Vingadores: Ultimato é melhor do que oito dos últimos 11 vencedores do Oscar de Melhor Filme

Photo of Vingadores: Ultimato é melhor do que oito dos últimos 11 vencedores do Oscar de Melhor Filme
Facebook
VKontakte
share_fav

Vingadores: Ultimato é melhor do que oito dos últimos 11 vencedores do Oscar de Melhor Filme

O mestre Jorge Luis Borges afirmava que o objetivo de todo escritor deveria ser tornar-se anônimo. Criar alguma frase, alguma sentença, alguma ideia, que entrasse de tal modo no imaginário coletivo que perdesse a autoria. Em tempos de internet, essa máxima borgiana mudou para: todo autor deve almejar se tornar um meme. Acredito que estou próximo disso desde que afirmei que o filme “Vingadores: Ultimato” deve ser indicado ao Oscar e que não seria injustiça se vencesse, como aconteceu com outra obra-prima pop nerd “O Senhor dos Anéis: o Retorno do Rei”. Multiplicam-se mensagens assim: “não deixem o Ademir Luiz assistir ‘Cemitério Maldito’ ou o doutor vai querer liberar um Oscar”, “O Ademir Luiz acha que o filme do Pelé merece um Oscar?” ou ainda “vamos fazer uma campanha para o doutor Ademir Luiz ser comentarista do Oscar da Globo: ao invés de ‘não sou capaz de opinar’ vai ser ‘todos podem ganhar’”. Eu acho ótimo essa zoeira, afinal, sou apenas um comediante. Mas, como provou Andy Kaufman, Lenny Bruce e Woody Allen, comédia é coisa séria. Portanto, vou defender minha tese, provando que “Vingadores: Ultimato” é realmente melhor do que a maioria dos longas-metragens vencedores do Oscar de Melhor Filme dos últimos 11 anos. A Thanos o que é de Thanos.

Em 2009 o vencedor foi “Quem Quer Ser um Milionário?”

O universo Marvel no cinema começou em 2008, com o lançamento do primeiro “Homem de Ferro”. O filme concorreu em algumas categorias técnicas na cerimônia de 2009. Perdeu em todas. Curiosamente, foi o ano em que “O Cavaleiro das Trevas”, de Christopher Nolan, deveria ter sido indicado e não foi. O descontentamento foi tão grande que a partir de 2010 a Academia de Hollywood subiu de cinco para dez filmes indicados na categoria principal. O segundo capítulo da trilogia do Batman de Nolan é melhor e mais importante do que “Quem Quer Ser um Milionário?”, que também é um ótimo filme. Mas “Quem Quer Ser um Milionário?” é melhor do que “Vingadores: Ultimato”? Diria que é um empate técnico, com leve vantagem para “Quem Quer Ser um Milionário”. Em 2009 não daria para Marvel.

Em 2010 o vencedor foi “Guerra ao Terror”

No ano da revolução técnica promovida por “Avatar”, o vencedor foi um pequeno drama psicológico de guerra, dirigido pela ex-esposa do rei do mundo James Cameron, a diva Kathryn Bigelow. “Guerra ao Terror” é uma narrativa cinematográfica superior à “Avatar”, mas perde de longe para a criatividade delirante de “Bastardos Inglórios”, de Quentin Tarantino, o injustiçado do ano. “Vingadores: Ultimato” é melhor do que “Avatar” e “Guerra ao Terror”, embora seja inferior a “Bastardos Inglórios”.

Em 2011 o vencedor foi “O Discurso do Rei”

“O Discurso do Rei” é um drama histórico mediano, muito longe do brilhantismo de “Cisne Negro”, o injustiçado do ano, ou mesmo de “Toy Story 3”, que poderia ter sido a primeira animação a ganhar o Oscar de Melhor Filme. “Vingadores: Ultimato” também é melhor do que a cinebiografia do rei gago. Na dúvida, assistam a primeira temporada de “The Crown”, onde temos um Jorge VI menos caricato.

