Em massacres nos EUA, 80% dos atiradores usaram armas de parentes ou amigos

Facebook
VKontakte
share_fav

Jornal GGN – Nos 3 primeiros meses de 2019, os Estados Unidos já registraram 19 incidentes envolvendo arma de fogo em dependências de escolas. São 4 mortos, 9 feridos, nenhuma morte por suicídio, segundo os dados da fundação Everytown – criada em 2013, após um atentado na escola Sandy Hook.

O País governado por Donald Trump, que tem um modelo de armamento da sociedade perseguido pelos Bolsonaro, já computou 405 episódios de tiroteio em escolas entre 2013 e 2018. Pouco mais da metade dos casos (260) ocorreu em instituições de ensino elementar, médio ou secundário, resultando em 109 mortes e 219 feridos.

Em um relatório divulgado neste ano, a fundação Everytown afirmou que tiroteios do tipo “em massa” (quando há 4 ou mais vítimas), como ocorreu recentemente em Parkland e em Santa Fé, não são “comuns”: representam 1% de toda violência armada envolvendo escolas ou suas proximidades.

A fundação identificou apenas três tiroteios em massa em escolas do tipo primário, médio ou secundário entre 2013 e 2018. “Muito mais comuns foram incidentes envolvendo indivíduos específicos, discussões que aumentaram, atos de violência doméstica, brigas de estacionamento e assaltos onde a escola era um pano de fundo infeliz.”

Ou seja, para a fundação americana, casos como o de Realengo (2011) e Suzano (2019) são a “ponta do iceberg” quando o problema é a violência armada nas escolas.

Embora os disparos em massa nas escolas sejam raros, com apenas 1% dos incidentes de violência escolar, eles respondem por mais de um quarto (28%) do total de mortes nas escolas e 14% dos ferimentos em geral.

Considerando apenas os casos em que há “atiradores ativos”, aqueles com intenção de matar estudantes e funcionários, há dados do Departamento de Polícia de Nova York indicando que, em quase 80% desses atentados, o atirador tinha algum vínculo oficial com a escola.

É o que ocorre com os atiradores de Suzano, que deixaram 8 mortos na manhã de 13 de março de 2019, lançando mão de armas de fogo e machadinha.

Nos EUA, segundo a fundação Everytown, a maioria dos atiradores obtém suas armas com a família, parentes ou amigos em vez de comprá-las legalmente ou ilegalmente. É o que ocorre em 78% dos casos quando o executor tem menos de 18 anos.

Outro dado relevante para a discussão é do Serviço Secreto dos Estados Unidos e do Departamento de Educação dos Estados Unidos, que afirmaram em estudo que nos incidentes de violência escolar, 93% dos atiradores deram sinais de comportamento alterado que o levariam a atacar outras pessoas.

Em 81% dos incidentes, outras pessoas, na maioria das vezes os colegas do atirador, tinham algum tipo de conhecimento sobre os planos criminosos.

Com informações do Everytown Research

The post Em massacres nos EUA, 80% dos atiradores usaram armas de parentes ou amigos appeared first on GGN.

ver Blog do Luis Nassif
#escolas
#posse
#massacres
#trump
#estudo
#bolsonaro
#pesquisa
#armas
#dados
#justiça
#política
#eua
#everytown research
#porte