João Doria só quer reforma tributária se for para União e Estados

Facebook
VKontakte
share_fav

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), 62 anos, diz ser contra a proposta do governo de criar 2 tipos de Imposto sobre Valor Agregado dual (1 cobrado pelo governo federal e outro pelos Estados). O ministro Paulo Guedes (Economia) tem dito que a reforma tributária deve resultar numa taxa que seria arrecadada pela União (unificando vários impostos atuais) e os Estados teriam de decidir sozinhos se aderem ou não ao sistema, também unificando seus tributos.

“Não acho 1 bom caminho. Você não pode em uma reforma tributária delegar aos Estados a competência que é do governo federal e do próprio Congresso Nacional”, declara João Doria. Ele reclama que a estratégia já foi usada na reforma da Previdência, que teve escopo apenas federal e delegou a cada Estado a responsabilidade de fazer a sua.

Assista abaixo (47min03seg):

As declarações foram dadas em entrevista ao jornalista Fernando Rodrigues, apresentador do programa Poder em Foco, uma parceria editorial do SBT com o jornal digital Poder360. A entrevista foi gravada em 5 fevereiro.

[Quando a entrevista foi gravada, o Estado de São Paulo (sobretudo a região metropolitana da capital) não havia ainda sido atingido pelas fortes chuvas de 9 e 10 de fevereiro. Por essa razão o tema não foi abordado]

No caso da proposta federal para reforma tributária, a União deseja criar o IVA com alíquota de 11% a 12% para unificar várias taxas cobradas hoje separadamente. Não está claro ainda quais seriam todos esses tributos, mas podem incluir os seguintes: IPI, IOF, PIS/Pasep, Cofins, Salário-Educação e Cide-Combustíveis. Essa ideia teria de ser incorporada aos projetos já em tramitação no Congresso.

Para o governador, o protagonismo das mudanças tributárias será do Congresso, com a PEC (Proposta de Emenda à Constituição) do deputado Baleia Rossi (MDB-SP), que será discutida em comissão especial mista. Diz ainda confiar que vai haver uma reforma.

“O Congresso vai realizar 1 bom debate em torno de 1 modelo que não seja o do governo federal, até porque não foi apresentado. Não me pergunte o porquê, mas não há 1 modelo do governo federal. Há 1 modelo que está sendo intensamente debatido, que foi apresentado pelo deputado Baleia Rossi. Acho que, obviamente, sofrerá emendas, sugestões, recomendações, inclusive de governadores através de seus secretários de Fazenda, e, provavelmente, sairá uma reforma tributária bastante razoável e boa para o Brasil”, diz.

“Você não pode ter uma reforma tributária parcial: boa para o governo federal e que depois joga para os Estados, que façam as suas reformas. Já basta a Previdência”, afirma.

Sobre a possibilidade de o governo propor 1 imposto nos moldes da CPMF (Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira), tributo criado durante o governo do presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB), Doria afirma ser “absolutamente contra”.

“Isso não é me posicionar contra o governo federal ou contra o ministro Paulo Guedes, de quem gosto, aliás. Criar imposto em 1 governo liberal? Não. São Paulo não criou nenhum imposto, São Paulo até eliminou impostos de forma fiscalmente responsável”, afirma.

Na entrevista, o governador falou sobre a relação do Brasil com a Argentina, o surto de coronavírus, o uso de maconha para fins medicinais e a possibilidade ou não de plantá-la no país. Tratou do projeto de privatizar a Sabesp (Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo) e penitenciárias do Estado.

Doria também falou sobre a intenção de reduzir investimento público em infraestrutura em São Paulo e sobre o foco em atrair investimentos externo para o Estado.


O tucano defendeu mais diálogo a respeito da redução do ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) sobre combustíveis. Para ele, a medida proposta pelo presidente Jair Bolsonaro é populista. “Não é com bravatas e nem através do WhatsApp [que se chega a 1 entendimento].”

“O populismo é algo que o Brasil já viveu e teve experiências ruins. É só lembrar de Dilma Rousseff com o tema da energia elétrica, aliás exaltado e apoiado pelo Paulo Skaf em São Paulo e deu no que deu. O Brasil ficou com uma marca negativa, por ter interrompido marcos regulatórios nessa área, afugentou investidores, colocou à ruína muitas empresas de distribuição de energia no país e nós levamos quase 5 anos para compor esse setor, por uma medida populista que dizia que iria reduzir o valor da energia elétrica. Não reduziu, maculou o setor e ainda inibiu novos investimentos nesta área”, lembrou.

