Multiplayer de 'Battlefield 1' finalmente tem personagens femininas

Photo of Multiplayer de 'Battlefield 1' finalmente tem personagens femininas
Facebook
VKontakte
share_fav

A nova expansão In the Name of the Tsar de Battlefield 1 não chegou a ter um destaque grande na apresentação EA Play, que deu início às coletivas pré-E3 2017 neste sábado (10), mas vai trazer algo que deveria ter ganhado mais atenção: a estreia do Batalhão Feminino da Morte no multiplayer do jogo de tiro ambientado na Primeira Guerra Mundial.

A novidade é que, pasme, essa será a primeira vez que os jogadores poderão controlar personagens femininos no multiplayer da série – um vacilo que demorou para ser corrigido pela desenvolvedora DICE, principalmente porque, no modo história de Battlefield 1, já jogamos com uma mulher, Zara Ghufran, em uma das campanhas.

Talvez a novidade tenha surgido agora porque, durante a E3 do ano passado, pegou muito mal pra empresa quando a ex-programadora da DICE, Amandine Coget, foi ao Twitter dizer que a ideia original de Battlefield 1 era ter, sim, soldadas no jogo, mas acabou sendo descartada. O pior é que a justificativa dada para ela foi de que a inclusão de mulheres não seria "Coerente para audiência principal de garotos".

Pelo menos agora a DICE está se retratando devidamente, tanto que quem narra o trailer da expansão é justamente uma das combatentes do batalhão feminino.

Mas afinal, quem foram essas mulheres que saíram pra guerra? O Batalhão Feminino da Morte foi criado em 1917 pela Rússia e é marcado até hoje como a primeira força armada oficial formada só por mulheres a participar no front de uma guerra.

A ideia do governo russo era que o batalhão aumentasse a moral das tropas de soldados que estavam passando um perrengue contra os alemães. Quem ficou responsável em formar e liderar o grupo foi a sargento Maria Bochkareva, já uma experiente soldada na época. O que dizem é que mais de duas mil mulheres se voluntariaram pra nova tropa, mas por causa de logísticas de treinamento, somente 300 participaram dela de fato.

Para quem quer saber mais, há um filme russo premiado de 2015 chamado Batalon, dirigido por Dmítri Meskhiev, que conta a história do grupo. Já no game, poderemos controlar as combatentes quando a expansão In the Name of the Tsar chegar ao Battlefield 1, em setembro deste ano.

Siga a VICE Brasil no , Twitter e Instagram.

ver Vice Brasil
#feminismo
#battlefield 1
#waypoint