Manifestações e jornais fazem confusão em críticas a projetos, e Temer agradece

Facebook
VKontakte
share_fav

Categoria:

Movimentos sociais
Jornal GGN - A repercussão dos atos realizados neste domingo (04) em favor da Operação Lava Jato recebeu ao longo do dia e noite outras conotações, além dos motivos protestados: colocar o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), como escudos à revelia de Michel Temer.
O recado estava claro: o líder do movimento que organizou os protestos, Vem Pra Rua, Rogério Chequer explicou nas redes sociais que o grupo "não é a favor do Fora Temer". "Nós não temos nenhum interesse de tirar o Temer do poder", afirmou. E mais, em entrevista à BBC Brasil, o organizador disse que não podia controlar quem participa de seus atos, mas que esperava "que pessoas desalinhas das não se interessem em vir". Defendeu diretamente Temer, afirmando que o novo presidente "tem intenções extremamente positivas para o Brasil". O aviso do líder do Vem Pra Rua está em consonância com a reunião realizada no Planalto, em que Michel Temer pediu que os movimentos de direita o ajudassem.
Eram atos em favor da Operação Lava Jato e contra qualquer medida que pudesse impedir sua continuidade e avanço. Mas a "ameaça" à operação incluía não só a aprovação na Câmara dos Deputados, na calada da noite na última quarta-feira (30), das 10 Medidas incluindo tentativas de cercear atuação de investigadores, como também o Projeto de Lei do Senado 280, de Abuso de Autoridade, que quer evitar qualquer que seja o abuso cometido por juízes, delegados e procuradores.

leia mais

ver Blog do Luis Nassif
#luis nassif online
#população
#atos