GOVERNO BOLSONARO

Crítico do governo Bolsonaro, Doria apontou a reforma da Previdência, promulgada em 12 de novembro de 2019, como 1 fato importante do 1º ano de gestão do militar. Porém, para ele, o avanço da reforma deveu-se à conduta do Congresso Nacional.

“A reforma da Previdência foi 1 fato importante e significativo na vida econômica e social do país, mas deve-se muito mais, a meu ver, pela conduta do Congresso Nacional do que propriamente pela do Executivo. Não estou fazendo críticas, mas exaltando algo que foi bom, inclusive para os investidores internacionais, que hoje enxergam o país de outra forma graças à reforma da Previdência, como enxergarão melhor se o Congresso Nacional votar a reforma tributária”, diz.

Doria disse que mantém 1 bom relacionamento, “republicano”, com os ministros do governo Bolsonaro. “Mas eu não quero, ao falar bem de alguns, classificar como maus outros ministros”, afirma.

Apesar disso, no caso da política nacional ambiental, o governador de São Paulo defende que a atuação do ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, “pode ser melhor”. Segundo o tucano, o ministro foi muito cobrado pelos investidores no Fórum Econômico Mundial, em Davos, na Suíça, e “não performou bem”.

“Eu entendo que o Ricardo Salles não é o governo, ele é o ministro do Meio Ambiente. Ele foi cobrado pelos investidores em Davos, aliás, o ministro Paulo Guedes é testemunha disso, de como ele foi cobrado pelos investidores, por grandes líderes internacionais, que estavam em Davos. O Brasil ficou na berlinda em Davos pela questão ambiental”, diz.

“O Brasil não performou bem no ponto de vista dos investidores nessa área. O ministro Paulo Guedes fez a defesa que lhe coube fazer como representante de Bolsonaro. Ele fez o possível [para defender o governo]. Ele não é o ministro do meio ambiente, mas na parte econômica ele foi bem, recebeu elogios pela reforma da Previdência e teve sua visão liberal bem recebida por investidores em Davos”, afirma.

ARGENTINA: ‘ESTIGMATIZAR É ERRO’

Desde a campanha de Mauricio Macri à reeleição na Argentina, Bolsonaro fez duras críticas a Alberto Fernández e Cristina Kirchner. Após a vitória da chapa esquerdista, o presidente tem evitado ter relações diplomáticas com o país argentino. Evitou ir à posse dos novos mandatários. Em seu lugar, foi o vice-presidente Hamilton Mourão.

Para Doria, a conduta de Bolsonaro representa 1 “movimento equivocado” do governo, considerando que a Argentina é 1 grande parceiro comercial do Brasil.

“O [movimento] de estigmatizar a Argentina por conta do novo governo que tomou posse da Argentina. É preciso separar política da questão econômica, misturar os 2 não é 1 bom caminho. A Argentina é 1 grande parceiro comercial do Brasil, parceiro comercial de São Paulo. Eu entendo que o governo federal deva reposicionar a sua decisão de se afastar do governo argentino pelo fato de ter sido eleito o atual presidente e a vice Cristina Kirchner. Eu, notoriamente, todos sabem que eu sou contra a esquerda, também não sou 1 agente da direita, mas entendo que uma coisa é política de diplomacia no campo institucional, outra é o campo da gestão econômica. No campo da gestão econômica, você não pode estabelecer limitações. Exceto aquelas de mais investimentos no Brasil, mais empregos”, defende.

VOTO EM BOLSONARO: ‘CONTRA O PT’

Apesar de ter manifestado apoio a Jair Bolsonaro no 2º turno das eleições presidenciais de 2018, Doria afirma que seu posicionamento, na verdade, foi contra o PT.

“Meu voto foi 1 voto convicto, não foi 1 voto em dúvida. Primeiro eu votei contra o PT, como milhões de brasileiros votaram também naquela eleição presidencial. Eu não voto nulo e também não voto branco. Jamais votei e espero jamais ter que viver a circunstância de votar branco ou nulo. Então foi 1 voto naquele momento contra o PT e, nessas circunstâncias, não tenho arrependimento do voto que fiz”, diz.

Indagado sobre a possibilidade de 1 novo apoio a Bolsonaro em 2022, o governador defende que “toda eleição é uma eleição” e, diante disso, a sua reação “não seria igual”.

João Doria evita falar sobre as eleições de 2022, mas afirma que não irá se candidatar à reeleiçãoSérgio Lima/Poder360 – 5.fev.2020

2022: ‘É CEDO AINDA’

O tucano evitou falar sobre a possibilidade de vir a disputar a eleição presidencial de 2022 e diz estar focado na gestão de São Paulo. Segundo ele, o Estado produziu 2,6% de crescimento de PIB (Produto Interno Bruto) e criou mais 340 mil empregos, 40% dos novos empregos criados no Brasil.

