Parece que o co-fundador do Google criou uma empresa de táxis voadores

Photo of Parece que o co-fundador do Google criou uma empresa de táxis voadores
Facebook
VKontakte
share_fav

Bilionários não sabem guardar segredos muito bem. Documentos enviados por engano durante caso judicial envolvendo grandes nomes do Vale do Silício, nos EUA, sugerem que o cofundador do Google, Larry Page, criou uma outra empresa chamada Tiramisu. A doce companhia, ao que parece, tem a ver com um projeto ambicioso: carros aéreos.

A brecha apareceu quando, no mês passado, o Uber moveu uma ação com o objetivo de forçar a empresa de carros autoconduzidos do Google, a Waymo, a fornecer testemunhas para os mais variados assuntos.

A Tiramisu é listada como relevante para uma recente briga judicial entre Google e Uber com relação a carros autoconduzidos. Alega-se que Anthony Levandowski, engenheiro acusado de roubar a tecnologia LIDAR e demais segredos técnicos do Google e levar tudo para o Uber, estaria trabalhando para a tal Tiramisu em seu tempo livre.

"O Uber busca mais informações sobre o envolvimento do Sr. Levandowski nas empresas Kitty Hawk, Zee.Aero e Tiramisu, bem como a Waymo (e as empresas relacionadas Alphabet e Google) encara o envolvimento do Sr. Levandowski nestes negócios paralelos", consta no documento.

Não se sabe muito sobre a Tiramisu, que nunca foi reconhecida publicamente por Page, Waymo ou qualquer outra pessoa. A existência da empresa não havia sido relatada anteriormente e o próprio Uber pediu pela remoção do documento no dia de seu envio. Nós do Motherboard tivemos acesso às cópias desses arquivos antes da remoção. O Uber reenviou sua ação com os detalhes mencionando Kitty Hawk, Zee.Aero e Tiramisu agora censurados. (Cabe notar que Kitty Hawk e sua subsidiária Zee.Aero estão desenvolvendo aeronaves elétricas semelhantes a drones para transportar passageiros.)

Uma busca por empresas registradas na Califórnia revela que a Tiramisu LLC foi criada em maio de 2015. O endereço da mesma, um escritório de advocacia em Palo Alto, bate com a da Carl Victor Page Memorial Foundation, fundação de caridade avaliada em US$2 bilhões de Larry, batizada com o nome de seu pai.

O endereço da Tiramisu é o mesmo da Carl Victor Page Memorial Foundation.

Demais processos relacionados à Tiramisu LCC usam o endereço de um advogado especializado em leis de aviação cuja base de operações é o Aeroporto John Wayne, próximo a Los Angeles. A Tiramisu LLC também foi registrada em Delaware em 2014, uma jurisdição favorecida por diversas startups mais discretas, já que o estado permite que seus proprietários permaneçam no anonimato.

Mas, ok, o que diabos é a tal Tiramisu? Ainda não sabemos, mas os documentos que vimos até agora e as declarações do ex-CEO do Uber, Travis Kalanick, bem como as de Larry Page, nos permitem tentar adivinhar (caso você tenha alguma informação, entre em contato conosco).

Crédito: Steve Jurvetson/Flickr

O nome da empresa, diga-se de passagem, é algo como "me pegue" em italiano (além de uma deliciosa sobremesa).

Sabemos que tanto Travis Kalanick quanto Larry Page tem interesse em carros voadores. Na declaração de Kalanick, ele deixa claro que ligou para Page para conversar sobre uma possível parceria relacionada ao tema: "Queria falar com ele sobre carros voadores", testemunhou Kalanick. O Uber já anunciou suas intenções de criar um serviço de táxi voador autônomo chamado Uber Elevate para idas ao trabalho ou viagens intermunicipais. Já até promoveu conferência sobre o tema no começo deste ano.

Reportagens recentes do The Wall Street Journal sugerem que Page tenha até mesmo testado carros voadores, quem sabe até com ajuda de Levandowski.

Trecho do testemunho de Larry Page

Trechos essenciais do processo do Uber – e boa parte do testemunho de Larry Page ao qual se refere – foram censurados de forma a manter a confidencialidade. Independente disso, o documento é uma leitura interessante: um trecho do testemunho de Page releva um diálogo onde um dos advogados do Uber pergunta se Page tinha um sítio de nome tal. O testemunho foi registrado de forma que podemos perceber que o nome do tal sítio era composto por oito caracteres.

Page respondeu: "[Esse nome] é um projeto no qual creio que Anthony estava trabalhando. Não acho que seja o nome de um sítio". Page confirmou que aconteceram de fato alguns testes em uma de suas propriedades ao longo de 2015.

No mês passado, o Wall Street Journal noticiou que Levandowski estaria trabalhando em uma das propriedades de Page testando carros voadores e citou ainda alguém "familiarizado" com seu testemunho. Os advogados do Uber então moveram ação identificando a Tiramisu (com seus oito caracteres) como uma empresa que acreditavam Levandowski estar envolvido. Não é lá uma prova muito contundente, claro, mas é o que sabemos até agora e nenhum dos envolvidos abriu o bico.

Trecho do testemunho de Travis Kalanick.

Após contato do Motherboard, um porta-voz da Waymo não quis responder às perguntas sobre a Tiramisu, porém, acusou o Uber de tentar criar "distrações".

"Diante de provas crescentes de que o Uber estaria usando segredos industriais da Waymo, a empresa tenta criar distrações por meio de manobras legais sem qualquer fundamento", disse o porta-voz. "Há provas significantes e diretas de que o Uber está usando segredos industriais roubados da Waymo em sua tecnologia. Estamos ansiosos para apresentar tais provas durante o julgamento."

Nem a Kitty Hawk ou seu CEO Sebastian Thrun responderam às nossas tentativas de contato.

ver Vice Brasil
#vale do silício
#startups
#mistério
#larry page