Saraiva, não precisa de estereótipo para homenagear as mulheres

Photo of Saraiva, não precisa de estereótipo para homenagear as mulheres
Facebook
VKontakte
share_fav

Desde que foi anunciada, na semana passada, a promoção preparada pela Saraiva para o Dia Internacional da Mulher tem dado o que falar. Primeiro porque, inicialmente, todos amaram (e compartilharam) os 50% que as mulheres vão receber no dia, na compra de qualquer livro de “interesses gerais”.

Logo em seguida, porém, um questionamento bastante pertinente começou a rolar nas redes sociais:

Segundo o site da Saraiva, onde uma promoção de 30% em produtos selecionados para a semana inteira, o “perfil ideal” para mulheres é bastante limitado – e envolve, além de muito cor-de-rosa, também muitas flores. Ele pode englobar as moças “com atitude”, “românticas”, “que se cuidam”, “fashionistas”, “religiosas”, “que gostam de dançar”, “que fizeram história”, “mamães”, “de negócios”, “organizadas”, “geeks”, “conectadas”, “que curtem boa música” e “cinéfilas”.

Semana da Mulher - Saraiva

(Saraiva/Reprodução)

Os títulos acusados nas redes sociais de terem excluídos da campanha não participam dela de fato. Mas a livraria se explica: a verdade é que nenhuma de suas promoções tem o hábito de incluir livros didáticos e paradidáticos – categoria em que todas aqueles subdivisões podem ser encontradas.

A promoção como um todo, porém, além dos “perfis ideais” de mulher englobados pela rede de livrarias, é envolta de uma aura cor-de-rosa. Como ficam as mulheres que amam filmes de terror? Livros sobre política? Contos de suspense? Dicas de marcenaria? Essa promoção também é para elas?

Mesmo sem levarmos em consideração os tais livros didáticos e paradidáticos, a seleção de produtos em questão exclui várias áreas pelas quais as mulheres, em toda sua variedade, poderiam se interessar. Com isso, a campanha acaba reforçando os estereótipos de gênero que (justamente!) uma data como o Dia Internacional da Mulher pretende questionar.

what

(Reprodução/Giphy)

Já passou da hora de entender que lugar de mulher é onde ela quiser, e que, para isso, os livros também são escolha dela, né?

ver M de Mulher
#livros
#igualdade de gênero
#dia internacional da mulher