Juiz que mandou prender executivo do Facebook é enérgico contra o tráfico

R7

Titular da Vara Criminal da comarca de Lagarto, a 75 quilômetros da capital, Aracaju, onde mora, o juiz sergipano Marcel Maia Montalvão é considerado um magistrado enérgico em suas decisões no Fórum, combate o tráfico de drogas e tem forte preocupação com o impacto dos entorpecentes sobre crianças, jovens e adolescentes. E foi exatamente no meio de uma investigação da Polícia Federal sobre o tráfico em Lagarto, corredor de maconha e crack no rumo do litoral, que ele encontrou o link com o Facebook.

"Ele é um juiz enérgico, mas costuma agir de forma ponderada", descreveu o advogado criminalista Glover Rúbio dos Santos Castro, que atua em Lagarto e conhece o magistrado. "Defendo que a prisão deveria acontecer somente em último caso", afirmou Castro, manifestando desacordo com a medida imposta ao executivo Diego Dzodan por Montalvão. "Ele poderia usar até a condução coercitiva para esclarecimentos na PF, mas com a posterior liberação", argumentou o advogado.

Sem perfil no Facebook, ex-professor, com mais de 12 anos de magistratura e designado para o município desde o ano passado, o juiz de Lagarto não facilitou para a maior rede social do mundo. Conhecido na região por seu discurso humanista cristão, defensor da liberdade de imprensa, ele não quis comentar o caso. Em nota, informou que o processo corre em segredo de Justiça e a empresa teve três oportunidades para atender à Justiça, sofreu multas, mas não colaborou.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

view R7