Bolsonaro diz que vai decretar GLO para todos os Estados da Amazônia que solicitarem

Facebook
VKontakte
share_fav

Em pronunciamento em cadeia nacional de rádio e TV, o presidente Jair Bolsonaro disse nesta 6ª feira (23.ago.2019) que vai decretar GLO (Garantia da Lei e da Ordem) para todos os Estados da Amazônia que solicitarem a atuação das Forças Armadas.

Estabelecido na Constituição, o dispositivo que permite missões de GLO só pode ser acionado pelo presidente da República. E, segundo a lei, é utilizado quando há o “esgotamento das forças tradicionais de segurança pública” e dá aos militares poder de polícia.

O presidente disse que seu governo é “tolerância zero com a criminalidade” e que, na área ambiental, “não será diferente”.

“Para proteger a Amazônia não bastam ações de fiscalização, comando e controle. É preciso dar oportunidade a toda essa população para que se desenvolva junto com o restante do país. É nesse sentido que trabalham todos os órgãos do governo. Somos 1 governo de tolerância zero com a criminalidade e, na área ambiental, não será diferente. Por essa razão oferecemos ajuda a todos os Estados da Amazônia Legal”, disse.

“Com relação àqueles que a aceitarem, autorizarei operação de Garantia da Lei e da Ordem, uma verdadeira GLO ambiental. O emprego extensivo de pessoal e equipamentos das Forças Armadas auxiliares e outras agências permitiram não apenas combater as atividades ilegais, como também conter o avanço de queimadas na região”, completou.


O pronunciamento do presidente iniciou às 20h30 e finalizou às 20h34.

Bolsonaro ainda fez 1 apelo para que mensagens falsas em relação às queimadas e ao desmatamento não sejam compartilhadas.

“Vamos atuar fortemente para controlar os incêndios na Amazônia. É preciso, por outro lado, ter serenidade ao tratar dessa matéria. Espalhar dados e mensagens infundadas dentro ou fora do Brasil, não contribui para resolver o problema, e se prestam apenas ao uso político e à desinformação”, afirmou.

O presidente também atribuiu as queimadas às condições climáticas. “Estamos numa estação tradicionalmente quente, seca e de ventos fortes em que todos os anos, infelizmente, ocorrem queimadas na região amazônica. Nos anos mais chuvosos, as queimadas são menos intensas. Em anos mais quentes, como neste, 2019, elas ocorrem com maior frequência”, afirmou.

Em recado aos outros países, Bolsonaro disse que incêndios na Amazônia não justificam eventuais sanções. “Incêndios florestais existem em todo o mundo e isso não pode servir de pretexto para possíveis sanções internacionais. O Brasil continuará sendo, como foi até hoje, 1 país amigo de todos e responsável pela proteção de sua floresta amazônica”, afirmou.

Assista à íntegra:

Eis a íntegra do pronunciamento presidencial:

“Boa noite.

Dirijo-me a todos para tratar da nossa Amazônia, que nas últimas semanas tem atraído crescente atenção do Brasil e do Mundo. Floresta Amazônia é parte essencial da nossa história, do nosso território e de tudo que nos faz sentir ser brasileiros.

Nossas riquezas são incalculáveis, tanto em matéria de biodiversidade quanto de recursos naturais.

Devido à minha formação militar e a minha trajetória como homem público, tenho profundo amor e respeito pela Amazônia. A proteção da floresta é nosso dever. Estamos cientes disso e atuando para combater o desmatamento ilegal e quaisquer outras atividades criminosas que coloquem nossa Amazônia em risco.

É preciso lembrar que naquela região vivem mais de 20 milhões de brasileiros que há anos aguardam dinamismo econômico proporcional às riquezas ali existentes.

Para proteger a Amazônia não bastam operações de fiscalização, comando e controle. É preciso dar oportunidade a toda essa população para que se desenvolva junto com o restante do país. É nesse sentido que trabalham todos os órgãos do governo.

Somos um governo de tolerância zero com a criminalidade e na área ambiental não será diferente.

Por essa razão, oferecemos ajuda a todos os Estados da Amazônia Legal. Com relação àqueles que a aceitarem, autorizarei operação de Garantia da Lei e da Ordem, uma verdadeira GLO ambiental.

O emprego de pessoal e equipamentos das Forças Armadas, auxiliares e outras agências permitirão não apenas combater as atividades ilegais como também conter o avanço de queimadas na região.

Estamos numa estação tradicionalmente quente, seca e de ventos fortes em que todos os anos, infelizmente, ocorrem queimadas na região Amazônica.

Nos anos mais chuvosos, as queimadas são menos intensas, em anos mais quentes, como neste, 2019, elas ocorrem com maior frequência.
De todo modo, mesmo que as queimadas deste ano não estejam fora da média dos últimos 15 anos, não estamos satisfeitos com o que estamos assistindo.

Vamos atuar fortemente para controlar os incêndios na Amazônia. É preciso, por outro, lado ter serenidade ao tratar dessa matéria. Espalhar dados e mensagens infundadas dentro ou fora do Brasil não contribui para resolver o problema. E se prestam apenas ao uso político e à desinformação.

O Brasil é exemplo de sustentabilidade, conserva mais de 60% de sua vegetação nativa, possui uma lei ambiental moderna e um código florestal que deveria servir de modelo para o mundo.

