Museus têm chance de compensar distanciamento social reinventando exposições online

Photo of Museus têm chance de compensar distanciamento social reinventando exposições online
Facebook
VKontakte
share_fav
Reprodução/Forbes
Um sinal de fechamento é visto do lado de fora do Metropolitan Museum of Art no dia 13 de março na cidade de Nova York, devido à ameaça contínua do surto de coronavírus (COVID-19)

Alguns dias atrás, a Orquestra da Filadélfia apresentou a 5ª e a 6ª Sinfonias de Beethoven em uma sala de concertos completamente vazia. Os músicos estavam bem vestidos, como sempre, e a música era executada com formalidade costumeira. Tudo era familiar até o show terminar sem aplausos. Diante de milhares de assentos vazios, os músicos se curvaram em silêncio.

Concertos semelhantes foram realizados recentemente em Berlim e na cidade de Nova York, todos transmitidos ao vivo para uma plateia ouvindo em casa por conta da pandemia de coronavírus. Dada a necessidade de distanciamento social, esses conjuntos musicais estão prestando um serviço admirável, aproximando as pessoas em torno de uma experiência cultural compartilhada, mesmo que essa união seja apenas temporal.

VEJA MAIS: A inteligência artificial invade o mundo da arte

Não há como prever se a prática continuará, uma vez que o desempenho da orquestra poderá em breve ser considerado um risco à saúde pública. No entanto, como um exemplo de adaptação criativa à ameaça da Covid-19, a transmissão ao vivo para o público externo exemplifica a flexibilidade que outras instituições culturais precisam empreender.

Os museus são especialmente desafiados neste momento. Instituições do MoMA ao Lacma estão de portas fechadas por tempo indeterminado. A transmissão ao vivo recai em uma tradição que data do início do século 20, quando os shows eram transmitidos no rádio e, posteriormente, na TV. No caso de exposições em museus, a circulação é geralmente aberta. Quando muitas pessoas se aglomeram em um show, todo mundo sente o frisson cultural, mas a experiência de obras de arte individuais é assíncrona e difusa.

Há vários anos, o Google fornece uma maneira de as pessoas visitarem museus virtualmente, capturando parte da espontaneidade exploratória com o equivalente interno do Street View. À medida que a pandemia segue seu curso, e mais pessoas passam mais tempo em algum tipo de quarentena, o Google Arts & Culture, sem dúvida, fornecerá uma distração que vale a pena.

Os catálogos de exposições e extras online, como passeios virtuais e entrevistas com os curadores, também assumem maior valor nas próximas semanas e meses, especialmente porque as mostras temporárias permanecem em estado de suspensão. Recomenda-se aos museus que aprimorem seus extras na web e, especialmente, disponibilizem catálogos online gratuitamente, da mesma forma que muitas orquestras sinfônicas agora estão dando acesso gratuito a seus arquivos de gravação.

No entanto, mesmo com essas ofertas, os museus ainda não desenvolveram o equivalente virtual ao que fazem no mundo real, que é oferecer espaço para as pessoas se reunirem na presença de perspectivas profundamente diferentes das suas. Um valor tácito dos museus é sua função como um antídoto para o claustro das mídias sociais, uma bolha que só se tornará mais impenetrável no contexto do distanciamento social. As semanas ou meses em que os museus estão fechados não devem ser desperdiçados, mas sim considerados uma oportunidade para experimentação de maneiras alternativas de reunir públicos grandes e diversos sem a necessidade de presença física.

Alguns meios de comunicação e gêneros serão mais adequados que outros. Pintura e escultura podem não se traduzir tão bem quanto a arte performática ou podem exigir que artistas performáticos os ativem como pontos de inflamação nos acontecimentos online que os museus podem encomendar. Em uma pandemia, três das dimensões no continuum do espaço-tempo estão efetivamente fora dos limites, mas a quarta dimensão é nativa do ambiente online. A realidade do tempo online pode enquadrar a virtualidade do espaço online. Assim como um evento pode ser uma obra de arte, qualquer obra de arte pode se tornar um evento.

Assim como as salas de concerto estão transmitindo ao vivo seu caminho para um novo papel vital em nossa nova cultura de coronavírus, podemos manter as artes visuais liberando artistas performáticos em museus vazios e alistando a infraestrutura online dos museus para fornecer experiências ao vivo. As inovações feitas hoje têm o potencial de superar o novo coronavírus e oferecer aos museus uma prática em um futuro que precisará se tornar mais virtual que o passado, como uma simples questão de reduzir nossa pegada de carbono global.

Estamos no meio de um experimento natural oportuno de como manter a civilidade sociopolítica na ausência de contato físico. A cultura e as artes têm sido historicamente condutas de tolerância e consenso. A capacidade das instituições artísticas de se adaptarem à placa de Petri da Covid-19 é um teste de sua relevância futura.

Hoje os museus estão fechados. Agora é a hora de abrir novas possibilidades nas artes.

Siga FORBES Brasil nas redes sociais:

Facebook
Twitter
Instagram
YouTube
LinkedIn

Baixe o app da Forbes Brasil na Play Store e na App Store.

Tenha também a Forbes no Google Notícias.

O post Museus têm chance de compensar distanciamento social reinventando exposições online apareceu primeiro em Forbes Brasil.

ver Forbes Brasil
#museus
#transmissão ao vivo
#fechamento
#doença
#arte
#beethoven
#obra de arte
#público
#google
#tecnologia
#cultura
#forbeslife
#coronavírus
#espaço virtual
#experiência cultural
#exposições online
#orquestra da filadélfia
#sala de concertos