Intervenção no Rio terá mais mortes, diz Silva e Luna a jornal

Facebook
VKontakte
share_fav

A intervenção federal no Rio de Janeiro tende a ter maior índice de mortes em sua fase final. O entendimento é do general Joaquim Silva e Luna, efetivado em junho como ministro da Defesa.

Em entrevista ao jornal O Globo publicada neste sábado (25.ago.2018), Silva e Luna relaciona o aumento do número de mortes com a mudança na postura dos policiais, que estariam mais dispostos a entrar em choque por conta da intervenção. Antes a polícia, “por falta de meios”, tendia a se omitir.


Além disso, o aumento na letalidade se daria porque, nesta etapa, o enfrentamento entre grupos rivais tende a se intensificar.

O ministro também disse que a operação trouxe benefícios. Segundo ele, muitas UPPs que não tinham finalidade foram extintas e os policiais que trabalhavam em atividades administrativas foram incorporados.

Questionado sobre a vereadora Marielle Franco (Psol), assassinada a tiros em março deste ano, Silva e Luna disse não saber ainda quem foram os responsáveis pelo crime e trabalhar para descobrir os culpados até o fim da operação. Declarou também que a operação foi atrasada por “informações precipitadas”.

Intervenção Federal

A intervenção federal é 1 instrumento previsto na constituição para casos graves. Foi instituída pelo Governo em fevereiro deste ano ano e vigora até 31 de dezembro. Neste período os militares têm poder de polícia, mas não podem prender sem autorização judicial.

O interventor responsável pela operação é o general Walter Souza Braga Netto. Ele comanda a Polícia Militar, Civil, o Corpo de Bombeiros e a administração do sistema carcerário do Rio.

ver Blog do Fernando Rodrigues
#intervenção federal
#polícia militar
#polícia civil
#rio de janeiro
#intervenção federal no rio
#brasil
#walter souza braga netto
#marielle franco
#general joaquim silva e luna
#caso marielle