“Não é 1 tema para ser debatido agora, todos os governadores, onde eu me incluo, e acho que o próprio presidente Jair Bolsonaro, nós devemos estar focados em gestão e administração, para isso fomos eleitos”, defende.

“A população espera de seus governantes boa gestão. Eficiência, foco. É o que eu tenho feito em São Paulo, 1º montamos 1 bom time de secretários, inclusive, 6 ministros de Estado do governo Temer, experientes, competentes, transparentes, com uma boa trajetória de vida”, completa.

Sobre a possível retomada de uma polarização entre Bolsonaro e o PT, Doria se absteve de se posicionar.

“Não dá [pra dizer que vai se repetir], a mudança é muito rápida. O mundo digital influi de uma maneira muito expressiva na conduta do eleitor e temos muitos fatos ainda pela frente para fazer uma afirmativa dessa natureza. Nem o mais preciso analista seria capaz de cravar: ‘Olha a eleição vai ser exatamente uma repetição do comportamento de 2018, com duas tendências, uma de extrema direita e outra de esquerda. É cedo ainda para fazer essa análise”, afirma.

HUCK: ‘TEM DIREITO DE SE CANDIDATAR’

Indagado sobre a possibilidade de o apresentador Luciano Huck vir a disputar as eleições presidenciais em 2022, Doria afirma que ele “tem todo o direito”. Entretanto, evitou opinar se o apresentador seria 1 bom nome.

“Eu gosto do Luciano, todos sabem disso, nós somos amigos há mais de 30 anos. Temos uma relação próxima, afetiva e bom diálogo. Ele tem todo o direito, se essa for a sua intenção, mais adiante, manifestamente. Ele tem todo o direito”, afirma.

Além de apresentador de 1 programa da TV Globo, Luciano Huck é integrante do movimento Agora e 1 dos fundadores do RenovaBR–ambos defendem a renovação política e de políticas públicas. O apresentador tem sido visto como 1 representante do pensamento liberal econômico com defesa do fim da desigualdade social. No Fórum Econômico Mundial, em Davos, chegou a ser chamado de “próximo presidente do Brasil”.

VOTO DISTRITAL E FIM DA REELEIÇÃO

Na entrevista, o governador de São Paulo se manifestou contrário à reeleição e a favor do voto distrital misto e de mandato de 5 anos para eleições gerais.

“Pessoalmente eu sou favorável a eleições gerais e 5 anos de mandato, sem reeleição. Isso é o Brasil moderno. [Precisa de] Uma reforma política que pode colocar o Brasil… Não paralisando o país a cada 2 anos, com uma sangria de dinheiro nos Tribunais Regionais Eleitorais, uma paralisação na gestão, uma dificuldade no cidadão que gostaria de ver as eficiências de gestão comprovadas ao longo de 1 período e não interrompidas a cada 2 anos. Eu espero ainda que o Brasil, numa reforma política, possa adotar o fim da reeleição, o voto distrital misto e uma eleição a cada 5 anos, eleições gerais”, defende.

QUER SE REELEGER? ‘EM HIPÓTESE NENHUMA’

Considerando seu posicionamento, Doria diz que não deve se candidatar à reeleição para do governo paulista. Para ele, nenhum governo seja federal ou estadual, deu certo em seu 2º ano de mandato.

“Defini que eu não disputo reeleição, já não disputaria na prefeitura, não vou disputar no governo do Estado. Não vou disputar reeleição, em hipótese nenhuma. Eu sou contra. Eu não acho 1 procedimento adequado no ponto de vista de gestão. Não estou dizendo que ele é antidemocrático, ele não é antidemocrático, aliás ele é constitucional neste momento”, diz.

“Qual é o governo que em um 2º mandato foi melhor do que no 1º? Não há nenhum governo, nem no plano federal e nem no plano estadual”, afirma.

A possibilidade de reeleição para cargos do Executivo foi estabelecida em 1997, no governo do presidente Fernando Henrique Cardoso, por meio da aprovação da Emenda Constitucional 16. O tucano foi reeleito.

Apesar de ser contra a medida, Doria afirma que, naquele momento, as posições de seu partido foram corretas.

“Eu não sou capaz de avaliar naquele momento e circunstâncias o governo Fernando Henrique Cardoso, nem contestar as suas colocações, que aliás são corretas e históricas, mas eu pessoalmente sou contra”, diz.

PSDB: ‘NUNCA DEIXAREI O PARTIDO’

Filiado ao PSDB desde 2001, Doria afirma que em “hipótese nenhuma” deixará a legenda. “Eu só tive 1 partido e só terei 1 partido”, afirma.

