Os clones mais vulgares do Game Boy

Photo of Os clones mais vulgares do Game Boy
Facebook
VKontakte
share_fav

Matéria originalmente publicada na tem um vídeo ótimo explicando o que esse console realmente faz.

Mas talvez a parte mais interessante sobre o Mega Duck seja a impressora desse bizarro pseudo-laptop. Alguns anos antes do Game Boy ter Game Child , um clone pirata estilo Game Boy que usa gráficos LCD estilo Tiger Electronics.

(Você pode assistir o filme completo, que também conta com Warwick Davis YouTube .)

Em alguns casos, há uma linhagem entre aparelhos. Por exemplo, o nome Hartung é associado com as marcas Mega Duck e Watara Supervision, junto com um aparelho mais antigo e menos poderoso chamado Game Master .

E a empresa de Taiwan Thin Chen Enterprise, mais conhecida como Sachen, tem suas impressões digitais em jogos não-licenciados de NES, clones de NES, multi cartuchos e nas bibliotecas do SuperVision e do Mega Duck. A empresa até desenvolveu alguns jogos para Game Boy! A Sachen é uma besta em si, digna de uma matéria só pra ela algum dia desses.

Mas o melhor exemplo desse estado corporativo complexo é a Welback Holdings, a empresa responsável pelo Mega Duck.

Ela ainda existe hoje. Mais ou menos.

Lançada em 1992 como Welback, a firma passou por quatro mudanças de nome e agora é conhecida como Emperor Culture Group.

A empresa é propriedade de Albert Yeung, um investidor bilionário (e querelante de um processo contra o Google) dono também da companhia mãe da empresa, a Emperor Group. Mas a empresa não faz mais videogames piratas. A Emperor Culture Group é um conglomerado de entretenimento que produz programas de TV, é dona de cinemas e realiza shows ao vivo.

Em outras palavras, depois de muitas fusões e reorganizações, essas cópias de Game Boy secretamente construíram um império.

Siga a VICE Brasil no , Twitter e Instagram.

ver Vice Brasil
#nintendo
#pirataria
#game boy
#clones
#games