Trump diz estar tomando remédio de eficiência não comprovada como prevenção ao coronavírus

Photo of Trump diz estar tomando remédio de eficiência não comprovada como prevenção ao coronavírus
Facebook
VKontakte
share_fav

Análises não mostram eficácia de hidroxicloroquina em pessoas com Covid-19. Estudo mostra que pacientes tratados com a droga apresentaram uma maior incidência de falência cardíaca quando comparados com o grupo sem tratamento. O presidente dos EUA, Donald Trump, em foto na Casa Branca, em Washington, na segunda-feira (18) Reuters/Leah Millis O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou nesta segunda-feira (18) que está tomando hidroxicloroquina como forma de prevenção ao coronavírus, apesar de todas as contra-indicações apontadas pelos médicos em relação ao uso da droga e apesar de estudos não terem mostrado benefício de seu uso contra a Covid-19. “Tenho tomado há uma semana e meia. Uma pílula por dia”, disse Trump a repórteres, acrescentando que, até o momento, não teve “nenhum sintoma” de efeitos colaterais. O uso da cloroquina - um medicamente originalmente usado no tratamento da malária - por pacientes infectados com o novo coronavírus segue sendo estudado por vários países, mas pesquisadores ainda não conseguiram encontrar resultados conclusivos sobre sua eficácia no combate à Covid-19. A hidroxicloroquina é um derivado da cloroquina e guarda as mesmas propriedades, mas tem a toxicidade atenuada. As pesquisas não analisam, porém, o uso da droga como precaução para pessoas que sequer tenham a doença, como Trump afirma estar usando. Nos Estados Unidos, seu uso não é recomendado pela FDA, órgão responsável pela aprovação de medicamentos e alimentos. A Sociedade Brasileira de Imunologia afirma em parecer que, após analisar alguns dos estudos do uso das drogas em pacientes com Covid-19, constatou que um deles mostrou que os pacientes que receberam hidroxicloroquina e azitromicina apresentaram uma maior incidência de falência cardíaca quando comparado com o grupo sem tratamento. O mesmo estudo também mostrou que não houve nenhuma melhora significativa quanto à mortalidade quando foram avaliados os grupos de pacientes que receberem hidroxicloroquina, azitromicina ou ambos os fármacos em associação em comparação com o grupo sem tratamento.
ver G1