Israel, a pátria do povo judeu

Facebook
VKontakte
share_fav

Israel agora é, por lei, “a pátria histórica do povo judeu”, com “direito exclusivo à autodeterminação nacional no país”. A lei foi aprovada por 62 deputados contra 55 e duas abstenções, após tumultuada sessão de mais de oito horas no parlamento israelense.

Deputados árabes, que representam 20% da população, o equivalente a 9 milhões de habitantes, jogaram no chão o texto da lei, em protesto. Ayman Odeh, um dos que reagiram, protestou: “Israel não nos quer aqui e está nos dizendo que seremos sempre cidadãos de segunda classe”.

Pela lei, o árabe deixa de ser uma das duas línguas oficiais do País, rebaixada a um status especial, e fica só o hebraico. Uma lei anterior, proclamando Jerusalém unida capital eterna do povo judeu, foi incorporada à nova lei.

O grupo judeu Paz Agora protestou agitando uma bandeira preta no Parlamento. O líder da oposição, Isaac Herzog, perguntou se a nova lei vai prejudicar ou beneficiar Israel. “A história vai responder”, disse.

O presidente e fundador da J Street, Jeremy Bem-Ami, criticou duramente a lei Estado-Nação, dizendo que ela passa a mensagem de que as comunidades árabe, LGBT e outras minorias nunca obterão plena cidadania.

O primeiro-ministro Netanyahu comemorou: “Este é um momento definidor. Longa vida ao estado de Israel!” Ao sair do Parlamento, ele foi confrontado por dois deputados árabes, Ahmed Tibi e Ayeda Touma-Souliman, que gritavam: “Você aprovou uma lei de apartheid, uma lei racista”. Ele reagiu: “Como vocês ousam falar dessa maneira sobre a única democracia no Oriente Médio?”

*O jornalista Moisés Rabinovici é comentarista da Rádio Nacional e apresentador do programa Um olhar sobre o Mundo, na TV Brasil.

ver EBC - Cultura
#povo
#judeu
#árabes
#lgbt
#israel
#geral
#parlamento