Porteiro mentiu ao citar Bolsonaro no caso Marielle, afirma MP-RJ

Facebook
VKontakte
share_fav

O porteiro que mencionou o nome do presidente Jair Bolsonaro em seu depoimento sobre o assassinato da vereadora Marielle Franco (Psol) mentiu. É o que afirmou a promotora Simone Sibilio, do MP-RJ (Ministério Público do Rio de Janeiro), em entrevista coletiva a jornalistas nesta 4ª feira (30.out.2019).

Reportagem do Jornal Nacional dessa 3ª feira (29.out.2019) revelou, com base no depoimento do porteiro do condomínio onde o presidente tem casa no Rio, que o ex-policial militar Élcio Queiroz, suspeito de envolvimento com o assassinato da vereadora, disse na portaria do condomínio que iria à casa de Bolsonaro, à época deputado federal. A visita ocorreu no mesmo dia em que Marielle e o motorista Anderson Gomes foram assassinados, em março de 2018.


Segundo depoimento do porteiro à Polícia Civil do Rio, o suspeito pediu para ir até a casa de Bolsonaro e 1 homem com a mesma voz do agora chefe do Executivo teria atendido o interfone e autorizado a entrada. O acusado, no entanto, teria ido a outra casa dentro do condomínio, onde mora Ronnie Lessa, acusado de ter efetuado os disparos que mataram a vereadora.

A promotora explicou que a investigação teve acesso à planilha da portaria do condomínio e às gravações do interfone e que restou comprovado que o porteiro interfonou para a casa 65 e que a entrada de Élcio foi autorizada por Ronnie Lessa, com quem se encontrou.

O MP ainda aponta que o porteiro pode ter anotado que Élcio foi para a casa de Bolsonaro por vários motivos e que eles serão apurados. “Todas as pessoas que prestam falso testemunho podem ser processadas”, disse Simone Sibilio.

A procuradora ainda considerou que “não há compatibilidade entre os depoimentos do porteiro e a prova pericial” e que “qualquer informação que difere disso é equivocada”.

PGR diz que caso é fake news

O procurador-geral da República, Augusto Aras, disse em entrevista ao Poder360 nesta 4ª feira que remeterá “imediatamente” ao Ministério Publico Federal do Rio de Janeiro pedido de Sergio Moro para que se investigue a citação do presidente Jair Bolsonaro na apuração do assassinato da vereadora Marielle Franco.

Segundo Moro, o presidente Jair Bolsonaro pode estar sendo vítima de falso testemunho, denunciação caluniosa e crimes conexos.

“Estamos tomando providências para apurar 1 crime de falso testemunho, de que teria sido vítima o presidente Bolsonaro, e nisso não é só o falso testemunho, nisso também pode haver uma denunciação caluniosa ou outros crimes que estão sendo investigados”, afirmou Aras.

Bolsonaristas reagem

Desde a publicação da reportagem da TV Globo, bolsonaristas têm reagido em defesa do chefe do Executivo.

O filho 02 do presidente, o vereador Carlos Bolsonaro, publicou em seu perfil no Twitter que usam “1 cadáver” –no que ele estaria se referindo à Marielle– “de maneira que beira a psicopatia”.

Reprodução/Twitter @CarlosBolsonaro – 30.out.2019

O deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) disse que a notícia era “fake news” e cobrou outra atitude da Rede Globo.

Reprodução/Twitter @BolsonaroSP – 30.out.2019

A ministra Damares Alves (Mulher, Família e Direitos Humanos) também saiu em defesa do mandatário. “Eu conheço um gigante com coração de criança e que não tem vergonha de chorar quando dói. Mas não doeu só nele, doeu em todos nós. Força Presidente!”

Reprodução/Twitter @DamaresAlves – 30.out.2019

ver Blog do Fernando Rodrigues
#coletiva
#mprj
#depoimento
#assassinato
#justiça
#marielle franco
#simone sibilio
#porteiro