“Aliás, isso já foi alentado quando quase me foi negado o direito de disputar primeiro a prefeitura de São Paulo. E recebi o convite de 8 partidos que desejavam que eu disputasse para a prefeitura em 2016. Eu disse: ‘Não. Se eu tiver que disputar, vou disputar pelo PSDB’. Tive que enfrentar as prévias. Venci as prévias. Disputei, vencemos no 1º turno, depois tive que me desligar da condição de prefeito para disputar o governo de São Paulo para que o PSDB não tivesse como representante 1 agente de 1 partido socialista fora do PSDB, o então governador, Márcio França. Disputei as prévias novamente, venci. Disputei as eleições, venci. Democracia é isso, é saber enfrentar e saber disputar”, declara.

AÉCIO NEVES: ‘DANO DE IMAGEM’

Para o tucano, o deputado federal Aécio Neves (PSDB-MG) prejudicou a imagem do PSDB quando, sendo réu por corrupção passiva e obstrução de Justiça, recusou-se a se licenciar do partido. A Executiva Nacional da sigla chegou a analisar pedidos de expulsão do deputado, mas, por ampla maioria, todos foram arquivados.

“Sob certo aspecto [prejudicou a imagem do partido]. Eu me excluo desse aspecto porque eu sempre defendi que Aécio Neves se licenciasse do PSDB. Venci duas eleições mesmo com Aécio Neves e venceremos outras também, ainda que com esse fardo, com esse peso”, afirma Doria.

Para o governador de São Paulo, Aécio Neves deveria aguardar as investigações e o julgamento de seu caso na Lava Jato afastado do partido. Entretanto, afirma que há 1 juízo final sobre o político, que é a queda de sua representatividade diante da população

“Eu considero 1 erro para alguém que disputou a Presidência da República, foi presidente do PSDB, não tenha tido a grandeza de licenciar-se acreditando na sua inocência e na Justiça. Para, depois de decisão do juízo e garantido a sua inocência, voltar ao PSDB. Já que não teve [a grandeza], a sua força e a sua representatividade gradualmente vão diminuir. Por isso que quem faz a força é a população. A democracia é bonita por isso, porque quem faz o juízo final não somos nós que estamos na política, são os eleitores”, defende.

Para melhorar a imagem do partido, Doria defende a renovação política, principalmente com a participação de jovens e mulheres.

2020: ‘SÓ HÁ O PLANO BRUNO COVAS’

O governador de São Paulo afirma que para a disputa à prefeitura de São Paulo em 2020 o PSDB só tem 1 nome: Bruno Covas, candidato à reeleição. “Não há plano B, aliás há o plano Bruno. E do ponto de vista da composição de quem poderá integrar a sua chapa como vice, ainda temos algum tempo pela frente para discutir isso”, diz.

“O Bruno, a meu ver, tem toda a condição de ser reeleito prefeito de São Paulo. É jovem, competente, determinado. De boa índole, com boa estrutura pessoal e está fazendo uma boa gestão”.

Doria declara ainda que gostaria de ver Joice Hasselmann, hoje deputada federal pelo PSL-SP, como vice do tucano na disputa municipal. No entanto, ela já anunciou sua candidatura à prefeitura.

“Reafirmo minha amizade pela Joice Hasselmann. É uma amizade que nasceu antes da política, está na política, e perdurará. Nós somos muito amigos e temos uma relação muito boa e respeitosa. Eu desejaria que ela estivesse vindo para o PSDB e pudesse estar vindo como candidata a vice do Bruno. Seria uma composição bastante interessante. E essa circunstância é hoje absolutamente descartada. A Joice será candidata provavelmente pelo PSL, partido no qual ela é filiada, assim como todos os demais candidatos, com o direito”, diz.

Indagado sobre o fim das coligações para Câmaras Municipais em 2020, o governador de São Paulo diz que uma consequência da medida é que ela aumenta o número de candidatos. No entanto, diz considerar o processo “democrático”. Para ele, no futuro, a medida também pode resultar na redução do número de partidos políticos.

Em relação a propostas que visam a reduzir o número de deputados e senadores apresentadas no Congresso Nacional, Doria afirma que as considera “difíceis de ser implementadas”.

João Doria diz que o investimento público em infraestrutura vai ser reduzido no Estado de São Paulo Sérgio Lima/Poder360 – 5.fev.2020

DINHEIRO PÚBLICO EM OBRAS: ‘VAI DIMINUIR’

Em 2019, o investimento público em São Paulo foi o menor nos últimos 10 anos em decorrência da redução de linhas de crédito recebidas pelo Estado e da diminuição no ritmo de obras e dos cortes de gastos que foram feitos em várias esferas do poder público, segundo informou o secretário da Fazenda do Estado, Henrique Meirelles, ao site Seu Dinheiro.

