Gol e Latam arrematam ativos da Avianca em leilão

Facebook
VKontakte
share_fav

A Avianca Brasil leiloou na tarde desta 4ª feira (10.jul.2019) seus ativos e slots –autorizações para voos e decolagens em aeroportos–, que foram divididos em 7 UPIs (Unidades Produtivas Isoladas) e arrematados pelas companhias Gol e Latam. O leilão foi realizado pela Mega Leilões.

As UPIs foram leiloadas em lotes. Foram 3 arrematados pela Gol, 2 pela Latam e outros 2 ficaram encalhados. A companhia, que está em recuperação judicial desde 5 de abril e com operações suspensas desde 24 de maio, arrecadou R$ 174 milhões.

A Azul não participou do leilão. Em nota, disse não “acreditar na legitimidade do processo” da venda dos ativos. O que não foi vendido terá de ser discutido novamente entre credores e a empresa.


O leilão estava suspenso desde 5 de maio, em razão de uma liminar proferida pelo relator do caso, desembargador Ricardo Negrão. Mas hoje o leilão foi realizado mesmo após o STJ (Superior Tribunal de Justiça) ter permitido que a Anac (Agência Nacional da Aviação Civil) fizesse a redistribuição dos slots que eram utilizados pela companhia aérea.

Como a questão sobre a Avianca poder incluir ou não os slots como ativos no leilão não foi discutida na Justiça, há a possibilidade de que o resultado desse leilão seja suspenso.

Ativos e lotes leiloados

De acordo com o plano de recuperação judicial da empresa, os ativos e slots da Avianca foram divididos em 7 UPIs. Dessas unidades, 6 correspondem essencialmente às autorizações de voos e direitos de uso de horários de chegadas e partidas nos aeroportos de Congonhas (SP), Guarulhos (SP) e Santos Dumont (RJ). A outra UPI trata do programa de fidelidade da Avianca, o Amigo.

As primeiras UPIs, a A e B foram leiloadas individualmente. O leilão determinava também que as UPIS C, D e E fossem leiloadas em conjunto, mas como não houve lances, o certame foi desmembrado e feito individualmente. Depois, aconteceram os leilões dos lotes F e o do programa de fidelidade.

  • O 1º lote compreendia a UPI A (Unidades Produtivas Isoladas) e tinha valor mínimo de US$ 70 milhões. O lote foi vendido para a Gol Linhas Aéreas, utilizando créditos prioritários por empréstimos à Avianca como pagamento.
  • O 2º lote, a UPI B, também tinha o valor mínimo de US$ 70 milhões, utilizando abatimento de créditos prioritários, e foi adquirida por esse valor pela Latam.
  • O 3º lote, das UPIs C, D e E, tinha lance mínimo de US$ 70 milhões, mas teve que ser desmembrado porque não houve lances. Com isso, o 4º lote, passou a prever a UPI C, com lance inicial de US$ 10 mil. Mas ele também não foi arrematado.
  • O 5º lote, com a UPI D, tinha valor mínimo de US$ 10 mil e foi adquirido pela Gol Linhas Aéreas, utilizando créditos prioritários.
  • O 6º lote, correspondente à UPI E, tinha valor mínimo de US$ 10 mil e foi a primeira e grande disputa do leilão, com Gol e Latam alternando as ofertas. Após vários lances, o lote acabou sendo arrematado pelo valor de US$ 7,3 milhões, pela Gol.
  • O 7º lote, que compreende o lote F, com valor inicial de US$ 10 mil, não teve interessados.
  • O 8º e último lote, que compreende o Programa Amigo, também tinha lance inicial de US$ 10 mil e não teve interessados.

Após o final dos lances, o lote da UPI C voltou a ser leiloado pelo valor mínimo de US$ 10 mil e acabou sendo vendido para a Latam.

Eis a íntegra da nota da Azul divulgada após o resultado do leilão:

“Como a Azul vem ressaltando publicamente, o leilão de ativos da Avianca não estimulou o interesse de outros concorrentes a não ser Gol e Latam, que, por sua vez, não competiram entre si nas UPI (Unidades Produtivas Isoladas) A e B, com maior volume de slots. O resultado do leilão traz maior concentração em Congonhas, único aeroporto fechado do país e com 90% de suas operações concentradas em apenas duas companhias. Nessa disputa, funcionários da Avianca e Clientes saem perdendo, assim como os participantes do programa de milhas “Amigo”, que não recebeu nenhum lance. A companhia, no entanto, reafirma a confiança de que os órgãos reguladores brasileiros trarão uma solução que estimule a maior competitividade no setor.”

(com informações da Agência Brasil)

ver Blog do Fernando Rodrigues
#latam
#ativos
#avianca
#gol
#recuperação judicial
#stj
#anac
#economia
#slots