Temos uma matriz energética limpa, renovável e com ela estamos dando importante contribuição ao planeta. Diversos países desenvolvidos, por outro lado, ainda não conseguiram avançar com seus compromissos no âmbito do acordo de Paris.

Seguimos como sempre abertos ao diálogo, com base no respeito, na verdade e cientes da nossa soberania.

Outros países se solidarizaram com o Brasil, ofereceram meios para combater as queimadas, bem como se prontificaram levar a posição brasileira junto ao G7.

Incêndios florestais existem em todo o mundo e isso não pode servir de pretexto para possíveis sanções internacionais. O Brasil continuará sendo, como foi até hoje, um país amigo de todos e responsável pela proteção de sua floresta amazônica.

Boa noite.”

PRESSÃO SOBRE O BRASIL

O governo brasileiro está imerso numa crise internacional, pressionado por líderes globais por causa das queimadas na Floresta Amazônica. Nessa 5ª feira (22.ago.2019), o presidente da França, Emmanuel Macron, convocou a cúpula do G7 –grupo do qual os EUA fazem parte– a discutir a situação da Amazônia. A reunião está marcada para este fim de semana.

Além disso, nesta 6ª feira (23.ago), além de Macron, líderes da Alemanha e da Irlanda ameaçaram até deixar o acordo com o Mercosul. O presidente francês acusou ainda Bolsonaro de “mentir” para ele na cúpula do G20 de Osaka e que decidiu “não respeitar seus compromissos climáticos nem se comprometer com a biodiversidade”.

Após a acusação de Macron, Bolsonaro disse lamentar o posicionamento da França. “Não fomos nós que divulgamos fotos do século passado para potencializar o ódio contra o Brasil por mera vaidade”, acrescentou, referindo-se ao uso de uma imagem antiga da Amazônia por Macron para falar dos recentes incêndios.

Nesta noite, por meio do Twitter, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, manifestou-se pela 1ª vez sobre os incêndios na Amazônia. Disse ter conversado com Bolsonaro sobre a situação da floresta e que os EUA estão “prontos para ajudar” o governo brasileiro.

No Brasil, a Força-tarefa Amazônia do MPF (Ministério Público Federal) abriu inquérito para apurar a adequação de políticas públicas estaduais e federais para o combate ao desmatamento e às queimadas na Floresta Amazônica, diante de notícias de aumento do número de focos de incêndio e de taxas de desmate em 2019.

No curso do procedimento, o MPF fez questionamentos ao Ministério do Meio Ambiente, inclusive sobre a possível contratação de empresa privada de monitoramento, a despeito do trabalho já realizado pelo Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais).

Além disso, nesta 6ª feira (23.ago), houve protestos contra o governo em pelo menos 40 cidades do Brasil. A comunidade internacional também foi às ruas, com protestos registrados nas capitais de Israel, Inglaterra, Espanha, França, Irlanda, Alemanha, Suíça, Itália, Holanda, Finlândia, Dinamarca e Índia.

QUEIMADAS NA AMAZÔNIA

Nos últimos dias, a proporção dos incêndios na Floresta Amazônica ganhou repercussão internacional. Dados do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais) divulgados revelaram que as queimadas no Brasil registradas de janeiro a 18 de agosto de 2019 tiveram aumento de 82% em relação ao mesmo período do ano passado.

O órgão registrou 71.497 focos de queimadas até 18 de agosto deste ano, contra 39.194 no ano anterior. É o maior número registrado desde 2013, início da série histórica. O recorde anterior foi em 2016, quando foram registrados 66.622 focos.

Já o desmatamento, em julho deste ano, cresceu 278% em relação ao mesmo mês do ano passado.

Bolsonaro insiste em dizer que as queimadas são criminosas. Até esta 5ª feira (22.ago.2019), a única medida tomada pelo governo foi a de pedir que usuários do Twitter enviem denúncias para o perfil do ministro Augusto Heleno (GSI). “Denuncie e bote aqui”, disse.

Hoje, o presidente autorizou, por meio de decreto, o emprego das Forças Armadas para a GLO (Garantia da Lei e da Ordem) e para ações “ações subsidiárias nas áreas de fronteira, nas terras indígenas, em unidades federais de conservação ambiental e em outras áreas da Amazônia Legal”. O pedido foi feito pelo governo de Roraima.

As Forças Armadas atuará no Estado por 1 período de 1 mês. Começam neste sábado (24.ago.2019) e permanecerão até 24 de setembro de 2019 – para “ações preventivas e repressivas contra delitos ambientais” e para “levantamento e combate a focos de incêndio”.

Em prol da Amazônia, também nesta 6ª feira (23.ago), o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, pediu e o Supremo Tribunal Federal deve autorizar o uso de R$ 1 bilhão recuperado pela Lava Jato em ações relacionadas ao meio ambiente –sobretudo nas ações de combate a incêndios. O Poder360 apurou que o dinheiro pode ser liberado já na 4ª feira (28.ago.2019)

ver Blog do Fernando Rodrigues
#desmatamento
#pronunciamento
#floresta amazônica
#queimadas
#governo
#amazônia
#jair bolsonaro
#donald trump
#pronunciamento presidencial
#emannuel macron