O que acontece quando os jornais semanais desaparecem?

Facebook
VKontakte
share_fav

*Por Ryan Craig

Como editor e publisher do Todd County Standard, uma revista semanal em Elkton, Kentucky, certa vez publiquei uma história que pedia aos agricultores que participassem de uma reunião muito importante sobre zoneamento agrícola. O futuro da agricultura no pequeno condado de Kentucky, onde eu possuo e edito o jornal, poderia ser alterado naquela reunião.


O público do evento era escasso, então, na manhã seguinte, eu fui furioso até a mesa dos mentirosos, cheia de agricultores, e perguntei por que diabos eles não compareceram à reunião. Eles não sabiam o quão importante era?

Um dos fazendeiros parou de comer seus ovos, olhou para cima e disse: “Nós não fomos porque você disse em sua reportagem que estaria lá. Eu tinha coisas a fazer e vou ler o que você escreverá no jornal e decidir se preciso ficar bravo ou não.”

Anos depois, em 1 painel de jornalistas sobre o surgimento de notícias falsas, falei que, mesmo com toda a desconfiança pública sobre a mídia –convencional, liberal, conservadora etc.–, a mídia local parecia até agora poupada, especialmente os jornais semanais.

Minha teoria, que veio da difícil lição que o fazendeiro me deu e de anos cobrindo praticamente tudo em 1 lugar pequeno, é que, quando as pessoas podem vê-lo na na reunião do conselho da cidade, em eventos escolares, piqueniques, entre outros, ele cria confiança em você e em suas reportagens.

Muitas vezes eu me sentei no meu escritório ou na sala de estar com pessoas preocupadas ou chorando que precisavam da ajuda do jornal local. Ou então com a enfermeira e a assistente social que arriscaram suas carreiras para me dar uma dica sobre como os serviços sociais do Estado falharam deixando uma menina em uma casa onde ela seria assassinada.

Isso não se traduz necessariamente em mídias regionais, estaduais ou nacionais. Pelo menos não desde que as mídias sociais diluíram praticamente tudo o que antes era gerido pelos gatekeepers.

Os repórteres não são mais capazes de cobrir tudo e todos os lugares que importam, porque não estão lá. São vítimas de cortes corporativos, dividendos e falências.

No entanto, até pouco tempo atrás, eu tinha certeza de que os periódicos semanais, especialmente os bons, sobreviveriam à desaceleração dos jornais. Ou então durariam muito mais tempo antes da eventual transição digital.

Eu tinha tanta certeza da fortaleza dos semanais que incentivava os estudantes que eu supervisionava na Universidade de Kentucky a não subestimar uma carreira nos jornais locais. Alguém poderia fazer pior do que ser 1 editor de cidade pequena em cruzada.

Agora, digo aos meus alunos para serem diversos em suas capacidades –boas reportagens e habilidades multimídia são bem-vindas em todos os lugares– e lhes aconselho a procurar emprego em locais, independentemente do tamanho, onde possam praticar 1 bom jornalismo em uma redação o mais estável possível.

Comecei a acreditar que os semanais não são mais tão seguros quanto os locais de destino. E que, mais cedo ou mais tarde, haverá 1 vácuo de notícias locais em áreas rurais de todo o país.

No Kentucky, existem 120 semanais. Pouco menos da metade deles não são de propriedade corporativa. Em muitos condados, principalmente rurais, os semanais começaram a ter problemas. Os motivos variam, mas quase todos viram 1 declínio no varejo e uma perda de empregos, apesar da robusta economia nacional.

As notícias são consumidas de maneira diferente, com mais pessoas usando dispositivos móveis à medida que o serviço celular se torna mais consistente nas áreas rurais. Agora, as pessoas postam fotos de eventos, jogos e desastres nas mídias, e isso é notícia local suficiente. Os assuntos mais difíceis –orçamento, impostos e governo– não são muito comuns nas mídias sociais e muitas pessoas estão bem envoltas em bolhas com esse nível de ignorância.

A publicidade, outrora tão abundante que as pessoas até brincavam dizendo que era uma licença para “imprimir dinheiro”, secou quando imóveis, automóveis e classificados migraram para a Internet e não retornam.

Além disso, o declínio do carvão nas comunidades do oeste e em grande parte do leste de Kentucky significa 1 declínio acentuado na base do varejo. Muitos semanais rurais, especialmente aqueles que não estão em áreas turísticas, podem se arruinar caso percam os avisos públicos locais. Isso parece mais próximo de acontecer a cada reunião da Assembleia Geral do Estado.

Minha previsão relutante é que, dentro de 5 anos, a maioria dos semanais independentes fechará ou se fundirá. Já a maior parte dos pertencentes a empresas se fundirá ou se tornará 1 escritório de uma publicação irmã maior nas proximidades, algo que já está acontecendo. (O Todd County Standard está à venda).

Isso poderia significar áreas da América rural sem jornais locais. O que pode desencarregar em políticos se aproveitando das reuniões do conselho esvaziadas. Além de menos histórias para os agricultores lerem e decidirem se precisam ficar bravos ou não.

__

*Ryan Craig é editor e publisher do Todd County Standard em Elkton, Kentucky e conselheiro de mídia estudantil da Universidade de Kentucky. Ele é o vencedor do Prêmio Al Smith em 2017, que reconhece o serviço público por meio de jornalismo comunitário patrocinado pelo Instituto de Jornalismo Rural e Assuntos da Comunidade e pela Sociedade de Jornalistas Profissionais, Bluegrass Chapter. Ele também é ex-presidente da Kentucky Press Association.

__

O texto foi traduzido por Ighor Nóbrega (link). Leia o texto original em inglês (link).

__

O Poder360 tem uma parceria com duas divisões da Fundação Nieman, de Harvard: o Nieman Journalism Lab e o Nieman Reports. O acordo consiste em traduzir para português os textos que o Nieman Journalism Lab e o Nieman Reports produzem e publicar esse material no Poder360. Para ter acesso a todas as traduções já publicadas, clique aqui.

ver Blog do Fernando Rodrigues
#confiança
#rural
#nieman
#políticos
#fake news
#jornalismo local
#jornais semanais
#universidade de kentucky