Odebrecht apresenta plano de recuperação sem detalhes para credores

Facebook
VKontakte
share_fav

A Odebrecht apresentou nesta 2ª feira (26.ago.2019) seu plano de recuperação judicial. A empresa, que soma R$ 98,5 bilhões em dívidas, protocolou o planejamento na Justiça de São Paulo sem apresentar muitos detalhes.

[O objetivo é] a geração de riqueza no curto, médio e longo prazo, sobretudo por meio da venda de ativos estratégicos e da recuperação dos negócios do grupo”, disse a Odebrecht em comunicado.

Uma das ausências no plano de recuperação é a especificação da venda de ativos. A empreiteira não informou quais subsidiárias serão vendidas. Além disso, a Odebrecht também não detalhou o desconto que será proposto para os credores, que incluem bancos públicos e privados.


A estratégia traçada pela empresa será emitir títulos para os credores, que serão enviados mediante resultados futuros da companhia. Essa mesma linha de atuação foi aplicada pela Ocyan, ex-Odebrecht Óleo e Gás. A intenção é convencer os credores a aceitaram 1 perdão de até 90% na dívida total –mais de R$ 88 bilhões.

Sobre a emissão de títulos, a empresa afirmou em nota que “quanto melhores forem os resultados e o fluxo de caixa, maior será o volume de recursos destinados aos credores”.

Nessa proposta, o grupo pretende envolver R$ 51 bilhões dos débitos totais. Ficaram de fora desse plano os R$ 33 bilhões em negativos da própria companhia e os R$ 14,5 bilhões que ela deve aos bancos credores, que têm como garantia as ações da petroquímica Braskem.

Já as dívidas trabalhistas de aproximadamente R$ 100 milhões serão pagas em parcelas durante 12 meses. Os pagamentos iniciarão assim que o plano for aprovado por credores e acionistas e, posteriormente, homologado na Justiça paulista.

“Estamos confiantes em que avançaremos rapidamente, e de forma satisfatória, no diálogo já em andamento com os credores e na construção coletiva de uma proposta de reestruturação”, disse Luciano Guidolin, diretor-presidente da Odebrecht S.A.

Recuperação judicial recorde

A Odebrecht entrou em 17 de junho de 2019 com pedido de recuperação judicial, na Justiça de São Paulo. A empresa, envolvida em esquemas investigados pela operação Lava Jato, alega dívidas de R$ 98,5 bilhões.

“Frente ao vencimento de diversas dívidas, da ocorrência de fatos imprevisíveis e dos recentes ataques aos ativos das empresas, a administração da ODB, com autorização do acionista controlador, concluiu que o ajuizamento da recuperação judicial se tornou a medida mais adequada para possibilitar a conclusão com sucesso do processo de reestruturação financeira de forma coordenada, segura, transparente e organizada, permitindo, desta forma, a continuidade das empresas e de sua função social”, disse a empresa em comunicado. Eis a íntegra do documento.

Em razão do valor, este é o maior processo de recuperação judicial da história do país. Superou o da Oi, que pediu recuperação em 2016 com dívidas de R$ 63,9 bilhões.

Um dos pivôs da Operação Lava Jato, o grupo Odebrecht amarga uma crise financeira e perda de valor de ativos. Em 5 anos, mais de 130 mil empregados deixaram a empresa.
ver Blog do Fernando Rodrigues
#recuperação judicial
#braskem
#justiça de são paulo
#acionistas
#credores
#holding
#dívidas
#bancos
#lava jato
#odebrecht
#justiça