Em 2012 o vencedor foi “O Artista”

“O Artista” é uma piada de mau gosto. Não consegue nem mesmo ser um bom filme mudo. Só venceu por um ataque agudo de nostalgia dos membros da Academia. O injustiçado do ano foi “Meia-Noite em Paris”, do mestre Woody Allen. Em todo caso, Woody acostumou-se a ser injustiçado desde então. Os créditos finais de “Vingadores: Ultimato” são muito mais artísticos do que “O Artista”.

Em 2013 o vencedor foi “Argo”

Não foi uma boa safra. “Argo” destacou-se em um cenário sem grande competição. Se “Vingadores: Ultimato” estivesse concorrendo não haveria dúvidas de que poderia vencer.

Em 2014 o vencedor foi “12 Anos de Escravidão”

Os melhores filmes eram “Ela” e “O Lobo de Wall Street”. Em todo caso, “12 Anos de Escravidão” é uma obra socialmente relevante e venceu com justiça, levando-se em conta esse critério mais do que subjetivo. Admito que deveria suplantar “Vingadores: Ultimato” também. Detalhe importante: “12 Anos de Escravidão” cumpriu a tarefa de dar um Oscar para Brad Pitt colocar na lareira ao lado da estatueta de Angelina Jolie. Eu jamais tiraria isso dele.

Em 2015 o vencedor foi “Birdman”

“Birdman” é um exemplo de onanismo artístico. A vaidade do diretor Alejandro González Iñárritu está gravada em marca d´água em cada um dos fotogramas. Mas é um bom filme, bem escrito, com ótimas atuações e tecnicamente irrepreensível. Mereceu vencer “Grande Hotel Budapeste”, que não é nenhum “Os Excêntricos Tenenbaums”, que permanece sendo a obra-prima de Wes Anderson. Mas esse Batman que não é Batman não é melhor do que “Vingadores: Ultimato”, nem a atuação de Michael Keaton é necessariamente superior ao que Robert Downey Jr. construiu no encerramento do arco de Tony Stark.

Em 2016 o vencedor foi “Spotlight”

Foi o ano de “Mad Max: Estrada da Fúria”, o melhor e mais importante filme do século 21 até o momento, embora nem todos reconheçam a genialidade deste longa-metragem composto seguindo a estrutura de uma ópera. Venceu o drama mediano “Spotlight”. “Vingadores: Ultimato” não é melhor do que “Mad Max: Estrada da Fúria”, mas é muito superior a “Spotlight”, que só é lembrado em sonolentas aulas em faculdades de jornalismo.

Em 2017 o vencedor foi “Moonlight”

Ninguém entendeu até agora os motivos para não darem o Oscar para “La La Land”. Quase ninguém se lembra do bom drama “Moonlight”, enquanto “La La Land” já é um clássico, frequentemente citado e referenciado. Não tenho dúvidas de que “Vingadores: Ultimato” também vai se tornar um clássico do gênero, como o “Superman”, de Richard Donner e o “Batman”, de Christopher Nolan.

Em 2018 o vencedor foi “A Forma da Água”

Os melhores filmes do ano foram “Trama Fantasma” e “Três Anúncios Para um Crime”. Aconteceu com Guillermo Del Toro o mesmo que houve com Martin Scorsese. É um grande cineasta que foi premiado por uma obra menor. Sua obra-prima ainda é “O Labirinto do Fauno”. “Vingadores: Ultimato” perde para “O Labirinto do Fauna”, mas é melhor do que “A Forma da Água”. Algo para os cinéfilos de cachimbo e pulôver pensarem: inegavelmente, “Vingadores: Ultimato” é mais parecido, em termos de intenções artísticas, com “A Forma da Água” do que com “Trama Fantasma” e “Três Anúncios Para um Crime”. Quem venceu?

Em 2019 o vencedor foi “Green Book”

Meu filme favorito era “A Favorita”. Meu vice favorito era “Vice”. Venceu “Green Book”, uma comédia dramática simpática, mas sem nada de especial. Visto sem preconceito, “Vingadores: Ultimato” tem mais drama, mais comédia e, aparentemente, de acordo com reclamações da comunidade negra americana, é até mais realista.

ver Revista Bula
#filmes