poema

ordem do dia - 1, por romério rômulo

Categoria: Literatura ordem do dia, 1 por romério rômulo chamei os amigos à ordem do dia e lhes joguei o estanho na cara: quanto de mim é um anjo e quanto assombração e pedra. ficaram as
Incorporadora Stemmer Rodrigues realiza Sábado de Poema para lançar empreendimento em Porto Alegre

Incorporadora Stemmer Rodrigues realiza Sábado de Poema para lançar empreendimento em Porto Alegre

O Sábado de Poema, promovido pela incorporadora Stemmer Rodrigues, chamou a atenção de quem circulou pela Avenida Encantado, no sábado (06/05), no bairro Petrópolis. O evento foi uma ação de
Construtora apela para marketing da poesia concreta

Construtora apela para marketing da poesia concreta

Poesia numa hora dessas? A resposta é sim. A Stemmer Rodrigues, empresa de arquitetura e incorporação que completa 30 anos, lança neste sábado o condomínio Poema no bairro Petrópolis, em Porto Alegre.

meu coração é o mundo, por romério rômulo

Categoria: Literatura meu coração é o mundo por romério rômulo 1. todo sábado eu inundo a ponta do meu desejo no rio onde eu me vejo o mais exato e profundo. 2. todo sábado amanheço com o coração

a geografia dos ossos, por romério rômulo

Categoria: Literatura a geografia dos ossos por romério rômulo se eu me encontrar com a morte lhe entrego os meus cabelos fujo correndo, de sorte que ela vai me remetê-los me mandará com outro

mote para dezembro, 3, por romério rômulo

Categoria: Literatura mote para dezembro, 3 por romério rômulo eu deixo a casa vazia meus cavalos d'além mar um caravaggio nos ossos um maradona no olhar um goya feito do avesso o corpo sem

meu corpo, só um pedaço, por romério rômulo

Categoria: Literatura meu corpo, só um pedaço por romério rômulo meu agudo teorema sempre foi a tua boca onde rosas estocaram o denso da minha página onde escrevi calmarias ventos, fel, árvores

Tudo muda, tudo passa, neste mundo de ilusão...

Categoria: Memória Uma edição comemorativa pelos 6 anos do canal lucianohortencio no Youtube CORAÇÃO - poema de Guilherme de Almeida. Lembrança, quanta lembrança Dos tempos que já lá vão! Minha

perguntas a Murilo Mendes, por romério rômulo

Categoria: Literatura perguntas a Murilo Mendes por romério rômulo se eu me manchar de palavras o que sobra do texto? meu raro entrave? minha alquimia? meu passado andaluz? minha vida crua
e cabe conjugar o objeto, por romério rômulo

e cabe conjugar o objeto, por romério rômulo

Categoria: Literatura e cabe conjugar o objeto por romério rômulo 1. um dia -quando?- as palavras vão sair do lodo e se entregar. 2. o corpo é intangível. é clara a impotência. retrato o teu

Avoa - um pouco de poesia pra enfrentar a adversidade, por Matê da Luz

Categoria: Literatura Avoa - um pouco de poesia pra enfrentar a adversidade por Matê da Luz o aviso no pé do peito é alento, é atento: sai porque (se) ainda não é a alma a calma, a brisa, a

galo bélico, picasso, 38, por romério rômulo

Categoria: Literatura galo bélico, picasso, 38 por romério rômulo ângulo agudo, reteso, o galo vinca a noite que desnuda no pescoço. um galo válido, picasso, 38, quadrimestria, no cubo,

o travo de camões, por romério rômulo

Categoria: Literatura o travo de camões por romério rômulo nasci-me portugal. madeira em brasa, refiz-me no sertão. todo manuel foi rei. por manuelzão celebrei rosa e graça, vendaval. do minho

ato de deus, por romério rômulo

Categoria: Literatura ato de deus por romério rômulo em cada olho, o fogo e a serpente em cada mão, um risco permanente em cada braço, um aço e uma corrente: e tudo transformado em bicho e

tem um reino sem um rei, por romério rômulo

Categoria: Literatura tem um reino sem um rei por romério rômulo nesta vila de ouro preto onde sempre eu naveguei tem um mar obsoleto tem um reino sem um rei na rua do meu tormento faça sol,

sem um cavalo, sem um trajeto da morte, por romério rômulo

Categoria: Literatura sem um cavalo, sem um trajeto da morte por romério rômulo coisa triste é caminho sem rastro a causa sem a causa do que foi feito um caminho sem estribo, sem viajante sem um

a arte morre de manhã, como num beijo, por romério rômulo

Categoria: Literatura a arte morre de manhã, como num beijo por romério rômulo 1. cada vida tem seu punhado de mortos, suas canções de desapego. a todo instante a luz fisga e arremata. fosse a

o amor de camões, 1, por romério rômulo

Categoria: Literatura o amor de camões, 1 por romério rômulo vou te entregar o meu amor sedento e vou saber do teu amor avaro todo tão triste sobre meu lamento todo tão dor sobre teu corpo raro.