O aniversário do MC Kauan foi o verdadeiro Halloween brasileiro

Photo of O aniversário do MC Kauan foi o verdadeiro Halloween brasileiro
Facebook
VKontakte
share_fav

Centenas de jovens cantavam e gritavam animados na fila enorme que se formava desde às 22 horas na porta da quadra da escola de samba Império da Casa Verde, zona norte de São Paulo. Garotas e garotos ansiosos corriam para secar as garrafas de catuaba e vodcas coloridas para curtir o show de aniversário do MC Kauan, conhecido como o Koringa Brasileiro.

Molecada já na fila pra entrar no show do MC Kauan. Foto: Larissa Zaidan/VICE

"Ele é humilde. O Kauan chega, conversa e cumprimenta os fãs. Ele é minha inspiração para tudo", conta rapidamente Denis, 24, ao lado de um grupo de amigos antes de entrar na casa. "Sou fã desde que ele começou. Sempre que posso estou presente nos shows." Junto aos amigos, uma garota de 28 anos sorri animada com a expectativa de ver o astro de perto. "Ele é maravilhoso. As letras têm conteúdo ao contrário dessas putarias que rolam por aí", justifica.

Kauan Mariz de Oliveira é um dos maiores nomes do funk neurótico do país. Sua carreira vem diretamente do funk da Baixada Santista e começou a despontar em meados de 2006. Onze anos depois, o artista não só conseguiu se manter no destaque do gênero, como também criou uma base de fãs fieis graças à sua persona alegórica. Uma espécie de Koringa do Heath Ledger, misturado com o Coringa da Feira da Fruta e todos os personagens de terror disponíveis no imaginário de filmes de horror e quadrinhos do Batman.

MC Kauan antes do show. Foto: Larissa Zaidan/VICE

Foi o grande diferencial do MC, que canta proibidões sobre a realidade das periferias de São Paulo. Ao criar o Koringa fez dos seus shows verdadeiras releituras das Noites do Terror do Playcenter, cheios de pirotecnia, palhaços macabros, entidades do mal e referências do cybergoth que deixariam qualquer clubber bem-nascido no chinelo.

Nas primeiras horas da festa de aniversário chegaram várias vans e ônibus transportando dezenas e dezenas de fãs que vinha do litoral paulista ou do interior de São Paulo para ver o ídolo de perto. Dava pra contar nos dedos quem não estava à caráter. Muitos usavam lentes de contato, exibiam cabelos verdes com cortes chavosos e camisetas personalizadas do fã clube.

Corte chavoso da porra. Foto: Larissa Zaidan/VICE

Até o MC chegar os fãs mais devotos se amontoavam perto do camarim para entregar os presentes de aniversário e pedir autógrafos. Os presentes iam de cartazes até cestas de café da manhã repleto de chocolates e outras guloseimas. A preocupação estampada no rosto dos fãs era de não conseguir ver o ídolo.

O funkeiro pisou na quadra por volta das três e meia da manhã e foi prontamente ovacionado. Após nos dar entrevista, pediu para os fãs entrarem e lá ficou por quase uma hora e meia recebendo os presentes e tirando fotos. Não era pouco marmanjo que era visto saindo em prantos do camarim após conhecer o ídolo. Perguntamos a um dos fãs se era difícil conhecer de perto o Kauan. "Praticamente a maioria dos fãs já conseguiu falar com ele de perto", me disse ele, de olho para não perder o lugar na fila.

Kauan recebe os fãs no camarim. Foto: Larissa Zaidan/VICE

Às cinco da manhã e toda a plateia com o coração acelerado de tanto energético com whiskey, MC Kauan subiu ao palco e fez um show de uma hora e uns quebrados. Trocou de figurino três vezes e sua estamina para se manter de pé só perdia para os dançarinos fantasiados que pulavam e escalavam os enormes suportes de ferro nos cantos do palco. Era um verdadeiro Halloween fora de época sem parecer paga-pau de gringo.

Foto: Larissa Zaidan/VICE

Kauan puxou coro, estourou champagne, lutou com vilões no palco e até jogou bolo pra plateia. Lá pro final da apresentação, o sol já raiava quando o funkeiro levava os cartazes jogados no palco junto com ele e agradecia sua mãe e também produtora, Dona Nalva, pelo trabalho. Embora o Koringa do Mal falar que é vilão, a conclusão que ficou mesmo é que ele seja o mais bonzinho que já existiu no universo dos coringas.

Veja mais fotos desse rolê monstruoso abaixo, e siga Larissa Zaidan no Instagram:

Foto: Larissa Zaidan/VICE
Fã-clube mesmo. Foto: Larissa Zaidan/VICE
Veneno de cobra. Foto: Larissa Zaidan/VICE
Casa lotadassa. Foto: Larissa Zaidan/VICE
Aniversário tem que ter decoração, né. Foto: Larissa Zaidan/VICE
Galera não brinca em serviço. Foto: Larissa Zaidan/VICE
As máscaras usadas pelo MC Kauan durante o show. Foto: Larissa Zaidan/VICE
Staff do MC Kauan. Foto: Larissa Zaidan/VICE
Chave demais. Foto: Larissa Zaidan/VICE
Bem tranquilo. Foto: Larissa Zaidan/VICE
Os dançarinos/personagens do show. Foto: Larissa Zaidan/VICE
Bem fofinho. Foto: Larissa Zaidan/VICE
Minutos antes do show. Foto: Larissa Zaidan/VICE
O terror chegou. Foto: Larissa Zaidan/VICE
Foto: Larissa Zaidan/VICE
Primeiro look do MC Kauan. Foto: Larissa Zaidan/VICE
Halloween mesmo. Foto: Larissa Zaidan/VICE
Foto: Larissa Zaidan/VICE
Foto: Larissa Zaidan/VICE
MC Kauan no palco. Foto: Larissa Zaidan/VICE
A energia do show é surreal. Foto: Larissa Zaidan/VICE
O MC Kauan é carinhozasso com seus fãs. Foto: Larissa Zaidan/VICE
Foto: Larissa Zaidan/VICE
Feliz aniversário, Kauan. Foto: Larissa Zaidan/VICE

Leia mais no Noisey, o canal de música da VICE.

Siga o Noisey no e Twitter. Siga a VICE Brasil no , Twitter e Instagram.

ver Vice Brasil
#halloween
#funk
#mc kauan
#o terror tem nome
#funk paulista