José Padilha: “As eleições não colocam frente a frente partidos políticos, e sim quadrilhas”

Facebook
VKontakte
share_fav

José Padilha (Rio de Janeiro, 1967) ficou com um gosto bom na boca por dirigir dois dos episódios de Narcos, a série da Netflix que colocou a cocaína digitalmente em milhões de lares. “Eles também devem ter ficado contentes, porque me chamaram quando planejaram realizar uma série no Brasil”, conta entre risadas o Urso de Ouro do festival de Berlim de 2007 com Tropa de Elite. Diretor feito para a ação, especialista em dar verossimilhança a enredos que se desenvolvem no país (seu remake de RoboCop em 2014 não funcionou), Padilha não hesitou um segundo em aceitar o desafio. “Economizei um monte de pesquisa prévia porque sabia o que queria contar: a operação Lava Jato, na qual toda a classe política estava envolvida. Eu tinha os direitos de adaptação de um livro revelador de um jornalista brasileiro sobre esse caso e o mostrei a Netflix”. Assim nasceu O Mecanismo, série de oito episódios que estreia completa na sexta-feira na plataforma digital.

ver El País
#meios comunicação
#séries tv
#programa tv
#josé padilha
#romance
#thriller
#diretores cinema
#estreias televisão
#programação
#comunicação
#corrupção política
#plataformas digitales
#netflix
#cinema
#financiamento ilegal
#operação lava jato
#subornos
#televisão
#cultura