Por dentro do grupo de estudo da Bíblia para góticos, punks e metaleiros

Photo of Por dentro do grupo de estudo da Bíblia para góticos, punks e metaleiros
Facebook
VKontakte
share_fav

“Jesus, você é a pessoa alternativa definitiva. Você é um alienígena criativo que nos fez à sua imagem”, diz a inglesa Billie Sylvian, fundadora da irmandade Asylum. “Obrigada por se compartilhar conosco.”

Eu estava sentado numa mesa de uma sacristia do século 18 no centro de Londres, na Inglaterra, cercado por góticos, punks e metaleiros. Discutimos vida, morte e fé, comendo salgadinhos e biscoitos. Metal industrial cristão – da banda Circle of Dust – tocava ao fundo num volume baixo enquanto eu passava pela minha cópia da New Age Bible.

A Asylum é uma organização cristã de caridade registrada especialmente formada para a comunidade alternativa de Londres. O cartaz promocional deles, colado na Denmark Street no Soho, diz: “Irmandade Asylum. Compartilhando o Amor de Cristo com Góticos, Metaleiros, Punks, etc”. Eles realizam um estudo da Bíblia dominical, uma festa noturna mensal (“The Crypt”) especializada em rock, metal e industrial cristão, e “festas mensais de louvor”, onde os membros são convidados a compartilhar itens ou músicas que os ajudam em sua adoração.

Archangel De La Valette
Archangel De La Vallette. Foto: Ashton Hertz

Archangel De La Vallette – um dentista que faz dentes para a “comunidade vampira” de Londres, além de seu trabalho normal – frequenta a irmandade desde o começo dos anos 2000, e personificou a natureza receptiva da Asylum quando me convidou para seu apartamento uma noite de inverno, para comer pizza e tomar champanhe.

“Fiquei muito feliz em me afastar do Papa porque sinto que ele está sequestrando o cristianismo”, ele disse sobre sua juventude como católico. “Eu não conhecia nenhum cristão na cena alternativa até encontrar a Asylum. Quando cheguei lá, tínhamos muitos pontos de vista em comum e compartilhávamos nossa fé, o que foi muito legal.”

Uma das músicas tocadas nas “festas de louvor” mensais da Asylum.

Para veteranos como Jon e Billie, a Asylum reafirma sua fé e os ajuda em sua adoração, já que eles podem explorar sua espiritualidade com pessoas com a mesma mentalidade. Para outros, como Paul e Julian, a irmandade parece proporcionar um espaço seguro e amigável. Um lugar onde eles podem discutir a vida num nível mais profundo sem medo de julgamento ou ridículo. Com tanta incerteza e caos no mundo ateu, faz sentido que as pessoas se sintam atraídas por grupos assim, procurando respostas que não podem ser encontradas em outro lugar. Sei porque a mesma compulsão foi o que me levou a bater na porta da Asylum.

“A Asylum está aberta para toda a comunidade alternativa e diz 'Se você acredita em Deus, Alá ou se é uma bruxa, ou mesmo se não acredita em nada, não importa'”, explicou Paul. “Estamos aqui para discutir e ouvir, e é isso que torna a Asylum única.”

Durante meu tempo com a irmandade, senti que eu era parte de algo discretamente revolucionário. Um grupo representando conexão e abertura que parecia místico e ainda muito humano. Talvez eu me sinta assim porque experimentei a religião de dentro em vez de observar curiosamente de longe. O grupo Asylum reenquadra a religião e a espiritualidade, tornando isso mais acessível e inclusivo que qualquer igreja que já vi antes.

Matéria originalmente publicada pela VICE Reino Unido.

Siga o Jak Hutchcraft no Twitter.

Siga a VICE Brasil no , Twitter, Instagram e YouTube.

ver Vice Brasil
#góticos
#religião
#música
#imersão