Sem spoiler: por que Gilmore Girls sempre foi uma série feminista à frente de seu tempo

Photo of Sem spoiler: por que Gilmore Girls sempre foi uma série feminista à frente de seu tempo
Facebook
VKontakte
share_fav
Série retorna ao Netflix nesta sexta

Reprodução Série retorna ao Netflix nesta sexta

O mundo acordou diferente nesta sexta-feira, 25 de novembro, e não só por causa da Black Friday. Após um hiato de quase dez anos, Gilmore Girls está de volta, com temporada nova, na Netflix. Um verdadeiro alívio para quem estava morrendo de saudades da dupla Lorelai e Rory, mãe e filha que mudaram o nosso jeito ver o mundo, as relações dramáticas familiares e o papel das mulheres em uma sociedade que ainda caminhava em assuntos como independência, feminismo e por aí vai.

Acontece que o feminismo de Gilmore Girls não é pauta recente. A série sempre esteve à frente de seu tempo, quebrando tabus, estereótipos e modelos relacionamento em uma época em que se “assumir” feminista era bem mais escandaloso do que hoje em dia. O “medo” da palavra e dos atos influenciados pelo empoderamento feminino era bem maior. Justamente por isso, a evolução de Rory e Lorelai ganhou corações pelo mundo inteiro, sem forçação de barra.

Separamos alguns exemplos maravilhosos de como a série antecipou discussões feministas que, ainda hoje, precisamos debater. Olha só!

1 – Lorelai criou Rory por conta própria

A dinâmica familiar de Gilmore Girls rompeu com todas as barreiras da “família tradicional” dos anos 2000. Em vez de cair naquele estereótipo assustador de que mães adolescentes e solteiras não têm qualquer vocação para criar um filho, Lorelai provou justamente o contrário, completamente sozinha. Mãe aos 16, ela simplesmente arrasou e criou uma filha incrível e inteligente, ainda que imperfeita.

2 – Independente e valente, obrigada

Outro exemplo bem legal do feminismo de Gilmore Girls está na construção do personagem de Lorelai. Para a nossa alegria, ela sempre se mostrou uma mulher forte e independente, preocupada com a criação da filha e com a própria educação, fugindo do autoritarismo convencional dos pais milionários.

Lorelai não parou tempo: ela continuou estudando, à noite, e começou o próprio negócio. Até mesmo a mãe de Lorelai reconhece a força da filha, reforçando que ela não depende de ninguém e parabenizando-a por isso. Rory aprendeu com a melhor, né?

3 – Rivais? Você está na série errada

Em Gilmore Girls, não há espaço para picuinhas e intrigas femininas. Ao contrário de outras séries que se aproveitam no mito da inimizade natural entre mulheres, a história de Rory e Lorelai nos ensina que mulheres podem fazer muito mais do que simplesmente competir pela atenção dos homens. Elas podem ser amigas e aliadas. Afinal, a gente tem muito mais o que fazer, né, minha gente? Sororidade em primeiro lugar!

4 – Quem tem medo de dar opinião?

Não é incomum assistir a séries e filmes em que as mulheres não têm espaço para falar o que pensam. Se falam, são tidas como mesquinhas, agressivas, mandonas… Não em Gilmore Girls. As mulheres da série não têm medo de dar uma opinião ou defender aquilo em que acreditam. Em resumo: elas vão falar e você vai ouvir, sinto muito!

5 – Sem estereótipos de gênero

Se hoje ainda é complicado quebrar alguns estereótipos associados às mulheres, imagine no começo dos anos 2000. Parece pouco tempo, ok, mas as coisas eram bem diferentes. Por isso, ver Lorelai pedindo um homem em casamento já era incrível demais, acabando com aquela ideia de que nós sempre precisamos esperar pelo pedido oficial do príncipe encantado. Fora que não somos obrigadas a aceitar nada, né?

Essa foi a lição de Rory, por exemplo, quando recusou o pedido de casamento de Logan para ganhar o mundo, trabalhar e viver aventuras inesquecíveis, ainda que solteira.

6 – Garotos são legais, mas…

Lorelai não era a mãe perfeita, tudo bem, mas ela com certeza deu alguns dos melhores conselhos do mundo para a Rory. Na primeira temporada, Lorelai manda a real sobre garotos de um jeito que ninguém poderia esperar.

“Não me entenda mal, garotos são legais. Eu sou fã deles também, afinal, engravidei com 16 anos. Mas eles sempre estarão aí, minha filha. A escola, por outro lado, não. A sua educação precisa ser mais importante”, disse ela. E é mais ou menos assim que a Rory vai levando a vida, em busca das próprias ambições.

7 – Coma o que quiser, quando quiser

Dieta? Jejum? Carboidratos à noite? A regra em Gilmore Girls é clara: não existe regra! Durante a série, Rory e Lorelai nos ensinam que comer faz bem, muito bem, obrigada! Afinal, se comer bolo é errado, nós não queremos estar certas, né? Essa cena é clássica, bem como aquele episódio em que Paris e Rory se acabam em comida chinesa, celebrando o fato de ter um montão de coisas para comer sem nenhum cara por perto. Apenas maravilhoso!

8 – Atração não é tudo

Os conselhos amorosos de Lorelai são apenas os melhores! Neste exemplo, ela nos ensinou por que existem coisas mais importantes do que a mera atração física. “Eu sou atraída por torta, mas nem por isso sinto vontade de sair com uma torta”, explica ela. Bem literal, caso o mocinho Max Medina tenha dificuldade para entender o recado.

9 – Estado civil: feliz

Mulher feliz e solteira? Impossível. Ainda hoje, em 2016, encontramos com pessoas que acreditam piamente nisso. Normalmente, elas estão em busca da “outra metade da laranja”, única motivação para encontrar a verdadeira felicidade. Bem, Gilmore Girls nunca reforçou isso, ainda bem. Como a gente explicou anteriormente, a série rompeu com inúmeros estereótipos bobinhos de gênero.

A questão da felicidade amorosa também foi pelo mesmo caminho. Rory e Lorelai nos mostraram que ninguém precisa de um relacionamento ser plenamente feliz. Para Lauren Graham, a Lorelai, este é o grande trunfo feminista da série. Nós concordamos! <3

ver Virgula
#gilmore girls
#tempo
#feminismo
#igualdade
#moderna