Doria afirma que a redução de investimentos públicos em São Paulo é resultado de sua política liberal. Segundo ele, a tendência é reduzir mais, principalmente na área de infraestrutura. A intenção é incentivar privatizações, PPPs (Parcerias Público-Privadas) e concessões públicas.

“A política liberal é menos Estado e mais [dinheiro] privado, menos governo e mais privado. Não esperem investimentos maiores em infraestrutura no Estado de São Paulo, que são os investimentos mais robustos. Esperem, sim, mais investimentos, como fizemos, em saúde, educação, segurança pública, assistência social e habilitação popular, esses são os investimentos prioritários de governo. É isso que 1 governo liberal deve claramente nortear uma política de governo. Incentivar privatizações, parcerias público-privadas, as chamadas PPPs, e concessões”, diz.

Além disso, o tucano disse que o Estado tem sido alvo de investidores. Em Davos, no Fórum Econômico Mundial, 6 empresas anunciaram, em conjunto, R$ 17,2 bilhões em investimentos em São Paulo para o período 2020-2022 em áreas como infraestrutura, logística, geração de energia, celulose, alimentação e bens de consumo. As empresas são: a asiática Bracell; as europeias Nell Energia, Enel e Acciona; e as norte-americanas Procter & Gamble e PepsiCo.

“São Paulo foi muito bem recebida pelos investidores em Davos. Nós estivemos lá em janeiro do ano passado. Repetimos agora a convite do Fórum Mundial Econômico. Você sabe que você não pode ir ao Fórum, você é convidado. E como nós performamos bem em 2019 tanto no tema ambiental, quanto no tema econômico, graças à boa política que adotamos sob liderança de Henrique Meirelles, nós conseguimos ampliar ainda mais os investimentos. E lá os CEOs das companhias anunciaram R$ 17,2 bilhões em investimentos em São Paulo para o período 2020-2022. E consolidamos R$ 102 bilhões de investimentos realizados em São Paulo. Foi isso que ativou a economia de São Paulo”, diz.

TAMOIOS: OBRA TERMINA ATÉ 2022

Inaugurada em 1957, a Rodovia dos Tamoios (SP-99), principal ligação da cidade de São Paulo ao litoral norte do Estado, está em obra para a duplicação da pista há anos. Em 2015, passou a ser administrada pela Concessionária Tamoios, do grupo Queiroz Galvão.

Indagado sobre a rodovia, o governador do Estado paulista afirmou que as obras estão em curso.

“Mas está há muito tempo”, rebateu Fernando Rodrigues.

“Bem, eu não posso responder pelo passado, eu respondo pelo presente e pelos próximos 3 anos como governador. Eu não posso responder pelo passado, pelos governadores que já exerceram o seu mandato. No nosso mandato, a obra será concluída”, afirmou, desconsiderando que os governos passados foram do PSDB, com Geraldo Alckmin (2001-2006 e 2011-2018) e José Serra (2007-2010).

Segundo o tucano, a construção da Rodovia Tamoios é “difícil” e o prazo de conclusão das obras será dentro de seu mandato, até o fim de 2021. “Há 1 porém que é importante ser colocado que é a questão das intempéries. É região com muita incidência de chuvas, com muitas encostas. Exige 1 grau de engenharia de alta precisão, em alguns momentos tivemos que interromper, inclusive, o fluxo dessa rodovia pelo fato que sobre a intensidade de chuvas nós não temos controle. Esse é 1 ponto que pode determinar uma exceção do ponto de vista do cumprimento do prazo”, pontuou.

Doria disse ainda que o Rodoanel também deverá ser concluído em seu mandato. A previsão é de que as obras, paralisadas desde 2018, sejam retomadas em junho.

“Há outras obras também que foram paralisadas no plano do metroviário em São Paulo. Todas elas [serão retomadas], algumas já foram retomadas. Até junho também, todas as demais obras do metrô que estavam paralisadas, inclusive o monotrilho, serão reiniciadas”, afirmou.

PRESÍDIOS PRIVADOS: ‘4 NO 1º SEMESTRE’

O tucano afirma que haverá a apresentação de 4 presídios para a concessão no 1º semestre 2020. Segundo ele, a autorização da Justiça já foi determinada.

