Em 2018, emissão de gases que causam efeito estufa atinge recorde

Facebook
VKontakte
share_fav

A emissão de gases que causam o efeito estufa no planeta atingiu nível recorde em 2018 –alta de 43% desde 1990. Os dados são do relatório Estado do Clima 2018, divulgado em boletim da Sociedade Americana de Meteorologia na 2ª feira (12.ago.2019). Leia a íntegra do estudo.


A média global anual de concentração de dióxido de carbono foi a mais alta do registro instrumental moderno e dos registros do núcleo de gelo, com histórico de cerca de 800 mil anos.

O ano passado foi o 4º mais quente –perdendo só para 2015, 2016 e 2017– pelo menos desde meados do século 19, quando a medição passou a ser feita. Essa informação já havia sido divulgada pela Nasa (Agência Espacial Americana) em fevereiro.

Desde os anos 1980, a temperatura média da superfície da Terra cresceu aproximadamente 1 grau Celsius. A região mais afetada por esse aquecimento foi o Ártico, que sofreu com o derretimento de geleiras.

O relatório também diz que a quantidade de tempestades tropicais registradas em localidades perto da Linha do Equador foi de 95, número acima da média de 1981 a 2010, que foi de 82. A intensidade das tempestades e furacões também foi mais alta.

América do Sul

De acordo com o relatório, a maior parte da América do Sul sofreu com temperaturas acima da média em 2018. As regiões mais secas foram o Chile, o sul do Peru, partes ocidentais da Argentina e leste do Brasil.

Já a região central da América do Sul, onde o Brasil fica localizado, teve 0,5ºC acima da média do continente. A temperatura do sudeste brasileiro foi ainda maior: 1ºC mais alto que a média.

Em abril maio, o sul do Brasil registrou temperaturas 2ºC a 4ºC mais quentes, enquanto em julho e em setembro o pico de temperatura foi na região tropical brasileira.

O estudo também destaca as chuvas de 2018 na América do Sul. “A maior parte do norte da América do Sul teve uma precipitação quase normal em 2018. Foi registrada uma precipitação abaixo do normal (2-%-30% abaixo da média) na maior parte da Colômbia, oeste do Equador, leste da Venezuela e Guiana Francesa e Guiana”, diz o relatório.

“as anomalias de precipitação mais notáveis (60%-70% acima do normal) durante 2018 estavam presentes no noroeste da Venezuela. A precipitação acima do normal foi particularmente alta durante julho e agosto na Colômbia e na Venezuela”, continua.

Estado do Clima

O relatório Estado do Clima é divulgado anualmente. Ele é produzido por centros de pesquisa sobre o clima de vários países do mundo, a partir da colaboração de centenas de cientistas.

Entre os órgãos brasileiros que colaboraram na produção do estudo, estão o Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais), CPTec (Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos), INMET (Instituto Nacional de Meteorologia) e o Cemaden (Centro Nacional de Monitoramento e Alertas aos Desastres Naturais).

ver Blog do Fernando Rodrigues
#clima
#temperatura
#meteorologia
#aquecimento global
#brasil
#internacional
#efeito-estufa