estrada politica para compreender o governador. Ele está em período eleitoral, precisa ter alguém em quem bater”.

O presidente ainda negou que saiba das críticas de Câmara ao governo Temer e falou que o governador deverá se pacificar depois da eleição: “É natural. Você verá logo depois da eleição, ele se pacifica”.

Reformas

Michel Temer falou sobre a PEC do Teto dos gastos públicas, a reforma do Ensino Médio e sobre a ajuda a Estados endividados.

Disse que houve uma trama envolvendo as gravações da JBS para barrar a reforma da Previdência.

“Estávamos para votar a reforma da Previdência. Duas semanas depois daquele evento do grampeador, do gravador, estava tudo acertado [para votar]. Mas montaram uma trama, aqueles privilegiados, para derrubar a reforma da Previdência”, falou.

O presidente disse que o debate sobre mudanças no sistema de aposentadorias saiu da pauta legislativa, mas não saiu da pauta política.

Michel Temer também disse que o coordenador econômico de Jair Bolsonaro, o economista Paulo Guedes, e o candidato à Presidência pelo Partido Novo, João Amôedo, falaram que continuarão as reformas promovidas durante o governo do emedebista.

Liderança do governo no Senado

O presidente afirmou ainda que o senador Fernando Bezerra Coelho (MDB-RR) continuará como vice-líder do governo no Senado, mas responderá como líder quando necessário.

Temer disse que a liderança do governo na Casa não é algo que o preocupa no momento e afirmou que tomará uma decisão definitiva quando Congresso sair do “recesso branco”, o que deve ocorrer depois das eleições.

O senador Romero Jucá (MDB-RR) deixou o posto na 2ª (27.ago) alegando discordâncias na forma como o Planalto tem lidado com a crise em Roraima.

ver Blog do Fernando Rodrigues
#roraima
#paulo câmara
#reformas
#glo
#governo
#mdb
#pernambuco
#henrique meirelles
#michel temer
#liderança do governo no senado
#rádio jornal