‘Governo deixa Roraima a sua própria sorte’, diz Marina sobre refugiados

Facebook
VKontakte
share_fav

A candidata à Presidência Marina Silva (Rede) criticou nesta 5ª feira (23.ago.2018) a atuação do governo diante da crise dos imigrantes venezuelanos que buscam abrigo no Estado de Roraima. Segundo a candidata, a solução é uma articulação de “países irmãos” para promover ajuda humanitária aos venezuelanos.


“De certa forma o governo tem deixado Roraima entregue a sua própria sorte. Então, nessa situação, temos ali 1 conflito, uma tensão muito grande, que não se deve ter uma atitude de violência com quem quer que seja. No entanto, o governo não pode virar as costas pro problema, nem dos refugiados, nem da população de Roraima”, disse.

Marina disse que o governo se omite, sem considerar que Roraima é 1 Estado pequeno e tem problemas sociais e econômicos. Segundo ela, o governo resiste em ajudar de maneira adequada por divergências políticas com o governo Estadual

“O governo se omitiu duplamente, se omitiu de liderar 1 processo para não permitir que a Venezuela chegasse aonde chegou, por alinhamento políticos, ideológicos, por relativizar princípios e valores em função desses alinhamentos”, afirmou.

A ex-senadora também afirmou que o governo deixou Roraima sozinha enfrentando uma situação que não tem como se enfrentada por 1 Estado, tem que ser enfrentada por 1 grupo de países de forma solidária.

A declaração foi feita durante a série de entrevistas com os presidenciáveis da EBC (Empresa Brasil de Comunicação). João Amoêdo foi o 1º entrevistado na última 6ª feira (17.ago.2018).

Com agenda no Distrito Federal, Marina também visitou escola pública de ensino integral e reforçou seu compromisso com a educação na 1ª Infância. A duração da sabatina é de 45 minutos para cada presidenciável.

Entre as soluções, Marina disse ainda que não basta o governo apenas enviar recursos ao Estado, é preciso saber gerir a situação e acolher os refugiados.

A candidata disse também ser contra o fechamento da fronteira do Brasil, uma vez que os venezuelanos são vítimas da crise política de seu país. “São vítimas de 1 regime que não é mais uma democracia”, disse.

SEGURANÇA

Sobre segurança de modo geral no Brasil, Marina afirmou que é preciso implementar 1 sistema único de segurança pública no Brasil, criar 1 plano nacional de segurança e valorizar os policiais, com formação continuada e remuneração adequada.

A candidata da Rede também defendeu o fortalecimento da PF (Polícia Federal) e da PRF (Polícia Rodoviária Federal) para combater o tráfico drogas e armas e “não permitir que bandidos atuem de dentro dos presídios”.

A candidata também defendeu que os presídios devem ficar sob administração pública. “Privatização por privatização não é solução”, disse. Segundo ela, o Estado deve fornecer segurança de qualidade de forma integrada.

Sobre a intervenção federal no Rio de Janeiro, Marina Silva disse que a violência precisa ser combatida de forma estruturada e estruturante. “Quando há problemas, os políticos criam factóides para resolver“, disse.

Segundo ela, o Exército Brasileiro não tem função de segurança pública, essa é a função é da polícia.

SAÚDE PÚBLICA

Marina Silva voltou a dizer que o Judiciário não deve interferir no debate sobre o aborto e defendeu o debate por meio de plebiscito. “Eu não acho que o Judiciário deva legislar sob o Congresso”, afirmou.

E antes de pensar em políticas públicas para o aborto, Marina disse é preciso primeiro é preciso entender que “o aborto não pode ser 1 método contraceptivo” e “trabalhar o planejamento familiar para além da ideologia”.

Sobre saúde, a candidata Marina Silva defende uma reestruturação do sistema e o aperfeiçoamento dos serviços do SUS (Sistema Único de Saúde). Ela se comprometeu com a contratação de médicos para o interior do país e incentivo à formação e “médicos generalistas”.

Sobre a população LGBTI, Marina Silva defende que todos devem ser tratados “como cidadãos”. Segundo ela, todas as pessoas tem suas necessidades especificas e nenhuma deve ser discriminada.

“Vamos tratar as pessoas respeitando os seus direitos”, disse.

DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO

Marina Silva defendeu a continuidade do programa Bolsa Família “enquanto houver pessoas em estado de vulnerabilidade”.

Marina afirma que, para que as pessoas possam deixar o programa, a melhor forma é incentivar a educação, tendo como prioridade a 1ª infância. “Vamos trabalhar para que as pessoas possam ter acesso à educação de qualidade, com inclusão produtiva”, disse.

Marina voltou a reafirmar seu compromisso com a criação e 1 plano de carreira para os professores e formação continuada.

No entanto, disse que para o desenvolvimento econômico efetivo buscar fazer com que o Brasil retome a credibilidade e tenha a confiança de investidores.

A candidata também se comprometeu a gerar emprego por meio da construção civil, implementação de energia solar. “Vamos fazer 1,5 milhão de tetos solares pra criar emprego pra população”, disse.

A respeito do salário mínimo, Marina disse que é “uma situação delicada”, mas que pretende criar uma política para corrigir inflação. Segundo ela, os trabalhadores não podem fazer o sacrifício sozinho, quando o STF (Supremo Tribunal Federal) quer aumentar os seus salários e os dos parlamentares.

PREVIDÊNCIA

Sobre a Previdência, Marina defendeu um reforma estrutural e se disse a favor da idade mínima de modo que as mulheres aposentem mais cedo que os homens. “Enquanto as mulheres trabalharem mais que os homens, elas terão uma aposentadoria diferenciada”, disse.

Já para melhorar a vida dos aposentados, a candidata da Rede defendeu a melhora do sistema de saúde, a moradia digna, 1 bom sistema de transporte e reforma tributária com menor regressividade.

ver Blog do Fernando Rodrigues
#roraima
#sistema único de saúde
#segurança pública
#bolsa família
#salário mínimo
#polícia rodoviária federal
#exército brasileiro
#governo
#combate ao tráfico
#marina silva
#eleições
#polícia federal
#reforma da previdência
#eleições 2018
#sabatina com presidenciáveis