A estranha prisão da jornalista Marziyeh Hashemi

Facebook
VKontakte
share_fav

Sem nenhuma acusação ou processo, Marziyeh Hashemi, jornalista, negra e cidadã dos Estados Unidos convertida ao islamismo foi presa pelo FBI no estado do Missouri em 13 de janeiro. Alega-se que a repórter seria testemunha em uma ação penal mantida em segredo de Estado.

Funcionária da iraniana Press TV, Hashemi, antes chamada Melanie Franklin, é claramente vítima de uma abusiva violação dos direitos humanos, uma tentativa de intimidar a comunidade muçulmana e a mídia independente.

Ela produziu ao longo da carreira diversas reportagens sobre a discriminação de mulheres, muçulmanos e afro-americanos nos Estados Unidos.

“O governo americano precisa explicar qual é o risco sobre Marziyeh Hashemi que justifique” a prisão, escreveu no Twitter o chefe da diplomacia do Irã.

Desde a sua detenção no aeroporto da cidade de Saint-Louis, a jornalista tem sido submetida a maus tratos e humilhações. Ela segue acorrentada pelos pés e pelas mãos e está proibida de usar o véu. Segundo relatos, Hashemi tem sido insultada por professar sua fé. Para se alimentar, recebe pão, água e carne de porco (cujo consumo é proibido entre os muçulmanos), o que causa grande revolta na comunidade islâmica.

A prisão soa como um ataque aos jornalistas independentes, muçulmanos, mulheres, negros e todos aqueles que defendem os direitos humanos e a liberdade de expressão.

A Basich, comunidade de mulheres da Força de Resistência Popular do Irã, condena a prisão de Marziyeh Rashemi. O mesmo faz a associação de jornalistas iranianos .

Lembramos o caso de Jamal Khashoggi, jornalista assassinado na Turquia a mando da monarquia saudita – e minimizado por Donald Trump.

Liberdade para Marziyeh Rashemi.

The post A estranha prisão da jornalista Marziyeh Hashemi appeared first on CartaCapital.

ver Carta Capital
#diversidade
#fbi
#muçulmanos
#diálogos da fé
#opinião
#irã
#eua
#mundo