Toffoli pede manifestação da PGR sobre caso Flavio Bolsonaro

Facebook
VKontakte
share_fav

O presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), ministro Dias Toffoli, requisitou parecer da PGR (Procuradoria Geral da República) sobre a suspensão das investigações contra o senador Flavio Bolsonaro (sem partido-RJ). As informações são do jornal O Estado de São Paulo.

O pedido foi realizado no sábado (18.jan.2020), último dia de trabalho de Toffoli enquanto plantonista do STF. O vice-presiidente da Corte, ministro Luiz Fux, assume o plantão a partir deste domingo (19.jan).


Fux poderá aguardar ou não a manifestação da PGR para decidir se Flavio Bolsonaro continuará sendo investigado por suposto esquema de ‘rachadinhas’ em seu antigo gabinete na Alerj (Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro). Em janeiro do ano passado, o ministro já havia suspendido provisoriamente as investigações, bem como Toffoli.

Caso o ministro de plantão não emita 1 parecer até o fim do recesso (31 de janeiro), a decisão voltará para Gilmar Mendes, ministro relator do processo.

Relembre o caso

O pedido mais recente para paralisar as investigações aconteceu no dia seguinte ao cumprimento de mandado de busca e apreensão em endereços ligados a Flavio Bolsonaro e ao seu ex-assessor Fabrício Queiroz. Em 18 de dezembro, o Ministério Público do Rio vasculhou uma loja de chocolates da qual o senador é sócio em busca de provas, inclusive, contra pessoas relacionadas ao congressista.

Tanto ele quanto Queiroz são suspeitos de lavagem de dinheiro e peculato (desvio de dinheiro público) no âmbito do antigo gabinete de Flavio, quando era deputado estadual na Assembleia Legislativa do Rio (2003 a 2019).

Queiroz apresentou a movimentação de R$ 1,2 milhão de 2016 a 2017 em suas contas. Os pagamentos foram recebidos em datas próximas da folha de pagamento dos funcionários do gabinete, o que leva a suspeita de devolução de parte do salário –a chamada rachadinha.

ver Blog do Fernando Rodrigues
#dias toffoli
#luiz fux
#toffoli
#flávio bolsonaro
#gilmar mendes
#justiça
#stf
#fabrício queiroz
#caso queiroz
#rachadinha
#rachadinhas
#rachadinhas na alerj