Mato Grosso entrará em estado de calamidade financeira

Facebook
VKontakte
share_fav

O governador do Mato Grosso, Mauro Mendes (DEM), disse que decretará estado de calamidade financeira nesta 5ª feira (17.jan.2018). A dívida do Mato Grosso, que tem cerca de 500 obras paradas, chega a R$ 4 bilhões.

Para valer, o decreto terá que ser aprovado pela Assembleia Legislativa do Estado.


O governador se reuniu na 4ª feira (16.jan) com o ministro da Economia, Paulo Guedes, e pediu a liberação de R$ 500 milhões do FEX (Auxílio Financeiro para Fomento às Exportações). No entanto, o pedido não poderá ser atendido imediatamente, uma vez que os recursos não constam no Orçamento da União em 2019.

Ao sair do ministério, Mendes disse que o Mato Grosso tem 1 grande potencial, toma medidas para melhorar a receita e cria mecanismos para diminuir as despesas. Porém, agoniza com o crescimento da folha de pagamento.

Segundo o governador, o FEX seria o “canudinho para que o Estado não morra afogado financeiramente”.

Apelo de Mendes aos ministros

O governador também se reuniu com outros 2 ministros: general Santos Cruz, da Secretaria de Governo da Presidência da República, e Luiz Mandetta, da Saúde. No Instagram, Mendes disse mostrar os problema pelos quais o Mato Grosso passa.

“É extremamente importante essa liberação para que consigamos honrar e cumprir com obrigações básicas junto aos seus fornecedores”, disse.

Visualizar esta foto no Instagram.

Mais um dia produtivo em prol do nosso Estado. Pela manhã, junto com a bancada federal e nossos secretários, nos reunimos com o ministro de Governo, general Souza Cruz. Apresentamos a ele a grave situação financeira na qual #MatoGrosso se encontra e solicitamos a liberação do Fundo de Apoio a Exportação (FEX). Mostramos o problema que o Estado está passando e que é extremamente importante essa liberação para que consigamos honrar e cumprir com obrigações básicas junto aos seus fornecedores, para não prejudicar e não comprometer de maneira irreversível o fornecimento de produtos e serviços essenciais à população. O general Souza Cruz compreendeu a situação e disse que vai dar um tratamento de urgência e celeridade nesses assuntos. Também nos reunimos com o ministro da saúde Luiz Henrique Mandetta. Conversamos sobre o aumento no teto financeiro de média e alta complexidade, a situação das unidades hospitalares e a realidade de alguns convênios. O ministro demonstrou uma pré-disposição em nos ajudar nessa reorganização, especialmente, na gestão hospitalar. Ele se prontificou em fazer um trabalho piloto no Hospital Metropolitano.

Uma publicação compartilhada por Mauro Mendes (@mauromendesoficial) em

Reunião com governadores

Paulo Guedes recebeu 3 governadores na 4ª feira (16.jan): Romeu Zema (Novo), de Minas Gerais; Helder Barbalho (MDB), do Pará e Mendes.

Os chefes estaduais receberam 1 guia para orientar os Estados que estão em crise financeira.

O manual, elaborado pelo Tesouro Nacional, recomenda o aumento de impostos, o corte ou a diminuição de gastos com pessoal e a privatização de empresas locais para que seja possível o reequilíbrio das contas.

De acordo com o documento, as Unidades Federativas que estão mais endividadas são o Rio de Janeiro, Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Goiás, Bahia e Santa Catarina.

ver Blog do Fernando Rodrigues
#bahia
#minas gerais
#governo
#mato grosso
#santa catarina
#paulo guedes
#goiás
#rio grande do sul
#rio de janeiro
#mauro mendes
#luiz mandetta
#santos cruz