Falamos com especialistas em religião sobre o novo álbum de Kanye West, 'Jesus Is King'

Photo of Falamos com especialistas em religião sobre o novo álbum de Kanye West, 'Jesus Is King'
Facebook
VKontakte
share_fav

Kanye West vem usando sua música para pedir a ajuda de Deus há 15 anos. “Quero falar com Deus mas tenho medo porque não nos falamos há muito tempo”, ele rima em “Jesus Walks” . O rap centrado na fé capturava a desconexão entre o secular e o sagrado, com o rapper de então 27 anos de Chicago tentando encontrar pureza no coração com uma música sobre Jesus que pode ser tocada na balada. Desde seu álbum de estreia em 2004, College Dropout, West foi de buscar o reino de Deus para criar seu próprio, se batizando como Yeezus e adotando um Sunday Service na New Birth Missionary Baptist Church em Atlanta. Em 2010, o Bispo Eddie Long, ex-líder da megaigreja, Ma$e , No Malice e Sunday Service numa igreja como a New Birth Missionary Baptist Church em Atlanta.

JPH: Não sei quanto disso para ele é um meio de reconciliação. Uma conversão em termos do que ele acredita que Jesus está fazendo por ele e com ele, mas também seu jeito de se reconciliar com uma comunidade. Se você quer se reconciliar com a comunidade negra, você tem que voltar para a igreja negra. Se você quer convencer a comunidade de que “Eu voltei pra casa”, e do que ele disse na New Birth ? Isso significa que não é algo autêntico? Ainda pode ser tão real como sempre. Não significa que ele mudou suas visões políticas ou que mudou suas visões de como ele se sente sobre a comunidade afro-americana, só porque ele acredita que Jesus mudou sua vida.

Qual a diferença entre ele fazendo uma música como “Jesus Walks” e ele fazendo um álbum conceitual como Jesus Is King? Como é mercantilizar a religião e a igreja?

JPH: Kanye não está fazendo nada de diferente do que os televangelistas fazem toda semana, que é vender a palavra, vender a mensagem, vender o evangelho. É tipo “Se eu não vender isso direito, não terei espectadores. Se não vender isso direito, ninguém vai comprar minhas fitas. Se não vender isso direito, ninguém vai vir para minhas conferências”. Mesmo num nível micro, “Se eu não vender isso direito, as pessoas não virão para minha igreja”. Membros, dízimo, tudo isso é sobre mercantilizar o evangelho. Ele não está fazendo nada diferente.

O perigo é perder a mensagem nessa repaginação do evangelho. O foco se torna como isso se comunica em vez da mensagem em si.

Meu medo nisso é que muitas pessoas que estavam na New Birth, que não frequentavam a igreja há anos, e decidiram voltar naquele domingo e colocar a vida em ordem por causa do que Kanye disse. Vou nascer de novo hoje por causa do que Kanye disse. Há uma irresponsabilidade nisso quando você entra nesse tipo de fórum. Você não pode fazer isso toda semana. Você pode converter pessoas inicialmente, mas essas pessoas vão entrar na comunidade para serem ajudadas a desenvolver um estilo de vida ético verdadeiro?

XP: Há uma longa história de mistura de religião e capital, o que geralmente é chamado de prosperidade do evangelho. Igrejas negras não são isoladas nisso, e elas também são fornecedoras de neoliberalismo. Os sons negros que se tornaram populares estão se tornando mais desejáveis. A Motown queria não apenas o som, mas os cantores que saíam dessas igrejas. Igrejas negras são um terreno fértil para cantores que às vezes lideram uma igreja, e acabam tendo sucesso nacional e secular como Aretha Franklin e Sam Cooke.

As pessoas estão certas em ficar céticas com os motivos dele?

JPH: Você pode ser cético, mas acho que você não pode julgá-lo. Você pode se perguntar por que ele está fazendo isso, mas não pode julgar onde ele está em termos de fé. Você não pode julgar que se ele voltar para a Casa Branca, ele não pode ser um cristão. Se o TMZ o achar num clube de strip-tease bebendo Hennessy, você não pode dizer que ele se afastou da fé.

XP: Kanye, em particular, tem um fardo maior que a maioria dos artistas considerando sua história. Esse é o mesmo cara que disse “George Bush não se importa com os negros” , mas também visita Trump no Salão Oval – e ele sabe o que Trump acha dos negros. Então isso levanta a questão, OK, o que você acha dos negros, Kanye? Você acha que como os negros amam Jesus eles vão te perdoar também? Isso também está no fundo em termos de como a igreja negra pode ser tão importante. Há uma suposição de que os negros perdoam, especialmente cristãos negros.

Isso levanta ainda mais questões sobre essas igrejas [que o convidaram]. Por que vocês querem Kanye na sua igreja? Vocês querem se aproveitar dessa base de fãs, desse nome, da autoridade, da associação e dos valores que vêm com isso? Se sim, para qual propósito? Se vocês têm Deus, por que precisam de Kanye West?

Kristin Corry é parte da redação da VICE EUA.

Siga a VICE Brasil no , Twitter, Instagram e YouTube.

ver Vice Brasil
#entrevistas
#rap
#hip-hop
#atlanta
#gospel
#kanye west
#religião
#black church
#jesus walks
#jesus is king
#igrejas negras