Mourão rebate suposição de Trump e nega ação para desvalorizar o real

Facebook
VKontakte
share_fav

O vice-presidente da República, Hamilton Mourão, disse nesta 2ª feira (2.dez.2019) que o Brasil não está desvalorizando artificialmente o real. A fala rebate suposição do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, segundo o qual Brasil e Argentina estariam adotando a prática. Trump anunciou nesta 2ª feira (2.dez.2019) o retorno das tarifas sobre o aço e o alumínio dos 2 vizinhos sul-americanos.

Mourão falou na abertura do 13º Construbusiness (Congresso Brasileiro da Construção Civil), em São Paulo (SP). No evento, realizado na sede da Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo), o vice afirmou que reações como a de Trump são oriundas da tensão do mercado internacional provocada pelo protagonismo do país nas relações comerciais com países como a China.

“Hoje mesmo tivemos, no começo da manhã, o presidente Trump dizendo que aumentará as tarifas do aço e do alumínio do Brasil e Argentina porque estamos desvalorizando artificialmente nossas moedas. Não é isso que está acontecendo. Isso é característica dessa tensão geopolítica que nós estamos vivendo, que gera protecionismo. É 1 movimento anticíclico em relação à globalização”, disse Mourão.

Segundo o vice, é preciso prestar atenção na China por conta da ampliada e diversificada presença política e econômica do gigante asiático. “A ascensão da China abriu oportunidades para países como o nosso, tanto dinamizando nossas exportações quanto no que se refere ao fomento do desenvolvimento científico, tecnológico e financiamento de infraestrutura”.

Liberalismo e empreendedorismo

Ao discursar para uma plateia de empresários da construção civil, Mourão declarou que o setor sempre foi 1 dos motores de desenvolvimento no Brasil tem papel fundamental na retomada do emprego e do crescimento da nossa economia.

“Acredito na proposta de fazermos uma transformação profunda da realidade brasileira e entre essas nossas metas está a construção de um novo ambiente de negócios no nosso país”, declarou o vice-presidente.

Mourão disse ainda que empreender no Brasil é 1 desafio e há dificuldades para operar em um ambiente de negócios burocrático, defasado e com baixo dinamismo econômico. “Por isso procurando colocar para todos que consideramos nossa missão principal retirar o peso do Estado das costas de quem investe, trabalha e produz. Por isso precisamos superar as diversas debilidades de gestões econômicas irresponsáveis que aconteceram no nosso país”, afirmou.

Por fim, Mourão disse que o projeto do Brasil é o de se transformar na mais próspera democracia liberal do Hemisfério Sul, o que está sendo feito por meio de uma ambiciosa agenda, cuja pauta não vem emitindo sinais de declínio ou esgotamento.

Segundo ele, em pouco mais de 300 dias de governo, os juros foram reduzidos ao menor patamar da história (5%), a taxa de inflação também é a menor desde 1998 e a geração de emprego já chegou a 850 mil postos de trabalho. Ele ainda elogiou a aprovação das mudanças na Previdência e ressaltou a necessidade das reformas admistrativa e tributária, além da privatização e concessão de empresas públicas.

“O copo está meio cheio e não meio vazio. Esperamos gerar outros 4 milhões de empregos nos próximos três anos”, afirmou Mourão, encerrando sua participação no evento.

Com informações da Agência Brasil

ver Blog do Fernando Rodrigues
#fiesp
#liberalismo
#aço
#dólar
#alumínio
#desvalorização
#real
#governo
#tarifas
#china
#economia
#internacional
#donald trump
#hamilton mourão