“Estamos implementando, com a autorização da Justiça. Os países civilizados não estão recuando, estão ampliando esses programas, aperfeiçoando. Os Estados Unidos são exemplo disso, a Inglaterra, por exemplo. O nosso secretário da Administração Penitenciária foi conhecer experiências bem-sucedidas na Inglaterra e nos Estados Unidos, como também na Alemanha, para implantação de presídios em concessão, ou seja, presídios administrados pelo setor privado, com sistema de controle policial dentro da atmosfera da Secretaria de Segurança Pública, com mais eficiência, melhores resultados e custos inferiores para o contribuintes”, diz.

Segundo Doria, essa será mais uma medida para que a política de segurança pública de São Paulo continue “exitosa”.

“A orientação para a Polícia de São Paulo é prender. Não é facilitar a vida de bandido, nem bandidinho, nem bandidão. A Polícia de São Paulo é orientada, evidentemente seguindo os protocolos, a dificultar a vida do crime e prender aquele que comete o crime”, afirma.

CORONAVÍRUS: ‘SP ESTÁ PREPARADO’

Doria também afirmou que os hospitais de São Paulo estão preparados para caso haja 1 surto de coronavírus no Estado.

“Está preparado sim, o secretário de Saúde do Estado junto com o ministro Mandetta, o ministro da Saúde, preparam 1 programa de contingenciamento. Preparo orientação para os hospitais públicos estaduais e também os hospitais públicos dos municípios”, diz.

“Mas eu confio que o problema do coronavírus está encaminhando mais para o controle do para o descontrole no âmbito do seu epicentro”, diz.

O novo coronavírus, batizado provisoriamente de 2019-nCoV pela OMS (Organização Mundial da Saúde), ainda está sendo estudado. O primeiro alerta para a doença foi emitido pela OMS em 31 de dezembro de 2019, após autoridades chinesas notificarem casos de uma misteriosa pneumonia na cidade de Wuhan. Mais de 51.000 pessoas já foram infectadas. O contágio atingiu pessoas de ao menos 26 países. No Brasil, ainda há 3 casos suspeitos.

5G E CHINA: ‘COM REGRAS, TUDO BEM’

Os Estados Unidos restringem a entrada do capital chinês no país na tecnologia das comunicações mais moderna de celulares, a 5G. Indagado sobre o posicionamento norte-americano, Doria defende que, no Brasil, caso haja 1 marco regulatório com regras bem definidas “não há problema nenhum”.

Sobre a posição americana, eu prefiro não comentar. Esse é 1 tema americano e não brasileiro. Aqui é o Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, com o Marcos Pontes. Estão estudando o assunto e prometem estabelecer a decisão sobre o 5G no início do próximo ano, de 2021”, diz.

“Eu acredito que com marcos regulatórios corretos, bem definidos, não há nenhum problema da entrada de capital dos chineses, através da Huawei, desde que isso esteja bem configurado e dentro de programas de marcos regulatórios e da agência reguladora para potencializar esse investimento sem colocar nenhum risco ao Brasil”, afirma.

O leilão da tecnologia 5G no Brasil está em discussão. Em 6 de fevereiro, o conselho da Anatel (Agência Nacional de Telecomunicações) aprovou a proposta de edital para o leilão da tecnologia. O edital está sendo submetido a consulta pública e haverá mais uma votação antes de ser publicado.

No leilão, serão ofertadas quatro faixas de frequência: 700 MHz; 2,3 GHz; 26 GHz; e 3,5 GHz. As faixas de frequências são espectros usados para a oferta de telefonia celular e de TV por assinatura. Depois de implementada, a 5ª geração de telefonia móvel pode permitir que a conexão da internet sem fio até 10 vezes mais rápida que a do 4G.

SABESP: SERÁ PRIVATIZADA

Doria afirma que se o projeto que trata sobre o novo marco regulatório do saneamento for aprovado no Senado Federal nos moldes de como passou na Câmara do Deputados, em dezembro de 2019, a Sabesp (Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo) será privatizada.

“Tendo nascido de 1 processo onde a atuação do senador Tasso Jereissati (PSDB-CE) foi brilhante, competente e tecnicamente impecável. Sim, não só a Sabesp, como outras empresas de saneamento dos Estados”, afirma.

A intenção do Executivo é aprovar o texto até março, mesmo que sejam feitas alterações no Senado. No entanto, o governador de São Paulo evitou falar em prazos da privatização.

“Ela é uma empresa de capital aberto, cotada em bolsa. É preciso ter muito cuidado com as afirmações de prazos e valores porque ela tem ações em bolsa, não só na bolsa brasileira, na B3, como também na Bolsa de Nova York. Sendo eu governador, e o Estado sendo majoritário nisso, não é prudente afirmações desse tipo. Não há problema em dizer que ela vai sim ser privatizada”, diz.

