Empresa de baixo custo chilena pede autorização para voar no Brasil

Facebook
VKontakte
share_fav

A empresa área de baixo custo JetSmart pediu autorização da Anac (Agência Nacional de Aviação Civil) para operar voos internacionais para o Brasil a partir da Argentina e do Chile. A empresa pertence ao fundo norte-americano Índigo Partners.

Se receber aval da agência reguladora, será a 4ª low cost, como são chamadas essas companhias, a ter aval para operar voos internacionais para o Brasil.


A europeia Norwegian, a chilena Sky Airlines e a argentina Flybondi têm autorização para voar. Segundo a agência reguladora, o interesse deve-se à aprovação de novas regras relacionadas à franquia de bagagem.

A regra vigente permite a cobrança pelo despacho de bagagem desde 2017, mas obriga as companhias aéreas a aceitarem malas de até 10 quilos como bagagem de mão.

A regra voltou a ser discutida no Congresso em 2019. Em maio, o Senado aprovou a proibição da cobrança do despacho e determinou a volta do despacho gratuito de mala de até 23 quilos. A medida foi incluída no texto da MP (Medida Provisória) 863, que permite até 100% de capital estrangeiro nas empresas aéreas.

O presidente Jair Bolsonaro, no entanto, sancionou a MP com veto ao trecho das bagagens. A permissão para que as companhias cobrem deve ser analisada em sessão do Congresso nesta 3ª feira (27.ago).

A obrigação de despachar malas vai na contramão do modelo de negócio das empresas low costs. Essas empresas, geralmente, oferecem passagens abaixo dos preços praticados na média do mercado, em troca disponibilizam menos serviços como refeições a bordo, franquia de bagagem e serviços de entretenimento.

ver Blog do Fernando Rodrigues
#bagagem
#agência nacional de aviação civil
#anac
#economia
#norwegian
#mp 863
#jetsmart
#despacho de bagagens
#low costs
#sky airlines