O adeus a Cassini, o orbitador de Saturno (1982-2017)

Photo of O adeus a Cassini, o orbitador de Saturno (1982-2017)
Facebook
VKontakte
share_fav

A nave orbital Cassini está pronta para morrer. Praticamente 20 anos depois de ter saído da Terra e 13 anos depois de ter chegado a Saturno, chegou a hora de nos despedirmos desse poderoso instrumento. Seu NASA Jet Propulsion Laboratory .

Lunine, especialista em Titã, trabalhou na Huygens e foi coinvestigador de Cromatografia Gasosa em Espectometria de Massas da sonda, que catalogou a composição da atmosfera lunar. Quando as fotografias da descida de Huygens começaram a chegar à Terra, ele estava com a equipe de imagens no Centro de Operações Espaciais da ESA, em Darmstadt, Alemanha. O retrato que a Huygens fez de seu destino final foi "espetacular", Lunine afirmou, algo ao mesmo tempo surpreendente e estranhamente familiar.

"As imagens não eram nada mundanas; elas eram como a Terra, a partir de certas características. Mas, de outras formas, elas não se pareciam em nada com o que temos aqui", recorda. "Vimos canais ao lado de uma montanha que pareciam entalhadas por chuva de metano líquido."

Arte conceitual da aterissagem da Huygens em Titã. Imagem: NASA Jet Propulsion Laboratory .

Talvez, mais importante, Cassini abriu um caminho poderoso para a maior exploração de Saturno e de seus satélites, e olhou para os inumerosos mistérios ainda não resolvidos desse sistema. Infelizmente, em razão de cortes no orçamento e mudanças na cultura da NASA e da ESA, não há nenhum projeto dessa escala em vias de continuar com os esforços da Cassini.

"Todo o legado de conhecimento de Saturno a uma profundidade muito maior do que houvera antes, nos deixa com um dilema", afirmou Lunine. "Se quisermos verificar todas as coisas empolgantes que a Cassini descobriu, precisaremos de um sistema superorbitador." Imagine: sondas farejadoras de vida que voam através dos jatos de Encélado, embarcações e veículos aéreos para Titã, entre outros equipamentos.

Contudo, a próxima geração de missões a Saturno talvez seja enviada aos poucos, a fim de estudar objetivos específicos, cada um com um orçamento de menos de 1 bilhão de dólares (a Cassini-Huygens custou cerca de 3,26 bilhões). Muitos desses projetos se concentram na exploração dos jatos de Encélado e dos lagos de Titã, incluindo os projetos da ELF, de Lenine, e o veículo aquático SYSTEM Sounds .

"Saturno está repleto de ressonâncias", me contou Russo pelo telefone. "Dentro do sistema de anéis, você tem todas as ressonâncias que quiser com qualquer uma das luas. É o objeto mais musical do sistema solar."

Essas revelações interplanetárias extraídas da Cassini continuarão. Servem de consolo para a rede internacional de pessoas que estão em vias de perder o emissário desenvolvido em meio a uma infância burocrática, enviada para o espaço profundo e guiada através de uma expedição conturbada que encerrou em uma cremação atmosférica.

GIF: NASA Jet Propulsion Laboratory .

"Isso, de certo modo, é algo praticamente único porque a Cassini teve uma colaboração muito mais estreita do que as outras missões", afirma Lunine. "Todos os instrumentos, tanto na sonda quanto na nave, foram fruto de uma colaboração internacional entre os EUA e um país europeu."

"Detesto pensar que foi uma causalidade", continuou. "Foi um grande exemplo de como, ao trabalhar em conjunto com a Europa, os EUA puderam fazer algo grandioso."

E o sentimento de gratidão ecoou pelos membros da equipe em todo o mundo.

"É o fim de uma aventura humana", afirmou Altobelli. "Esse tipo de projeto, quando se tem tantas pessoas dando o melhor para a ciência com essa missão – e você precisa negociar – pouco a pouco, você vê um espírito de família sendo desenvolvido."

Às vésperas de sua morte, Cassini aproximou as pessoas para uma última manobra audaciosa. A NASA transmitiu na manhã de hoje a perda de sinal ao vivo no Laboratório de Propulsão a Jato, em Pasadena, onde os membros da equipe se reuniram para o mergulho fatal da sonda.

No momento em que o último sinal de rádio foi recebido na Terra, a nave se juntou ao astrônomo que deu seu nome à missão e se misturará ao belo planeta que conheceu tão bem.

Não será possível ouvir ruídos robóticos do sistema de Saturno por um bom tempo, e o sistema solar parecerá bastante solitário. Contudo, a Cassini-Huygens, mesmo com o status de uma missão do passado, ficará como lembrete do que é possível realizar quando terráqueos trabalham juntos para explorar novas fronteiras. É hora de dizer adeus e muito obrigado à nossa amada viajante interplanetária.

Leia mais matérias de ciência e tecnologia no canal MOTHERBOARD.
Siga o Motherboard Brasil no e no Twitter.
Siga a VICE Brasil no , Twitter e Instagram
.

ver Vice Brasil
#espaço
#titan
#júpiter
#saturno
#cassini
#nasa