Wajngarten diz que deixou empresas antes de assumir cargo na Presidência

Facebook
VKontakte
share_fav

O chefe da Secom (Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República), Fabio Wajngarten, fez pronunciamento nesta 4ª feira (15.jan.2020) para rebater reportagem do jornal Folha de S.Paulo sobre suposta relação de duas empresas das quais ele é sócio com emissoras de TV e agências de publicidade contratadas pela própria secretaria.

A prática atribuída pelo jornal a Wajngarten é proibida pela legislação. De acordo com as normas, integrantes do governo não podem manter relação com empresas que possam ser afetadas por suas decisões, pois isso gera 1 conflito de interesses.


Em seu discurso, o secretário relatou sua trajetória profissional na área de comunicação e marketing e negou qualquer irregularidade na atuação de suas empresas.

“À época da minha nomeação, foi orientado e foi ordenado que eu saísse do quadro da gestão da FW Comunicação. Atitude esta imediatamente cumprida e vistoriada pela SAJ [Subsecretaria de Assuntos Jurídicos da Presidência] e pela Comissão de Ética”, afirmou.

“Eu não estou aqui para fazer negócios. Estou aqui para transformar a comunicação da Presidência da República com a maior ética possível, com a maior transparência possível, com a maior modernidade possível”, pontou.

Eis o vídeo do posicionamento do secretário (12min51seg):

Eis a íntegra do pronunciamento de Wajngarten:

“Boa tarde a todos. Eu sou Fabio Wajngarten, da Secom. Estou aqui para contar a minha história a vocês. Quem sou eu, como cheguei aqui, porque estou aqui e para esclarecer uma matéria fantasiosa que surgiu no dia de hoje. Tenho 44 anos, sou advogado, casado, pós-graduado em marketing.

Em 1999, já como advogado, a pedido do presidente do Grupo Silvio Santos, ele queria que eu gravasse as propagandas que fossem veiculadas em uma concorrente emissora do SBT. Assim nascia uma empresa chamada Controle da Concorrência, que nada mais faz do que auditar propagandas em televisão. Eu comprei 1 videocassete, 1 caderno e, do meu quarto, gravava essa emissora de televisão. E alimentava o SBT de informações, de veiculações televisivas desde 99. Serviço esse inovador, pioneiro. Porque o então outro gigante instituto de pesquisa demorava dias e dias para dar a mesma informação.

O negócio deu certo, saí de dentro do meu quarto e fui para 1 escritório. Contra 1 programador, 2, 3, alguns e o meu serviço foi crescendo. Passei a figurar em congressos, passei a figurar em eventos nacionais e internacionais.

Inovei no relatório de merchandising em TV. Reporte esse inédito, até então. Não satisfeito, eu idealizei as nomenclaturas de merchandising em televisão: ação integrada, estímulo visual e o famoso testemunhal. Relatório esse que foi copiado pelo instituto mesmo concorrente de A a Z e usa as nomenclaturas até hoje, que foram criadas por mim.

A empresa veio crescendo, veio tendo mais êxito, e eu passei a atender o mercado publicitário inteiro. Quem é o mercado publicitário? agências, anunciantes, veículos e outros institutos de pesquisa que comprovam minha base de dados.

Em 2010-2011, a companhia continuava evoluindo e a gente inventou o relatório de celebridades em propagandas, que o [cantor] Zezé di Camargo era recordista de participação em campanhas publicitárias. Que a gente separou por esportistas, a gente separava por celebridades, por cantores, por qualquer critério, relatório esse também copiado pela concorrência. Faz parte do jogo copiar, mas copie de forma limpa.

Em 2012, por conta do desenvolvimento da empresa, eu resolvi virar o mundo inteiro para ver quem poderia inovar na medição de audiência de televisão. Medição essa notoriamente monopolizada por uma única companhia. Varri o mundo. Fui à França tentar uma empresa francesa e depois fui parar em Nuremberg, onde, fazendo uma história curta, a gente finalizou, depois 1 ano e meio de tratativas, a vinda do instituto alemão para concorrer com o então monopolista na medição de audiência de televisão. Medição mais moderna, acurada, mais condizente com a realidade.

A iniciativa de trazer o instituto alemão causou muitas consequências no mercado. Ela mostrou que era possível e que era necessário inovar no mercado de pesquisa de mídia. E isso vocês podem consultar em qualquer 1 dos players do mercado de comunicação.

Em 2017, o então candidato, deputado, que conheci e fiquei apaixonado por ele pelo discurso da ética, pela humildade, pela sinceridade, passei a conviver com ele. Trabalhei de forma voluntária para elegê-lo. Por uma razão do destino, ao contrário do que muitos disseram, eu não estava aqui logo no 1º momento da formação do governo por ‘N’ razões que vocês podem suspeitar. Mas voltei a ter contato com o já eleito presidente. E eu só tive a honra de participar de 1 processo eleitoral presidencial por causa da minha competência profissional. Não estou entrando no mérito se é boa ou se não é. Eu sempre tive coragem de peitar e de encarar grandes grupos monopolistas. Nunca me conformei com status quo de nada.