Além da companhia de saneamento, o tucano diz que haverá outras privatizações no Estado.

“No sistema rodoviário teremos novas concessões, seguindo o exemplo da Pipa, que foi a maior concessão rodoviária já feita no país e que representou 1 leilão de sucesso em janeiro deste ano. Teremos novas rodovias”, declara.

“O sistema metroviário terá anúncios, eu diria, bastante robustos de investimentos internacionais. E duas ferrovias, em uma ação conjunta do governo federal com o governo estadual. As linhas intercidades, que vão ligar Santos e São Paulo até São José dos Campos e São Paulo até a região metropolitana de Campinas e Americanas. Serão 2 leilões importantes que, até o final do ano, se tudo estiver ocorrendo bem, elas serão anúncios bastante robustos”, afirma.

Doria não soube antecipar a receita das privatizações, mas estima que o Estado poderá ter ao longo dos próximos 3 anos até R$ 55 bilhões de novos investimentos garantidos dentro de programas que visam a venda e concessões das estatais. “Eu diria até que essa é uma visão realista, não é nem otimista, é realista”, declara.

O governador do Estado paulista afirma que pretende atrair investimentos espanhóis, alemães, japoneses e chineses.

Sobre a extensão das linhas do metrô do Estado, o tucano afirmou que não haverá obras paradas. No ano passado, 15 estações foram inauguradas. “As obras serão reiniciadas agora no ano de 2020 e concluídas entre 2022 e 2023. Ela vai sendo concluída por etapas, por estação”, diz.

TREM DENTRO DE GUARULHOS: ‘ATÉ 2021’

Doria anuncia que governo federal e o governo de São Paulo, em parceria com a concessionária GRU Airport, vão dar início à criação de 1 monotrilho leve para ligar os 3 terminais do Aeroporto Internacional de Guarulhos. Segundo ele, até o final de 2021 ou início de 2022 os terminais deverão estar interligados.

“Vamos suprir uma deficiência lamentável que é o fato de termos os 3 terminais de Guarulhos não interligados com a CPTM [Companhia Paulista de Trens Metropolitanos]. Você precisa sair do terminal, pegar 1 ônibus, descer do ônibus, subir uma escada para pegar”, diz.

Atualmente, há uma linha de trem que leva passageiros apenas até perto do aeroporto, sem uma acessibilidade efetiva. Foi inaugurada no governo de Geraldo Alckmin (PSDB).

Indagado sobre o modelo desenvolvido no governo tucano, Doria culpou a gestão do PT que, segundo ele, era pouco “republicana”.

“Foram circunstâncias do passado, de engenharia, de recursos da ordem do governo. Lembra-se que o governo do PT, durante 13 anos, teve uma função não exatamente republicana ao cumprir as suas funções no governo federal e isso determinou que a obra não pudesse seguir onde deveria estar, que é no Aeroporto Internacional de Guarulhos através de seus terminais 1, 2 e 3. Nós vamos corrigir. Já estamos corrigindo”, diz.

“Está jogando a responsabilidade para o PT neste caso, é isso?”, questiona Fernando Rodrigues.

“Não estou jogando nem pro PT, nem contra o PT. Eu não sou comentarista do passado, eu fui eleito para ser 1 governador do presente e garantir 1 futuro melhor para os brasileiros de São Paulo. É isso que estamos fazendo”, respondeu.

COTA NA USP: CONTRA, EXCETO PARA DEFICIENTES

Doria afirma ser contra o sistema de cotas da USP (Universidade de São Paulo) para estudantes de escolas públicas e para negros, pardos e indígenas. “Mas respeito as decisões que são adotadas e são respaldadas legalmente. Mas eu sou contra cotas. Eu entendo que o programa de cotas é 1 atraso em 1 país que deve dar direito a todos e não é preciso estabelecer cotas para esse segmento”, defende.

“As pessoas com deficiências, nesse caso, eu entendo que devam ter 1 campo de proteção e atendimento”, defende.

MENSALIDADE EM ESCOLAS PÚBLICAS: BOM DEBATE

Sem se posicionar com clareza, o governador de São Paulo afirma é positivo o debate sobre a possibilidade do pagamento de mensalidade em escolas públicas por parte de estudantes que tenham condições de pagar pela educação

“Esse é 1 tema que pode merecer estudos e análises. É 1 debate interessante para ser implementado. Há uma decisão a respeito, mas o debate, a meu ver, ele é positivo, é saudável”, diz.

MACONHA NO BRASIL: ‘PODE VIR PARA O MAL’

Sobre a liberação do uso da maconha e da comercialização para fins recreativos ou medicinal, Doria afirma ser “absolutamente contra”.

