Jornalistas esportivas se mobilizam contra casos de assédio

Photo of Jornalistas esportivas se mobilizam contra casos de assédio
Facebook
VKontakte
share_fav
Divulgação

Quando a repórter do Esporte Interativo Bruna Dealtry recebeu um beijo forçado, ao vivo, durante uma passagem no jogo entre Vasco e Universidade de Chile, em São Januário, esboçou uma reação que beirou a naturalidade.

Com ótimo jogo de cintura, ainda que em uma situação injustificável, a jornalista respirou fundo e “seguiu o baile”, como disse logo após o assédio sofrido.

Como muitas colegas de profissão, Bruna convive com a frustração de ser vítima diária de um ambiente que se caracteriza por abrir passagem para o discurso machista.

Não há dúvidas de que o universo do futebol é um verdadeiro catalisador da violência contra a mulher.

Desde sempre uma prática predominantemente masculina, o que acontece dentro das quatro linhas incita uma variedade de comportamentos, geralmente relativizados, que mais do que cruzam a linha do respeito às mulheres e ao público LGBT.

Ambos são vistos como estranhos na tribo.

Foi em meio a casos recorrentes, como o do dia 13/03, na estreia vascaína na competição sulamericana, que cerca de 50 jornalistas brasileiras se uniram por uma causa que pede o mínimo dentro da profissão: respeito.

Com a hashtag #DeixaElaTrabalhar, o grupo pretende responder aos casos relatados por repórteres esportivas pelo país, reunindo denúncias de quem teve que se esquivar de beijos, pegadas, xingamentos e até tentativas de agressão. Tudo durante a rotina de trabalho.

Rapidamente, a reivindicação ganhou o mundo.

Com a divulgação da tag pelos clubes das séries A e B do Brasil, a notícia chegou a 1,6 milhão de visualizações no Facebook e quase o dobro no Instagram. Pelo Facebook oficial do movimento e em tuítes, foram mais de 160 mil interações.

Além do endosso dos times, jornais internacionais como El País, BBC e Marca foram alguns dos mais de vinte veículos que repercutiram o tema, sem contar mídias nacionais, atletas, ex-atletas e artistas.

No campo da hipocrisia

Reprodução

Não por coincidência – principalmente por ser corriqueiro – o caso de violência na reportagem do Esporte Interativo aconteceu só cinco dias após o Dia da Mulher, comemorado no dia 8 de março.

Pelo Brasil, clubes estamparam mensagens positivas de impacto em prol da causa feminina, enquanto rosas eram dadas a mães, esposas e filhas.

Os atos, no entanto, não correspondem às doze mulheres assassinadas diariamente no país, rendendo ao Brasil o 7º lugar entre as nações mais violentas para o gênero em um ranking de 83 países, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS).

Em território nacional, registra-se a morte de mulher a cada duas horas. Em um grupo de 100 mil habitantes, de acordo com o Fórum Brasileiro de Segurança Pública, são quase 4,3 vidas tiradas.

Dos mais de 4470 assassinatos apontados em 2017, 946 se encaixam no quadro de feminicídio (quando o fato de ser mulher levou à execução).

A dupla ameaça: ser jornalista e mulher

ver VIP
#assédio
#notícia
#repórter
#assédio sexual
#notícias
#esportes