Vamos à minha nomeação. Em abril, fui convidado a assumir a Secom em 1 processo turbulento onde o ministro que estava na pasta não via a comunicação com bons olhos. Passei por entrevistas vexatórias com pessoas que não entendiam nada de comunicação. Já dentro aqui do Palácio e mesmo assim permaneci firme e forte por causa da minha lealdade ao presidente Bolsonaro.

Quando da nomeação, nunca tinha exercido, não tenho pretensões políticas, larguei minha esposa, minhas 3 filhas em São Paulo, para vir morar em 1 hotel em Brasília. Não sabia como funciona o processo de nomeação, fui orientado pela SAJ [Secretaria de Assuntos Jurídicos], pela AGU [Advocacia Geral da União], pela CGU [Controladoria Geral da União], por todos o órgãos competentes. Até demorou muito porque eu precisava me descompatibilizar, sair de duas empresas das quais eu consto do quadro de seus CNJPs.

Sendo elas, FW Comunicação e Marketing, que é a proprietária do controle da concorrência cuja marca fantasia pertence a mim, empresa essa fundada em 1999-2000 e emite notas fiscais continuamente ao mercado publicitário com os quais compro serviços. E uma outra empresa chamada Wanjtadad intermediações e negócios, criada em 2014, emitiu uma única nota fiscal em 2014. E, conforme, apuração da Receita Federal, em 2015 a empresa não emitiu nenhuma nota, em 2016 não emitiu nenhuma nota, em 2017 não emitiu nenhuma nota, em 2018 não emitiu nenhuma nota, em 2019 não emitiu nenhuma nota. Ela até foi mudada no regime fiscal para se tornar menos custosa, onerosa pra mim.

Com relação à FW, ela foi objeto de consulta do jornalista Fábio Fabrini, da Folha, há 3 semanas eu estou ciente e nem por isso eu fui no meu Twitter berrar, nem por isso me acovardei. A minha certeza da transparência, a minha certeza de nada estar errado fez com que eu esperasse a matéria.

E respondi a ele ontem. Há 3 semanas ele vem consultando o mercado publicitário. Ele endereçou a todas emissoras de televisão, ele endereçou a maioria das agências de publicidade.

Eu mandei responder a verdade com quem fosse cliente. Mesmo assim ele continua duvidando da resposta dos clientes. Ele consultou o SBT. Mesmo tendo sido negado pelo próprio SBT.

Não entendo onde ele quer chegar. Mas tudo bem. Segue o jogo. Eu não tenho absolutamente nada a esconder. À época da minha nomeação, foi orientado e foi ordenado que eu saísse do quadro da gestão da FW Comunicação.

Atitude esta imediatamente cumprida e vistoriada pela SAJ e pela Comissão de Ética. Muito me surpreende esse escândalo agora por conta disso. É realmente absurda esse tipo de matéria. Eu não estou aqui para fazer negócios. Estou aqui para transformar a comunicação da Presidência da República com a maior ética possível, com a maior transparência possível, com a maior modernidade possível.

Ouvir de 1 fornecedor na 2ª feira, de mídia exterior, ele dizendo que os mídias dele, desta empresa, não acreditam como na Secom não tem corrupção. Que nunca teve uma Secom como essa. Não fazendo juízo de valor a nenhum anterior aqui.

Agora, tenham certeza: eu vou continuar com o apoio do ministro Ramos, com o apoio do presidente da República, enquanto eles me quiserem aqui, eu vou continuar enfrentando grupos monopolistas e poderosos. Eu vou continuar enfrentando grupos monopolistas e poderosos. Sem temer nada e sem recuar nada. Já atacaram minha honra, já atacaram minha religião, já atacaram minha esposa, já atacaram minhas filhas, já atacaram tudo.

Até minha filha com necessidades especiais tiveram a pachorra de dizer que o tratamento era pago por outra pessoa. Eles estão atacando a pessoa errada. Eu não temo nada. Nada. Zero. 100% da minha receita das empresas está a disposição de quem quiser.

Cem por cento do meu patrimônio é decorrente de trabalho de 21 anos das empresas que tenho lá em São Paulo. Eu estou aqui porque acredito na palavra do presidente, porque eu confio nele, porque eu estou encantado com o que eu estou vivendo aqui desde abril. Estejam certos que deixar uma esposa, uma criança com necessidades especiais de 8 anos e mais duas crianças pequenas não é fácil.

‘Papai, onde você está indo domingo à noite? Mas você vai de novo?’. Eles estão mexendo com a pessoa errada. Não é justo, não é correto, não é condizente com a relação humana. Eu não estou aqui nessa guerrinha A, B, C ou D. Eu não estou. Quando a comunicação tiver errada, eu vou dizer que está errada. Quando o Fábio estiver errado, eu pego minha malinha e vou embora. O que não é o caso.

Não foi nada justa a condução da matéria. Não foi nada equilibrada a matéria. Não foi nada imparcial a matéria. Nada. Mas também a matéria não caiu de paraquedas. A matéria tem nome e sobrenome. E se determinados grupos de comunicação ou institutos de pesquisa tinham em mim a tentativa de construção de uma ponte de diálogo, essa ponte foi explodida hoje. Fica aqui meu recado”.

ver Blog do Fernando Rodrigues
#reportagem
#pronunciamento
#folha de s paulo
#secom
#governo
#presidência da república
#fábio wajngarten
#fw comunicação e marketing
#secretaria de comunicação social da presidência da república