“A decisão atual que defende o uso medicinal da maconha está funcionando bem e atende à necessidade, até onde sei, daqueles que podem ser beneficiados pelo uso medicinal. Para efeito recreativo, eu sou absolutamente contra”, diz.

Mesmo considerando o lucro bilionário do mercado da venda da maconha para fim medicinal, o governador de São Paulo é taxativo: “O plantio da maconha, do ponto de vista de controle, envolve riscos claros de 1 uso inadequado, de facções criminosas tomando conta desse processo. E, ao invés de produzir para o bem, pode produzir para o mal.”

FORD NO ABC: ‘CHINA VEM COM FORÇA’

Doria afirma que seu governo tem incentivado a compra da fábrica da Ford em São Bernardo do Campo, no ABC Paulista, por 1 investidor internacional. “Os chineses virão com força nesses próximos 2 anos na indústria automobilística em São Paulo”, diz o governador.

Em janeiro, o grupo brasileiro Caoa desistiu da compra depois da mudança do comando do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social), que voltou atrás a respeito do financiamento da fábrica.

CHINA: MAIOR PARCEIRA COMERCIAL

Segundo Doria, a China é o maior parceiro comercial do Estado de São Paulo. Em agosto de 2019, o governo paulista abriu 1 escritório no território chinês e, hoje, tem programado R$ 24,8 bilhões em investimento para receber do país asiático até 2022.

[Os investimentos] serão em infraestrutura, principalmente, R$ 20 bilhões desses R$ 24,8 bilhões serão em infraestrutura: rodovias, ferrovias, hidrovias, o Porto de São Sebastião, os aeroportos regionais e saneamento também. Essas são as prioridades”, diz. “Os outros R$ 4,8 bilhões serão para o setor industrial, serviços… A Alibaba virá com investimentos robustos para ampliação de sua participação no chamado comércio virtual, com centros de distribuição.”

A China é e será cada vez mais 1 grande investidor no Estado de São Paulo. Isso não tira o mérito nem a importância dos Estados Unidos”, defende.

ROTINA: DORME 4 HORAS POR NOITE

Seguindo uma rotina de muito trabalho, Doria diz que há mais de 30 anos dorme em torno de 4 horas por noite.

Indagado sobre se o hábito faz mal para a sua saúde, o governador responde: “Até agora não fez. Eu estou com 62 anos, com uma disposição bastante grande. Faço ginástica, me alimento bem, sou 1 entusiasta daquilo que faço. Você sabe que eu não recebo salário, eu doo meus salários para instituições do 3º setor. Vivo com saúde e vivo bem”.

QUEM É JOÃO DORIA

João Agripino da Costa Doria Junior, 62 anos, é 1 empresário, jornalista, publicitário e 1 político filiado ao PSDB. Tornou-se conhecido por ser entrevistador em talk-shows, palestrante e organizador de eventos empresariais. É criador e presidente licenciado do Grupo Doria.

Já foi prefeito de São Paulo de 2017 a abril de 2018, quando se licenciou para disputar o governo paulista. Foi eleito ao governo de São Paulo, em 2º turno, com 10.990.160 votos, o que corresponde a 51,75% dos votos válidos.

O governador de São Paulo, João Doria, no estúdio de gravação do programa Poder em Foco, uma parceria editorial do Poder360 com o SBT Sérgio Lima/Poder360 – 5.fev.2020

PODER EM FOCO

O programa semanal, exibido aos domingos, sempre no fim da noite, é uma parceria editorial entre SBT e Poder360. O quadro reestreou em 6 de outubro, em novo cenário, produzido e exibido diretamente dos estúdios do SBT em Brasília.

Além da transmissão nacional em TV aberta, a atração pode ser vista nas plataformas digitais do SBT Online e no canal do YouTube do Poder360.

Eis os outros entrevistados pelo programa até agora, por ordem cronológica:

ver Blog do Fernando Rodrigues
#aécio neves
#usp
#presídios
#universidades
#icms
#cotas
#joão doria
#sabesp
#maurício macri
#reforma tributária
#baleia rossi
#cpmf
#gru airport
#bruno covas
#voto distrital
#ricardo salles
#congresso nacional
#joice hasselmann
#infraestrutura
#privatização
#paulo guedes
#psdb
#cristina kirchner
#argentina
#ford
#eleições
#jair bolsonaro
#davos
#fórum econômico mundial
#reforma da previdência
#china
#luciano huck
#maconha
#companhia de saneamento básico do estado de são paulo
#alberto fernández
#iva dual
#poder em foco
#coronavírus
#imposto sobre valor agregado dual
#rodovia dos tamoios