Ghosn sofre tratamento “severo” em prisão no Japão

Photo of Ghosn sofre tratamento “severo” em prisão no Japão
Facebook
VKontakte
share_fav
Carlos Ghosn está preso desde 19 de novembro, no Japão

A mulher do ex-presidente do conselho de administração da Nissan Carlos Ghosn pediu que a organização de direitos humanos Human Rights Watch chame atenção para o “severo tratamento” que o executivo está recebendo em uma prisão no Japão, segundo carta vista pela Reuters.

LEIA MAIS: Nissan expande investigação sobre Ghosn para mais países

Autoridades japonesas acusaram Ghosn de omitir parte de sua renda e de agravada violação de confiança por transferir temporariamente perdas pessoais com investimentos para a Nissan em 2008.

Em uma carta de nove páginas enviada a Kanae Doi, diretora da Human Rights Watch no Japão, Carole Ghosn pediu que a organização “lance luz sobre o severo tratamento de meu marido e sobre as desigualdades de direitos humanos infligidas contra ele pelo sistema de justiça japonês”.

Ghosn era responsável por uma aliança que incluía a Nissan Motor, a Mitsubishi Motors e a francesa Renault, até que sua prisão em novembro e subsequente remoção dos cargos de presidente do conselho das montadoras chocou a indústria.

O governo tem negado pedidos para suspender a detenção do executivo, preso desde 19 de novembro. Os advogados de Ghosn têm dito que provavelmente demorará mais de seis meses para que seu caso vá a julgamento.

O Ministério de Relações Exteriores do Japão disse que os direitos de Ghosn são garantidos pelas leis do país. “Ele está sendo tratado de acordo com o procedimento apropriado, garantindo os direitos humanos fundamentais dos indivíduos e passando por rigoroso exame judicial de acordo com relevantes leis internas do Japão”, disse o porta-voz do ministério Natsuko Sakata, por e-mail.

A Nissan disse não estar na posição de comentar o funcionamento do sistema judicial ou qualquer decisão da Procuradoria de Tóquio.

VEJA TAMBÉM: Defesa de Carlos Ghosn pede liberdade sob fiança

Autoridades da Human Rights Watch não puderam ser encontradas para comentar a carta vista pela Reuters ontem (13), mas o diretor da organização para a Ásia, Brad Adams, disse em editorial na quinta-feira (10) que o caso de Ghosn “lançou luz” sobre o há muito negligenciado sistema judicial de “reféns” do Japão.

O ex-executivo da Nissan está sendo mantido em uma cela não aquecida de 6,97 metros quadrados e não está tendo acesso a sua medicação diária, disse sua mulher na carta. Ele perdeu 7 kg desde que foi preso e só come arroz e cevada, acrescentou.

Procuradores japoneses frequentemente tentam extrair confissões de prisioneiros em detenções que podem durar meses, disse Carole Ghosn na carta. “Por horas, todos os dias, os procuradores o interrogam, intimidam, repreendem e criticam, sem a presença de seus advogados, em um esforço para extrair uma confissão”, disse. “Ninguém deveria ser forçado a suportar o que o meu marido enfrenta todos os dias, especialmente em uma nação desenvolvida como o Japão, a terceira maior economia do mundo.”

Ghosn disse ter sido “incorretamente acusado e injustamente detido com base em acusações infundadas e sem mérito”, durante audiência em Tóquio na semana passada, sua primeira aparição pública desde novembro, na qual aparentou estar consideravelmente mais magro.

O post Ghosn sofre tratamento “severo” em prisão no Japão apareceu primeiro em Forbes Brasil.

ver Forbes Brasil
#japão
#lei
#investimento
#human rights watch
#renault
#nissan
#carta
#carlos ghosn
#prisão
#fraude
#prisioneiro
#direitos humanos
#julgamento
#justiça
#negócios
#últimas
#mitsubishi motors
#confissão
#nissan motor