Passando só para lembrar que aplicativos do iOS com permissão de câmera podem capturar fotos e vídeos sem que você perceba

Photo of Passando só para lembrar que aplicativos do iOS com permissão de câmera podem capturar fotos e vídeos sem que você perceba
Facebook
VKontakte
share_fav
Câmeras traseiras do iPhone X

É uma ação quase automática: ao baixar um novo aplicativo no seu iPhone ou iPad, o sistema mostra todas as permissões que o software em questão solicita para que possa funcionar a contento. Nós, sempre confiantes da boa vontade de todos os apps disponíveis na loja da Maçã, concedemos tais permissões sem pensar duas vezes — e, muitas vezes, sem nem mesmo analisar os elementos aos quais o aplicativo terá acesso doravante.

Hoje, um experimento criado pelo engenheiro do Google e estudioso de segurança digital Felix Krause (que apareceu aqui recentemente demonstrando um ataque fácil para obter a senha do seu ID Apple) serviu para que nos lembremos que é salutar atentarmo-nos sempre a essas permissões, especialmente quando estamos falando de uma particularmente sensível: o acesso às câmeras dos dispositivos.

Toda a questão aqui é que, quando concedemos essa permissão a um app qualquer, ele obtém a capacidade de capturar imagens e vídeos de todas as câmeras do aparelho mesmo que o usuário não esteja explicitamente numa tela de captura de imagem ou coisa do tipo — basta que o aplicativo esteja ativo e em primeiro plano. Isto é, mesmo que você esteja numa área completamente distinta do app (como rolando o seu feed ou coisa do tipo), ele pode — teoricamente — gravar imagens da câmera silenciosamente.

Talvez ainda mais preocupante seja notar que a permissão vai além: uma vez concedida, como descobriu Krause, aplicativos podem fazer o upload dessas fotos e vídeos capturados para seus próprios servidores, fazer um livestream do conteúdo ou até mesmo rodar tecnologias de reconhecimento facial em tempo real para detectar as expressões e o humor do usuário. Assombroso, não é mesmo?

Para provar seu ponto, Krause criou uma prova de conceito num app sugestivamente batizado de watch.user; o jornalista da Motherboard Lorenzo Franceschi-Bicchierai instalou o aplicativo no seu iPhone e comprovou que ele tirou fotos suas enquanto ele simplesmente rolava uma lista de atualizações, sem nenhum indicativo de que essas ações estavam acontecendo em segundo plano.

Fazendo um paralelo com os Macs, aplicativos para o macOS também podem realizar esse tipo de captura; entretanto, como bem se sabe, os computadores da Maçã são equipados com LEDs que acendem sempre que a câmera está ativa — desta forma, se um app está capturando suas imagens sem lhe dizer, você saberá de qualquer forma. No iPhone/iPad, não existe luzinha indicativa de que a câmera está em ação, portanto tudo pode ser feito na surdina.

Apenas para deixar claro, isso não é um bug ou um comportamento novo introduzido numa versão recente do iOS, e sim algo que sempre existiu — se você é um usuário avançado ou desenvolvedor, certamente pouco do que eu falei aqui é novidade. Ainda assim, vale o lembrete, especialmente para quem não tinha consciência desse comportamento: nunca dê por certa a confiabilidade de um aplicativo quando ele lhe pedir acesso à câmera ou a outros elementos sensíveis do aparelho. Nunca se sabe quando você pode estar usando um com fins escusos enquanto estiver no banheiro, afinal de contas.

Caso você esteja em dúvida sobre os aplicativos para os quais concedeu acesso às câmeras, basta ir até os Ajustes, tocar em Privacidade e, depois, em Câmera para conferir a lista com todos os tais apps (e, caso queira, revogar o acesso a algum deles). Claro, muitos aplicativos terão sua funcionalidade reduzida sem tal permissão, mas é como se diz: toda escolha é uma renúncia.

dica do @DestinoBR800

ver Mac Magazine
#aplicativo
#app store
#ios
#ipad
#acesso
#privacidade
#câmera
#segurança
#permissão